A política brasileira sobre drogas e a rede de atenção psicossocial

Palavras-chave: Drogas, Políticas Públicas, Saúde, Rede de Atenção, Intersetorialidade

Resumo

No Brasil, a temática das drogas tem sido abordada por diferentes tendências teóricas, em especial, pelo prisma da saúde pública em oposição ao proibicionismo. Tais tendências perpassam a construção da política nacional dessa área no contexto brasileiro, o qual tem sofrido com o desmonte das políticas sociais e a mercantilização da saúde. O presente artigo versa sobre uma pesquisa, na qual foram realizadas entrevistas com usuários de drogas, familiares, profissionais e gestores, nos diferentes níveis da rede de atenção psicossocial. Tal estudo permitiu discorrer sobre os avanços e entraves da efetivação das políticas na área além de evidenciar a importância da integralidade na oferta e acesso às políticas, bem como a intersetorialidade como pilar para atingir a atenção integral aos usuários de drogas. Reforça, também, a importância da luta popular por uma política fundamentada nos direitos humanos e que compreenda o uso de drogas em sua complexidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonia Capaverde Bulla, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Ciências Humanas - Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Mestre em Serviço Social pela Université Laval, em Quebec, Canadá. Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil. Pós-doutora em Serviço Social pela Universidade de Kassel, em Kassel, Alemanha. Aposentada como professora Emérita do Curso de Serviço Social da Escola de Humanidades da Pontifícia Universidade Católica do RS (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Exerce atividades de ensino e pesquisa como professora colaboradora do Departamento de Serviço Social e/ou do Programa de Pós-graduação em Política Social e Serviço Social do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Camila Bassôa dos Santos, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Serviço Social, Políticas e Processos Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Mestra em Serviço Social, Políticas e Processos Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

ADAMY, Paula Emília et al. Cuidado, protagonismo e diálogos intersetoriais: o que pensa um território sobre as políticas para álcool e outras drogas. In: DALMOLIN, Maria Bernadete; DORING, Marlene (org.). Crack e outras drogas: múltiplas facetas do cuidado em saúde mental. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo, 2014.

ALENCAR, Mônica. O trabalho do assistente social nas organizações privadas não lucrativas. In: Conselho Federal de Serviço Social (CFESS). Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social (ABEPSS). Serviço Social: Direitos Sociais e Competências Profissionais. Brasília: CFESS, 2009. p. 524-538.

ANDRADE, Tarcisio Matos de.; RONZANI, Telmo Mota. A estigmatização associada ao uso de substâncias como obstáculo à detecção, prevenção e tratamento. In: FORMIGONI, Maria L. O. S.; DUARTE, Paulina C. A. V (org.). O Uso de Substâncias Psicoativas no Brasil: módulo 1. 11. ed. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. 2017. p. 31-45.

BAUER, Martin W.; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.

BEHRING, Elaine R. Brasil em contrarreforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. São Paulo: Cortez, 2003.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, 1990.

BRASIL. Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União: Brasília, 2001

BRASIL. Portaria nº 816, de 30 de abril de 2002b. Instituir, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Atenção Comunitária Integrada a Usuários de Álcool e Outras Drogas. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 30 abr. 2002. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0816_30_04_2002.html. Acesso em: 27 jun. 2018.

BRASIL. Decreto nº 4.345, de 26 de agosto de 2002c. Política Nacional Antidrogas. Brasília, DF: Presidência da República, 26 ago. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4345.htm. Acesso em: 14 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 336, de 19 de fevereiro de 2002. Estabelecer que os Centros de Atenção Psicossocial pudessem constituir-se nas seguintes modalidades de serviços: CAPS I, CAPS II e CAPS III. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 19 fev. 2002 Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html. Acesso em: 27 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação Nacional de DST/Aids. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Ministério da Saúde, Secretaria Executiva, Coordenação Nacional de DST e Aids. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

BRASIL.S.E.D.H.P.R. Decreto nº 7.037, de 21 de dezembro de 2009. Aprova o Programa Nacional de Direitos Humanos e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006. Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (SISNAD). Brasília, DF: Presidência da República, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm. Acesso em: 14 jun. 2018.

BRASIL. Decreto nº 6.117, de 22 de maio de 2007. Política Nacional sobre o Álcool. Brasília, DF: Presidência da República, 2007.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6117.htm. Acesso em: 14 jun. 2018.

BRASIL. Decreto nº 7.179, 20 de maio 2010. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas. Brasília, DF: Presidência da República, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7179.htm. Acesso em: 14 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Presidência da República, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html. Acesso em: 14 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 130, de 26 de janeiro de 2012. Redefine o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 h (CAPS AD III) e os respectivos incentivos financeiros. Brasília, DF: Presidência da República, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0130_26_01_2012.html. Acesso em: 15 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.482, de 25 de outubro de 2016a. Inclui na Tabela de Tipos de Estabelecimentos de Saúde do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde – CNES o tipo 83 – Polo de Prevenção de Doenças e Agravos de Promoção da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2016/prt1482_25_10_2016.html. Acesso em: 15 jun. 2018.

