A política de emprego no Brasil e no Chile

A permanência da pobreza e do desemprego

Palavras-chave: Políticas de emprego, Pobreza, Brasil, Chile, Banco Mundial

Resumo

Este artigo é resultado de uma pesquisa documental sobre as políticas de emprego no Brasil e no Chile no período de 2013-2018. Trata-se de uma análise comparativa sobre as políticas supramencionadas e, embora algumas particularidades do desenvolvimento do capitalismo em ambos os países, os resultados nos permitem considerar que a política de emprego está submetida a uma lógica comum, pois seguem parâmetros propostos pelas agências multilaterais e estão subordinadas à dinâmica de crescimento econômico fundomonetarista. Portanto, configuram-se como medidas paliativas, mantendo a pobreza e a desigualdade social como traço marcante na formação social dos países em tela.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ednéia Alves de Oliveira, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.

Doutora em Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professora da Faculdade de Serviço Social e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil.

Paula Vidal , Universidad de Chile, Santiago, Chile.

Doutora em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professora do curso de Trabalho Social da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade do Chile (FACSO), em Santiago, Chile e Coordenadora do Programa de Mestrado em Trabalho Social da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade do Chile (FACSO), em Santiago, Chile.

Referências

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. PNAD contínua trimestral: novos indicadores sobre a força de trabalho. Brasília, DF: IBGE, 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/educacao/9173-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-trimestral.html. Acesso em: 17 abr. 2019.

BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista. A degradação do trabalho no século XX. Tradução de Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.

BREGA, C. et al. Informe mensual de calidad de empleo. Informe nacional, Chile, mayo 2018. Disponível em: https://docs.google.com/viewerng/viewer?url=http://www.fundacionsol.cl/wp-content/uploads/2018/06/FMA-2018.pdf. Acesso em: 11 ene. 2019.

CARCANHOLO, M. Neoliberalismo y dependencia contemporánea: alternativas de desarrollo en América Latina. In: VIDAL, P. M. (org.). Neoliberalismo, neodesarollismo y socialismo bolivariano. Modellos de desarrollo y políticas públicas en América Latina. Santiago do Chile: Ariadna Ediciones, 2019. p. 33-50.

DURÁN, G.; KREMERMAN, M. La pobreza del “modelo” chileno, la insuficiencia de los ingresos del trabajo y pensiones. Documentos de Trabajo del Área de Salarios y Desigualdad, 2018. Fundación Sol: Santiago, Chile, 2018. Disponível em: https://docs.google.com/viewerng/viewer?url=http://www.fundacionsol.cl/wp-content/uploads/2018/11/IBV13-2.pdf. Acesso em: 3 ene 2019.

ENGELS, F. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. Tradução de B.A. Schumann. São Paulo: Boitempo, 2008.

GÁRATE, M. La revolución capitalista de Chile (1973- 2003). Santiago de Chile: Ediciones Universidad Alberto Hurtado, 2012.

GONÇALVES, R. Liberalización económica, desigualdad y pobreza en América Latina en el siglo XXI. ¿Los modelos de desarollo económico hacen alguna diferencia? In: VIDAL, P. M. (org.). Neoliberalismo, neodesarollismo y socialismo bolivariano. Modellos de desarrollo y políticas públicas en América Latina. Santiago do Chile: Ariadna Ediciones, 2019. p. 104-134.

MARSHALL, T. H. Cidadania, classe social e status. Tradução de Meton Porto Gadelha. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MARX, K. O Capital. Livro I. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K. Glosas críticas marginais ao artigo: O rei da Prússia e a reforma social. De um prussiano. Tradução de Nélio Schneider. In: MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Lutas de classes na Alemanha. São Paulo: Boitempo, 2010.

NETTO, J. P. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2001.

OLIVEIRA, E. A.; VELLOSO, N. D.; FETT, R. A (des) ilusão do emprego. A “reforma trabalhista” do governo Temer (2016-2018). In: JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS, 9., 2019, São Luís Maranhão. Anais [...]. Maranhão, UFMA, 2019.

OLIVEIRA, E. A. A política de emprego na Itália e no Brasil: a precarização protegida e a precarização desprotegida. Curitiba: Editora CRV, 2017.

OLIVEIRA, E. A. Superpopulação relativa e “nova questão social”: um convite às categorias marxianas. Revista Katalysis, Florianópolis, v.13, n. 2, p. 276-283, 2010.

VIDAL, P. La Acumulación flexible en Chile. El mito de un modelo para América Latina. In: RODRÍGUEZ, María A.; VIDAL, Paula. Transformacion(es) del trabajo: tiempo(s) de precariedad(es) y resistencia(s). Algunas aproximaciones desde América Latina. Buenos Aires: Espacio Editorial, 2013. p. 67-126.

VIDAL, P. Planes sociales de empleo y protección social para la (des) igualdad: los casos de Brazil, Chile y Venezuela (2005-2013). Santiago de Chile: Proyecto Fondecyt Nº 1160742, 2019. Documento de trabajo.

WORLD BANK GROUP. Poverty and shared prosperity 2018. Piecing togheter the poverty puzzle. In: Open Knowledge. [S. I.], 2018. Disponível em: https://openknowledge.worldbank.org/bitstream/handle/10986/30418/9781464813306.pdf. Acesso em: 20 abr. 2019.

Publicado
2021-12-29
Como Citar
Oliveira, E. A. de, & Vidal, P. (2021). A política de emprego no Brasil e no Chile: A permanência da pobreza e do desemprego. Textos & Contextos (Porto Alegre), 20(1), e40910. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2021.1.40910
Seção
Artigos e Ensaios