Precariado

Conceito em ebulição

Palavras-chave: Crise estrutural, Educação superior, Precariado.

Resumo

Este artigo advém de uma pesquisa de doutoramento e se propôs a problematizar acerca do conceito precariado diante das alterações no mundo do trabalho um contexto de crise estrutural do capital. Destaca-se que o precariado é um termo conjuntural, polissêmico e encontra-se em disputa. Utilizou-se como base autores que discutem em profundidade tal categoria: Guy Standing (2015), Ruy Braga (2013/2017) e Alves (2012/2015). A metodologia utilizada é de caráter qualitativo, a partir de análise documental e resultada de pesquisa empírica, com vistas a indicar a premência do precariado e a sua relação com a Educação. Logo, indagar o precariado é dar visibilidade e significado a essa nova camada proletária que emerge no mundo do trabalho e que se encontra em plena ebulição. Por fim, afirma-se que vivemos em tempos flexíveis de direitos e nessa fluidez emerge o conceito do precariado que se encontra em maturação e está inserido no olho do furacão, no qual se revela a crise estrutural do capital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hellen Bastos Gomes, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, AM, Brasil.

Doutora pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM) em Manaus, AM, Brasil. Professora Substituta da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Selma Suely Baçal de Oliveira, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, AM, Brasil.

Doutora pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil. Professora Titular da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Referências

ALVES, Giovanni. O enigma do precariado e a nova temporalidade histórica do capital parte I. São Paulo, 14 maio, 2012. Disponível em: http://blogdaboitempo.com.br/2012/05/14/oenigmadoprecariadoeanovatemporalidadehistoricadocapitalparte. Acesso em: 18 nov. 2019.

ALVES, Giovanni. Dimensões da Precarização do Trabalho: Ensaios de Sociologia do Trabalho. Bauru: Canal 6, 2013.

ALVES, Giovanni; ESTANQUE, Elísio (org.). Trabalho, juventude e precariedade: Brasil e Portugal. Bauru: Canal 6, 2013.

ARRIGHI, Geovanni. A ilusão do Desenvolvimento. Petropólis, RJ: Vozes, 1997

BRAGA, Rui. Precariado e sindicalismo no Brasil contemporâneo: Um olhar a partir da indústria do call center. Revista Crítica de Ciências Sociais (RCCS), [s. l.], n. 103, p. 25-52, 2014. Disponível em: https://journals.openedition.org/rccs/5532. Acesso em: 18 nov. 2019. https://doi.org/10.4000/rccs.5532.

CARVALHO, Alba Maria Pinho de. A Precarização Estrutural do Trabalho na Civilização do Capital em Crise: O Precariado como Enigma Contemporâneo. Revista Política Pública, São Luís, Número Especial, p. 225-239, jul. 2014. https://doi.org/10.18764/2178-2865.v18nEp225-239.

CARVALHO, Cristina Helena Almeida de. A mercantilização da educação superior brasileira e as estratégias de mercado das instituições lucrativas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18 n. 54 jul./set. 2013. https://doi.org/10.1590/S1413-24782013000300013.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Anuário da Saúde do Trabalhador. 2015. São Paulo: DIESSE, 2016.

FRANCO, Tânia; DRUCK, Graça; SELIGMANN-SILVA, Edith. As novas relações de trabalho, o desgaste mental do trabalhador e os transtornos mentais no trabalho precarizado. Rev. bras. saúde ocup.. v. 35, n. 122, p.229-248, 2010. https://doi.org/10.1590/S0303-76572010000200006.

HARVEY, David. Condição Pós-Mordena. São Paulo: Loyola, 1995.

HARVEY, David. 17 contradições e o fim do capitalismo. São Paulo: Boitempo Editora, 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCIONAIS ANÍSIO TEXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Superior 2000. Brasília: Inep. 1988. Disponível em: http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 18 nov. 2019.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

SAMPAIO, Helena. O setor privado de ensino superior no Brasil: continuidades e transformações. Revista Ensino Superior, São Paulo, p. 28-43, 14 out. 2011.

SEGNINI, Liliana Rolfsen Petrilli. Mulheres no trabalho bancário: difusão tecnológica, qualificação e relações de gênero. São Paulo, Edusp, 1998.

SEMESP. Mapa do Ensino Superior 2016. São Paulo: SESMP, 2016. Disponível em: http://convergenciacom.net/pdf/mapa-ensino-superior-brasil-2016.pdf. Acesso em: 27 jul. 2019.

SGUISSARDI, Valdemar. Modelo de expansão da educação superior no Brasil: predomínio privado/mercantil e desafios para a regulação e a formação universitária.

Educação & Sociedade, Campinas: CEDES, v. 29, n. 105, p. 991-1.022, dez. 2008. https://doi.org/10.1590/S010173302008000400004.

STANDING, Guy. O precariado: a nova classe perigosa. Traduzido por Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

VASAPOLLO, Luciano. O trabalho atípico e a precariedade: elemento estratégico determinante do capital no paradigma pós-fordista. In: ANTUNES, Ricardo (org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil, São Paulo: Boitempo, 2006. p. 45-57.

RAICHELIS, Raquel. O trabalho do assistente social na esfera estatal. In: CFESS/ABEPSS (org.). Direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009. p. 1-18.

Publicado
2020-12-22
Como Citar
Bastos Gomes, H. ., & Suely Baçal de Oliveira, S. . (2020). Precariado: Conceito em ebulição. Textos & Contextos (Porto Alegre), 19(2), e37106. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2020.2.37106
Seção
Artigos e Ensaios