BRASIL [Constituição (1988)]. Emenda Constitucional nº 95, em 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF, p. 2, col. 2, 16 dez. 2016.

BRASIL. Lei nº 13.341, de 29 de setembro de 2016. Dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios. Brasília, DF: Presidência da República, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/L13341.htm. Acesso em: 29 de jun. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.429, de 31 de março de 2017. Altera dispositivos da Lei no 6.019, de 3 de janeiro de 1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras providências; e dispõe sobre as relações de trabalho na empresa de prestação de serviços a terceiros. Brasília, DF: Presidência da República, 2017. Disponível em: http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13429.htm. Acesso em: 29 jun. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Brasília, DF: Presidência da República, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13467.htm. Acesso em: 25 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Política Nacional de Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Presidência da República, 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html. Acesso em: 14 dez. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional sobre Drogas. Resolução nº 01/2018. Dispõe sobre o Realinhamento da Política sobre

Drogas. Brasília, DF: Presidência da República, 2018. Disponível em: http://www.justica.gov.br/news/politicas-sobre-drogas-dara-guinada-rumo-a-abstinencia/proposta-aceita-osmar-terra.pdf. Acesso em: 29 jun. 2018.

BRASIL. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Portaria nº 8, de 27 de abril de 2018. Criação da Comissão Especial de Avaliação das Comunidades Terapêuticas. Brasília, DF: Presidência da República, 2018. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/diarios/195205618/dou-secao-2-15-06-2018-pg-43. Acesso em: 29 jun. 2018.

BRASIL. Resolução CONAD nº 01/2015. Regulamenta, no âmbito do Sistema Nacional de Políticas sobre Drogas (SISNAD), as entidades que realizam o acolhimento de pessoas, em caráter voluntário, com problemas associados ao uso nocivo ou dependência de substância psicoativa, caracterizadas como comunidades terapêuticas. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.politicasobredrogas.pr.gov.br/arquivos/File/CONAD_01_2015.pdf. Acesso em: 25 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública- Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – Brasília, DF: Presidência da República. 2019. Disponível em: https://app.powerbi.com/view?r=eyjrijoimmu4odawntaty2iyms00owjilwe3ztgtzgnjy2zhntyzzdliiiwidci6imvimdkwndiwltq0ngmtndnmny05mwyyltriogrhnmjmzthlmsj9. Acesso em: 12 jan. 2021.

BURNS, John E.; LABONIA FILHO, Walter. Grupos de Ajuda Mútua no tratamento de pessoas dependentes de substâncias psicoativas. In: FORMIGONI, Maria L. O. S.; DUARTE, Paulina C. A. V (org.). O Sistema Único de Assistência Social e as Redes Comunitárias: módulo 7. 11. ed. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2017. p. 77-86. (SUPERA: Sistema para detecção do Uso abusivo e dependência de substâncias Psicoativas: encaminhamento, intervenção breve, reinserção social e acompanhamento).

CASTELO, Rodrigo. O novo-desenvolvimentismo e a decadência ideológica do estruturalismo latino-americano. In: CASTELO, Rodrigo (org.). Encruzilhadas da América Latina no século XXI. Rio de Janeiro: Pão e Rosas, 2010. p. 71-91.

CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa; DOMITTI, Ana Clara. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para a gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública, [S. I.], v. 23, n. 2, p. 399-407, 2007.

COSTA, Nilson do Rosário. Políticas Públicas, Justiça Distributiva e Inovação: saúde e saneamento na agenda social. São Paulo: Hucitec, 1998.

COSTA, Pedro Henrique Antunes da; COLUGNATI, Fernando Antonio Basile; RONZANI, Telmo Mota. As redes de atenção aos usuários de álcool e outras drogas: histórico, políticas e pressupostos. In: RONZANI, Mota Telmo et al. (org.). Redes de atenção aos usuários de drogas: políticas e práticas. São Paulo: Cortez, 2015. p. 738-750

DUARTE, Paulina do Carmo Arruda Vieira. Recursos da comunidade para lidar com o uso abusivo e a dependência de álcool e outras drogas: alternativas e reinserção social. In: FORMIGONI, Maria L. O. S.; DUARTE, Paulina C. A. V (org.). O Sistema Único de Assistência Social e as Redes Comunitárias: módulo 7. 11. ed. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2017. p. 59-76. (SUPERA: Sistema para detecção do Uso abusivo e dependência de substâncias Psicoativas: encaminhamento, intervenção breve, reinserção social e acompanhamento).

ELY, Karine Zenatti. CAPS AD III: cotidiano, avanços e desafios. In: TOROSSIAN, Sandra D. et al. (org.).

Descriminalização do Cuidado: políticas, cenários e experiências em redução de danos. Porto Alegre, RS: Rede Multicêntrica, 2017. p. 351-364.

GOMES, Tathiana Meyre da Silva. Reflexões sobre o processo de implementação da Política Nacional de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas no Brasil neoliberal. In: DUARTE, Marco José de Oliveira et al. (org.). Serviço Social, Saúde Mental e Drogas. Campinas: Papel Social, 2017.

