A sociedade aberta e sua proveniência grega, segundo a perspectiva de Popper

Palavras-chave: Tensão da civilização, Sociedade Aberta, Liberdade, Acessibilidade, Virtude moral

Resumo

De acordo com a visão de Karl Popper (1902-1994), quando a nova fé que dava sustentação ao humanitarismo começara a se firmar na Grécia, eclodiu a tensão da civilização. Tal reação era acompanhada de fatores como o apelo à tradição, a defesa de velhas virtudes e da velha religião. Desdobrando a visão popperiana, mostramos como esse contexto influenciou a interpretação da política imperialista ateniense por parte do historiador Tucídides. Tomada como oficial, a interpretação tucidideana carrega as marcas da reação contrária ao movimento que rompeu com o tribalismo e instaurou a Sociedade Aberta, cuja marca está na inauguração de uma nova tradição; onde a fé mágica se dissolve e cede espaço à de desafiar teorias e mitos e discuti-los criticamente. Além disso, vê-se a abertura para a liberdade enquanto dimensão do acessível. Assim, partindo da análise feita por Rémi Brague da Oração Fúnebre, de Péricles, discorremos acerca da necessidade da coragem para a liberdade. Tendo em vista vivermos inseridos em uma dimensão ontológica contingente, desdobramos também como a importância de uma boa deliberação do curso das ações é importante para os cidadãos imersos no campo da responsabilidade pessoal considerando a noção aristotélica de virtude moral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Mota Vieira, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Seropédica, RJ, Brasil.

Mestrando em Filosofia na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Referências

ARISTÓTELES. Tratado da virtude moral [Ethica Nicomachea I 13 – III 8]. Tradução, notas e comentários de Marco Zingano. São Paulo: Odysseus Editora, 2008.

BRAGUE, R. O mundo livre. In: Introdução ao mundo grego: estudos de história da filosofia. Tradução de Nicolás Nyimi Campanário. São Paulo: Edições Loyola, 2007. p. 35-63.

LOURAX, N. A invenção de Atenas. Tradução de Lilian Valle. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

OLIVA, A. Conhecimento e liberdade: individualismo x coletivismo. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1994.

PEREIRA, J. C. R. Epistemologia e liberalismo: uma introdução à filosofia de Karl R. Popper. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1993.

POPPER, K. R. A sociedade aberta e seus inimigos. Tradução de Milton Amado. Belo Horizonte: Editora Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1974. v.1. 56

POPPER, K. R. Rumo a uma teoria racional da tradição. In: Conjecturas e refutações. Tradução de Sérgio Bath. 2. ed. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1982. p. 147-160.

SANTOS, F. A. A emergência da modernidade: atitudes, tipos e modelos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1990.

SHEARMUR, J. The political thought of Karl Popper. London and New York: Routledge, 1996.

TUCÍDIDES. História da Guerra do Peloponeso. Tradução do grego por Mário da Gama Kury. 4. ed. Brasília: Editora da Universidade de Brasília; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2001.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Vieira, D. M. (2020). A sociedade aberta e sua proveniência grega, segundo a perspectiva de Popper. Intuitio, 13(2), e34934. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2020.2.34934
Seção
Artigos