A Fundamentação marxiana para a formação e trabalho do Assistente Social no Brasil

Palavras-chave: Ensino e trabalho, Formação e trabalho do assistente social, Teoria marxiana

Resumo

O presente artigo versa sobre a formação e o trabalho profissional do assistente social no Brasil cuja orientação se pauta no paradigma marxiano. Aporta algumas reflexões sobre o contexto histórico em que esse processo se configurou no país e os desafios enfrentados pelos profissionais para a consolidação das diretrizes curriculares. Busca também explicitar as características do referencial marxista que as fundamenta e sua mediação no processo de formação dos assistentes sociais incidindo sobre a constituição de sua identidade e trabalho profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jane Cruz Prates, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil

Doutora em Serviço Social pelo Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PPGSS/PUCRS). Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Editora da Textos & Contextos (Porto Alegre).

Referências

ABESS/CEDEPSS. Proposta básica para o projeto de formação profissional. Revista Serviço Social e sociedade, São Paulo, n. 50, 1996.

BARROCO, Maria Lúcia S. Ética: fundamentos sócio-históricos. São Paulo: Cortez, 2008.

CFESS. Conselho Federal de Serviço Social. Disponível em: http://www.cfess.org.br/servicos_perguntas.php. Acesso em: maio de 2020.

CHAUÍ, Marilena. Conformismo e resistência. São Paulo: Brasiliense, 1993.

COUTO, Berenice Rojas. O direito social e a assistência social na sociedade brasileira: uma equação possível? São Paulo: Ed. Cortez, 2007.

CRESS 21ª Região. Diretrizes Curriculares da ABEPSS. Disponível em: http://www.cress-ms.org.br/novo/leis-e-decretos/diretrizes-curriculares-abepss/. Acesso em: jun. 2019.

CURY, Carlos R. Jamil. Educação e Contradição. SP: Cortez, 1986.

FRIGOTTO, Gaudêncio. O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. In: FAZENDA, Ivani. Metodologia da Pesquisa Educacional. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1994.

IAMAMOTO, Marilda. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2007.

LEFEBVRE, Henri. Lógica Formal / Lógica Dialética. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 1993.

MARX, Karl. O Capital. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989. Livro 1. v. I.

MENDES, Jussara Maria Rosa; PRATES, Jane Cruz. Algumas reflexões acerca dos desafios para a consolidação das Diretrizes Curriculares. Revista Temporalis, Brasília, ABEPSS, n. 14, 2007.

PRATES, Jane Cruz. Possibilidades de mediação entre a teoria marxiana e o trabalho do Assistente Social. 2003. Tese (Doutorado em Assistência Social) – PUCRS, Porto Alegre, 2003.

PRATES, Jane Cruz et al. Estudo sobre as competências requisitadas ao assistente social para inserção profissional no mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre. Relatório de pesquisa enviado ao CNPq. Porto Alegre, 2012.

PRATES, Jane Cruz; AGUINSKY, Beatriz. Entre a ampliação do acesso e a mercantilização do ensino: o processo de precarização em debate. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 205-210, 29 dez. 2012a.

PRATES, Jane Cruz. A importância da linguagem e da gestão da informação nos processos participativos. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 17, n. 1, p. 01-10, 2018. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2018.1.31233

Publicado
2020-12-22
Como Citar
Cruz Prates, J. (2020). A Fundamentação marxiana para a formação e trabalho do Assistente Social no Brasil. Textos & Contextos (Porto Alegre), 19(2), e39639. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2020.2.39639
Seção
Editorial