Imortalidade e natureza da alma humana: comentários a respeito da possibilidade de fundamentação metafísica e epistemológica na Ordinatio de Duns Scotus

Palavras-chave: Alma, Conhecimento, Imortalidade, Scotus.

Resumo

O presente estudo propõe-se a analisar de forma breve e sintética os principais elementos de caráter metafísico e epistemológico a respeito da questão da possibilidade de conhecimento racional acerca da imortalidade da alma por parte de Duns Scotus na sua Ordinatio. Para tanto, o trabalho estrutura-se em três partes, respeitando e adotando um roteiro metodológico semelhante ao construído por Scotus na análise da questão. Em um primeiro momento, recupera um conjunto de argumentos construídos pelo autor, em diálogo sobretudo com Aristóteles, que advogam em favor da possibilidade a respeito da qual se indaga. Expõe inicialmente argumentos a priori e em seguida argumentos a posteriori. Os primeiros basicamente delineiam-se à luz do conceito de felicidade eterna, felicidade essa a qual o homem permanentemente aspira e deseja. Os segundos versam mais intensamente em torno da necessidade de justiça à retribuição após a morte, aos atos virtuosos e viciosos cometidos pelos homens. Na segunda e na terceira parte, nossa abordagem detém-se em apresentar o processo de refutação empreendido por Scotus a esses dois segmentos argumentativos. Demonstra-se assim como o autor rejeita a possibilidade de o homem conhecer por meio da razão natural a imortalidade de sua alma, estabelecendo-se assim um primado da fé, uma vez que somente por meio dessa lhe é permitido ter conhecimento desta realidade eterna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Darlan Paulo Lorenzetti, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS
Mestrando em filosofia no Programa de Pós-Graduação da Escola de Humanidades da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre RS, Brasil; bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Referências

ARISTÓTELES. Metafísica: Ensaio introdutório. Texto grego com tradução e comentário de Giovanni Reale. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

ARISTÓTELES. Sobre a alma. Trad. Ana Maria Lóio. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa – Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2010.

BÍBLIA de Jerusalém. São Paulo: Paulinas, 1973.

BOEHNER, Philotheus; GILSON, Etienne. História da filosofia cristã: desde as origens até Nicolau de Cusa. Trad. Raimundo Vier. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

DE BONI, Luis Alberto. Sobre a vida e a obra de Duns Scotus. Veritas, Porto Alegre, v. 53, n. 3, p. 7-31, jul./set. 2008. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2008.3.4298

GILSON, Etienne. A filosofia na Idade Média. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

HIRSCHBERGER, Johannes. História da Filosofia na Idade Média. Trad. Alexandre Correia. São Paulo: Herder, 1959.

SANTO AGOSTINHO. A Trindade. Trad. Agustino Belmonte. São Paulo: Paulus, 1994. (Coleção Patrística)

SCOT, John Duns. Escritos Filosóficos. In: STO. TOMÁS DE AQUINO. DANTE ALIGHIERI. JOHN DUNS SCOT. WILLIAM OF OCKHAM. Seleção de textos. Trad. Luiz João Baraúna. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Col. Os Pensadores, v. 7)

VIER, Raimundo. João Duns Escoto. In: GARCIA, Antônio (org.). Estudos de Filosofia Medieval: a obra de Raimundo Vier. Petrópolis: Vozes; São Paulo: Instituto Franciscano de Antropologia – Universidade São Francisco, 1997.

Publicado
2020-06-10
Como Citar
Lorenzetti, D. P. (2020). Imortalidade e natureza da alma humana: comentários a respeito da possibilidade de fundamentação metafísica e epistemológica na Ordinatio de Duns Scotus. Intuitio, 13(1), e34122. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2020.1.34122
Seção
Artigos