KOSIK, Karel. Dialética do Concreto. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

MARLATT, Gordon Alan. Redução de Danos: estratégias práticas para lidar com comportamentos de alto risco. Porto Alegre: Artes Médicas. 1999.

MARTINELLI, M. Lúcia (org.). O uso de abordagens qualitativas na pesquisa em Serviço Social. Cadernos NEPI. São Paulo: PUCSP, 1994.

MELLO, Vania Roseli Correa de; PAULON, Simone Mainieri. Travessias de Humanização na Saúde Mental: tecendo redes, formando apoiadores. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde Mental/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Cadernos Humaniza SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. v. 5, p. 86-105.

MINOZZO, Fabiane et al. Saúde Mental, Atenção Primária à Saúde e Integralidade. In: FORMIGONI, Maria L. O. S.; DUARTE, Paulina C. A. V (org.). Atenção integral na rede de saúde: módulo 5. 11. ed. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2017. p. 12-34. (SUPERA: Sistema para detecção do Uso abusivo e dependência de substâncias Psicoativas: encaminhamento, intervenção breve, reinserção social e acompanhamento).

MOTA, Ana Elizabete. Serviço Social e Seguridade Social: uma agenda recorrente e desafiante. Em Pauta: Teoria Social & Realidade Contemporânea, Rio de Janeiro, n. 20, p. 127-138, 2007.

OBSERVATÓRIO BRASILEIRO DE INFORMAÇÕES SOBRE DROGAS. Ministério da Cidadania. Secretaria Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas. Brasília. Disponível em: http://mds.gov.br/obid . Acesso em: 30 jan. 2019.

OLIVEIRA, Márcia Cristina de Oliveira. Direitos Humanos: uma nova cultura para a atuação em contextos de uso abusivo de drogas. In: FORMIGONI, Maria L. O. S.; DUARTE, Paulina C. A. V (org.). O Uso de Substâncias Psicoativas no Brasil: módulo 1. 11. ed. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2017. p. 48-70.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Transtornos devido ao uso de substâncias. In: Organização Pan-Americana Da Saúde; Organização Mundial Da Saúde (org.). Relatório sobre a saúde no mundo. Saúde Mental: nova concepção, nova esperança. Brasília: Gráfica Brasil, 2001. p. 58-61.

PEREIRA, Potyara Pereira. Como conjugar especificidade e intersetorialidade na concepção e implementação da política de assistência social. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, Cortez, n. 77, p. 54-62, mar. 2004.

PEREIRA, Potyara Pereira. Necessidades Humanas: subsídios à crítica dos mínimos sociais. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

PETUCO, D. R. S.; MEDEIROS, R. G. Saúde Mental, Álcool e outras Drogas. Contribuição à IV Conferência Nacional de Saúde Mental – Intersetorial. In: REDE Humaniza SUS, 4 abr. 2010. Disponível em: http://redehumanizasus.net/9808-saude-mental-alcool-e-outras-drogas-contribuicao-a-iv-conferencia-nacional-de-saude-mental-intersetorial. Acesso em: 14 jun. 2018.

PRATES, Jane. O planejamento da pesquisa. Revista Temporalis, Porto Alegre, v. 7, n. 7, 2003.

RAICHELIS, Raquel. Proteção social e trabalho do assistente social: tendências e disputas na conjuntura de crise mundial. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 116, p. 609-635, out./dez. 2013

SILVA, Eroy Aparecida da. A participação da família na prevenção e no tratamento de dependência de álcool e outras drogsa: o papel dos pais e dos cônjuges. In: FORMIGONI, Maria L. O. S.; DUARTE, Paulina C. A. V (org.) O Sistema Único de Assistência Social e as Redes Comunitárias: módulo 7. 11. ed. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2017. 148 p. (SUPERA: Sistema para detecção do Uso abusivo e dependência de substâncias Psicoativas: encaminhamento, intervenção breve, reinserção social e acompanhamento).

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO, GOVERNANÇA E GESTÃO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Disponível em: https://planejamento.rs.gov.br/inicial. Acesso em: 30 jan. 2019.

SUS/CNS. Sistema Único de Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Organizadora da IV Conferência Nacional de Saúde Mental – Intersetorial. Relatório Final da IV Conferência Nacional de Saúde Mental –Intersetorial, 27 de junho a 1 de julho de 2010. Brasília: Conselho Nacional de Saúde/Ministério da Saúde, 2010. 210 p. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/biblioteca/relatorios/relatorio_final_ivcnsmi_cns.pdf. Acesso em: 14 jun. 2018.

TEIXEIRA, Mirna Barros; RAMOA, Marise de Leão; ENGSTROM, Elyne; RIBEIRO, José Mendes. Tensões paradigmáticas nas políticas públicas sobre drogas: análise da legislação brasileira no período de 2000 a 2016. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 5, p. 1455-1466, 2017.

Publicado
2021-09-03
Como Citar
Bulla, L. C., & dos Santos, C. B. (2021). A política brasileira sobre drogas e a rede de atenção psicossocial. Textos & Contextos (Porto Alegre), 20(1), e41004. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2021.1.41004
Seção
Artigos e Ensaios