As expressões das desigualdades sociais e econômicas no contexto da UTI Adulto

Desafios profissionais à integralidade do cuidado

Palavras-chave: Desigualdade Social e Econômica, Trabalho Multiprofissional, Integralidade do Cuidado, Demandas Sociais na UTI.

Resumo

Esse artigo objetiva problematizar elementos das expressões das desigualdades sociais e econômicas evidenciadas no contexto da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Adulto do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), destacando algumas estratégias construídas pela equipe multiprofissional para o enfrentamento às demandas sociais apresentadas pelos/as usuários/as tendo por escopo a integralidade do cuidado. É produto de uma pesquisa documental e de campo, orientada pelo método dialético-crítico e desenvolvida durante a Residência Multiprofissional (2017-2019). Caracteriza-se pela abordagem quantitativa e qualitativa, através da realização de entrevistas semiestruturadas com a equipe multiprofissional, e análise documental nos prontuários dos/as usuários/as da UTI, dados submetidos à técnica de Análise de Conteúdo. Os resultados apontam que a equipe multiprofissional da UTI Adulto do HUOL tem construído estratégias para o enfrentamento das demandas sociais, das quais se destacam as visitas e as intervenções multiprofissionais, e a inserção dessa equipe no processo de programação de alta da Unidade em questão, haja vista que são importantes estratégias para a integralidade da assistência. Contudo, nota-se que há necessidade de maior investimento na compreensão das condições sociais e econômicas atreladas ao adoecimento, agravamento do quadro clínico e internações hospitalares para contribuir na melhoria na organização dos processos de trabalho na UTI com vistas a qualificar o cuidado em saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Márcia de Oliveira Freire, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil.

Especialista em Residência Integrada Multiprofissional em Saúde na área de concentração em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Adulto pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); residente do Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde na área de concentração em Atenção Psicossocial da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Edla Hoffmann, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil.

Doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Adriana Paula da Silva Eleutério, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil.

Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Recife, PE, Brasil; assistente social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Referências

ACOSTA, Ana Rojas; VITALE, Maria Amalia Faller (org). Família, Redes e Políticas Públicas. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2018.

AKERMAN, Marco; FEUERWERKER, Laura. Estou me formando (ou eu me formei) e quero trabalhar: que oportunidade o sistema de saúde me oferece na saúde coletiva? Onde posso atuar e que competências preciso desenvolver?. In: CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa et al. Tratado de Saúde Coletiva. 2ª ed. São Paulo: Hucitec, 2012. p. 171-186.

BARATA, Rita Barradas. Como e Por Que as Desigualdades Sociais Fazem Mal à Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2009. 120 p. (Coleção Temas em Saúde).

BARATA, Rita Barradas. Condições de Saúde da População Brasileira. In: GIOVANELLA, L.; ESCOREL, S.; LOBATO, Lenaura de Vasconcelos Costa et al. (org.). Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2008. p. 167-213.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Comissão Nacional de Residência Multiprofissional. Resolução nº 5, de 7 de novembro de 2014. Dispõe sobre a duração e a carga horária dos programas de Residência em Área Profissional da Saúde nas modalidades multiprofissional e uniprofissional e sobre a avaliação e a frequência dos profissionais da saúde residentes. Brasília, DF: CNRMS, 2014. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=34&data=10/11/2014. Acesso em: 05 abr. 2020.

BRAsil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Saúde Legis – Sistema de Legislação da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0007_24_02_2010.html. Acesso em: 10 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 26, de 11 de maio de 2012. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2012/rdc0026_11_05_2012.html. Acesso em: 10 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. O SUS de A a Z: garantindo saúde nos municípios / Ministério da Saúde, Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde. 3. ed. Brasília, DF: Editora do Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização (PNH). Rede Humaniza SUS. 1. ed. 1ª reimp. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022/Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BUSS, Paulo Marchiori; FILHO, Alberto Pellegrini. A saúde e seus determinantes sociais. Physis, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 77-93, apr. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v17n1/v17n1a06.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019. https://doi.org/10.1590/S0103-73312007000100006

CAMPOS, F. E.; AGUIAR, R. A. T; BELISÁRIO, S. A. A formação superior dos profissionais de saúde. In: GIOVANELLA, L.; ESCOREL, S.; LOBATO, Lenaura de Vasconcelos Costa et al. (org.). Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2008. p.1011-1034.

CARVALHO, Yara Maria de; CECCIM, Ricardo Burg. Formação e educação s em saúde. In: CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa et al. Tratado de Saúde Coletiva. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2012. p. 137-170.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (Brasil). Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde. Brasília: CFESS, 2015. (Série: Trabalho e Projeto Profissional nas Políticas Sociais).

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (Brasil). Residência em Saúde e Serviço Social: subsídios para reflexão. Brasília: CFESS, 2017. (Série: Trabalho e Projeto Profissional nas Políticas Sociais).

