A ontologia social "fraca" em Habermas: o déficit normativo do mundo da vida (Lebenswelt)

  • José Henrique Assai (PUCRS) Pontifícia Universidade Católica (PUCRS)
Palavras-chave: Ontologia social. Mundo da vida. Teoria da sociedade.

Resumo

Habermas não faz uma teoria ontológica em seus escritos, mas, por outro lado, não abandona por completo o substrato ôntico ao tematizar em sua teoria da sociedade o mundo da vida. Mesmo não fazendo uma ontologia em seu caráter mais restrito, Habermas trata a respeito do ser do mundo na sociedade – o que nos permite pensar uma abordagem ontológica social – a partir de uma triádica articulação conceitual, a saber: personalidade, sociedade e cultura. Tal concepção está vinculada à teoria da sociedade do próprio Habermas.

Pretendo demonstrar que o conceito de mundo da vida (Lebenswelt) que Habermas utiliza para categorizar sua teoria da sociedade compreendida por mundo da vida e sistema possui um forte caráter não-normativo, mas, sim apenas fenomênico. Na verdade, o que se coloca como fundamento do conceito de mundo da vida habermasiano é uma ontologia fraca entendida aqui enquanto um saber que não remete a uma normatividade, cuja tarefa é endereçada à Teoria Crítica na qual o próprio Habermas é herdeiro e, por isso mesmo, essa noção enfraquecida do mundo da vida não faz jus à Teoria Crítica que tem em seu arcabouço conceitual uma forte noção normativa da sociedade conhecida pela égide de ontologia social

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

FORST, Rainer. Das Recht auf Rechtfertigung: Elemente einer KonstruktivistichenTheorie der Gerechtigkeit. 1. ed. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2007. 413 p.

HONNETH, Axel. Pathologien der Vernunft: Geschichte und Gegenwart der Kritischen Theorie. 1. ed. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2007. 239 p.

HABERMAS, Jürgen. Nachmetaphysisches Denken II: Aufsätze und Repliken. Berlin: Suhrkamp, 2012. 334 p.

_______. Verdade e Justificação: estudos filosóficos. Tradução de Milton Mota. São Paulo: loyola, 2004. 330 p.

_______. Identidades nacionales y postnacionales. 2. ed. Madrid: Tecnos, 2002. p.111 – 121.

_______. Kommunikatives Handeln und detranszendentalisierte Vernunft. Stuttgart: Reclam, 2001. 87 p.

_______. Theorie des Kommunikativen Handelns: Zur Kritik der funktionalistischen Vernunft. 1. ed. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag. 1995. 640 p.

_______. Fakzität und Geltung: Beiträge zur Diskurstheorie des Rechts und des demokra-tischen Rechsstaats. ed. ampl. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1994. 704 p

_______. Pensamento pós-metafísico. Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990. 271 p.

_______. Die Neue Unübersichtlichkeit: Kleine Politische Schriften V. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 1985. p. 167 – 208.

LUFT, Eduardo. Ontologia deflacionária e ética objetiva: em busca dos pressupostos ontológicos da teoria do reconhecimento, Veritas, Porto Alegre, v. 55, n. 1, 2010, p. 82 – 120. Cf. também:

LUFT, Eduardo. Holismus und deflationäre Ontologie. In: EIDAM, Heinz, HERMENAU, Frank, SOUZA, Draiton (org.). Metaphysik und Hermeneutik: Festschrift für Hans Georg Flickinger zum 60. Geburtstag. Kassel: Kassel Uni Press, 2004. 425 p. (Klasseler Philosophische Schriften 38).

NIESEN, Peter, HERBORTH, Benjamin. Anarchie der Kommunikativen Freiheit. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2007. 464 p

SCHUTZ, Alfred, LUCKMANN, Thomas. The Structures of the Life-World. Evanston: Northwestern Press, 1973. 335 p

Publicado
2014-06-13
Como Citar
Assai (PUCRS), J. H. (2014). A ontologia social "fraca" em Habermas: o déficit normativo do mundo da vida (Lebenswelt). Intuitio, 7(1), 215-225. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2014.1.17250
Seção
Artigos