DRAGOSAVAC, Desanka; ARAÚJO, Sebastião. Resoluções RDC nº7, de 24 de Fevereiro de 2010 e Resolução RDC n.º 26, de 11 de Maio de 2012. In: DRAGOSAVAC, D.; ARAÚJO, S. (ed). Protocolos de condutas em terapia intensiva. São Paulo: Editora Atheneu, 2014. p. 3-13.

FLEURY, Sonia; OUVERNEY, Assis Marfort. Política de Saúde: uma Política Social. In: GIOVANELLA, L.; ESCOREL, S.; LOBATO, Lenaura de Vasconcelos Costa et al. (org.). Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2008. p. 23-64.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. São Paulo: Artmed, 2009.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1987.

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES. Carta de Serviços ao Cidadão, aprovada pela governança do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), em reunião realizada no dia 07 de maio de 2015. Atualizada em: 06 de outubro de 2016. Disponível em: http://www2.ebserh.gov.br/documents/16628/317236/carta+de+servicos+ao+cidadao+pdf/18bd914a-0333-4e95-81b5-b01b08a85d79. Acesso em: 10 nov. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2017. Rio de Janeiro: IBGE, 2017.

MAGALHÃES, Kelly Alves et al. A Habitação como Determinante Social da Saúde: percepções e condições de vida de familiares cadastrados no Programa Bolsa Família. Saúde Soc. São Paulo, v, 22, n. 1, p. 57-72, 2013. https://doi.org/10.1590/S0104-12902013000100007

MONTAÑO, Carlos. A natureza do serviço social: um ensaio sobre sua gênese, a “especificidade” e sua reprodução. 2. ed. – São Paulo: Cortez, 2009.

MOTA, A. E.; AMARAL, A. S. do. Reestruturação do capital, fragmentação do trabalho e Serviço Social. In: MOTS, A. E (org.). A Nova Fábrica de Consensos: ensaios sobre a reestruturação empresarial, o trabalho e as demandas ao Serviço Social. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MOURÃO, Ana Maria A. et al. A Formação dos Trabalhadores Sociais no Contexto Neoliberal. O Projeto das Residências em Saúde da Faculdade de Serviço Social da Universidade Federal de Juiz de Fora. In: MOTA, Ana Elisabete et al. (org.). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009. p. 352-380.

PRATES, Jane Cruz. O método marxiano de investigação e o enfoque misto na pesquisa social: uma relação necessária. In: Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 11, n. 1, p. 116 - 128, jan./jul. 2012.

PRATES, Jane Cruz; PRATES, Flavio Cruz. Problematizando o uso da técnica de Análise Documental no Serviço Social e no Direito. Sociedade em Debate, Pelotas, 15, n. 2, p. 111-125, jul./dez. 2009.

PORTO, Silvia Marta et al. Equidade no Financiamento da Saúde, Alocação de Recursos e Utilização dos Serviços de Saúde no Brasil. In: MCLNTYRE, Di; MOONEY, Gavin (org.). Aspectos Econômicos da Equidade em Saúde. Tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2014. p.253-279.

REIDEL, Tatiana et al. Formação e trabalho das/dos assistentes sociais nas residências multiprofissionais em saúde, na atenção hospitalar no Rio Grande do Sul. In: CLOSS, Thaisa Teixeira; BRANDÃO, Vanessa Maria Panozzo; LIMA, Jéssika Ferreira de (org.). Serviço Social e residência em saúde no Rio Grande do SUl. Porto Alegre: Movimento, 2018. v. 1, p. 171-209.

ROSA, Beatriz Angelo. Estresse na Unidade de Terapia Intensiva. In: DRAGOSAVAC, D.; ARAÚJO, S. (ed). Protocolos de condutas em terapia intensiva. São Paulo: Editora Atheneu, 2014. p. 1209-1215.

SILVA, Letícia Batista; MENDES, Alessandra Gomes. Serviço Social, Saúde e a interdisciplinaridade: algumas questões para o debate. In: SILVA, Letícia Batista;

RAMOS, Adriana (org.). Serviço Social, saúde e questões contemporâneas: reflexões críticas sobre a prática profissional. São Paulo: Papel Social, 2013. p. 49-64.

SIQUEIRA, Luana. Pobreza e Serviço Social: diferentes concepções e compromissos políticos/Luana Siqueira. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

THIEDE, Michael; AKWEONGO, Patrícia e MCLNTYRE, Di. Explorando as Dimensões do Acesso. In: MCLNTYRE, Di; MOONEY, Gavin (org.). Aspectos Econômicos da Equidade em Saúde/ Tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2014. p. 137-161.

Publicado
2020-12-22
Como Citar
de Oliveira Freire, M. M., Hoffmann, E., & da Silva Eleutério, A. P. (2020). As expressões das desigualdades sociais e econômicas no contexto da UTI Adulto: Desafios profissionais à integralidade do cuidado. Textos & Contextos (Porto Alegre), 19(2), e37587. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2020.2.37587
Seção
Artigos e Ensaios