Políticas sociais direcionadas às famílias com chefia feminina

Um estudo da literatura no Brasil e em Portugal

Palavras-chave: Políticas Sociais, Família, Chefia familiar

Resumo

O artigo apresenta parte dos resultados de uma investigação relativa ao projeto de cooperação internacional, envolvendo Brasil e Portugal, referente às diferenças e similitudes entre as políticas familiares de conciliação entre trabalho profissional e o trabalho familiar direcionadas as famílias com chefia feminina. A partir de levantamento bibliográfico, a revisão sistemática da literatura na área, identificam-se pontos de aproximação e distanciamento entre os autores estudados, como: à discussão da implantação das políticas restritivas de cariz neoliberal e desigualdades entre homens e mulheres; o debate sobre centralidade da família nas políticas sociais nos dois países em análise; as diferentes concepções de famílias e os novos arranjos familiares que se mesclam com o antigo padrão de família patriarcal e, finalmente, aborda as dificuldades da mulher chefe de família em conciliar formação, trabalho profissional e trabalho familiar no atual contexto econômico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana de Azevedo Mathis, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, PA

Doutora em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Professora Associada 4 do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal do Pará. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisa Trabalho, Direitos Humanos e Seguridade Social (TRADHUSS) do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da UFPA.

Cilene Sebastiana da Conceição Braga, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, PA

Professora Adjunta 2 do Instituto de Ciências Sociais da Universidade Federal do Pará, Vice-Coordenadora do grupo de pesquisa GEPSS – Serviço Social e Política Social na Amazônia e pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa Trabalho, Direitos Humanos e Seguridade Social (TRADHUSS), do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da UFPA.

Maria Inês Amaro, Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), Lisboa

Doutora em Serviço Social pela Universidade Católica Portuguesa, Professora Auxiliar do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), atuando nas áreas de Ciências Sociais com ênfase em Sociologia.

Referências

ALBUQUERQUE, C. O Estado-providência do século XXI: um estado retraído ou um estado “pan-ótico”? In: ALBUQUERQUE, C.; LUZ, H. A. (org.). Políticas Sociais em Tempos de Crise: perspectiva, tendências e questões críticas. Lisboa: PACTOR, 2016. p. 3-25.

ABRÃO, K. C. L; MIOTO, R. C. T. Políticas de -Conciliação- entre Trabalho e Responsabilidade Familiar: o debate em curso na Europa e na América Latina. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 16, p. 313-327, 2017. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2017.2.25697

ALENCAR, M. M. T. Transformações econômicas e sociais no Brasil dos anos 1990 e seu impacto no âmbito familiar. In: SALES, M. A.; MATOS, M. C.; LEAL, M. C. (org.). Política Social e Juventude: uma questão de direitos. 6. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2010. p. 61-80.

ANDERSON, P. Espectro: da direita à esquerda no mundo das ideias. São Paulo: Editora Boitempo, 2012.

BADINTER, E. O conflito: a mulher e a mãe. Rio de Janeiro: Editora Record, 2010.

CARVALHO, M. C. B. Famílias e políticas públicas. In: ACOSTA, A. R.; VITALE, M. A. F. (org.). Família: redes, laços e políticas públicas. São Paulo: Cortez Editora, 2008. p. 231-240.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2013.

EUROPEAN UNION’S. Research Project Families and societies, 2017. Disponível em: http://www.familiesandsocieties.eu/?page_id=110. Acesso em: 20 dez. 2017.

EUROSTAT. Diferença de ganhos globais de gênero - 2014. Disponível em: http://ec.europa.eu/eurostat/tgm/table.do?tab=table&init=1&plugin=1&language=en&pcode=teqges01. Acesso em: 25 nov. 2017

FREITAS, R. C. S. Em nome dos filhos, a formação de redes de solidariedade - algumas reflexões a partir do Caso Acari. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 71, p. 80-101, 2002.

HIRATA, H. A precarização e a divisão internacional e sexual do trabalho. Sociologias, Porto Alegre, ano 11, nº 21, p. 24-41, jan./jun. 2009. https://doi.org/10.1590/S1517-45222009000100003

IAMAMOTO, M. Questão social, família e juventude: desafios do trabalho do assistente social na área sociojurídica. In: SALES, M. A.; MATOS, M. C.; LEAL, M. C. (org.). Política Social e Juventude: uma questão de direitos. 6. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2010. p. 261- 298.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilio Contínua – PNAD Continua. Rio de Janeiro: IBGE, 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de Indicadores Sociais - SIS. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/multidominio/genero/9221-sintese-de-indicadores-sociais.html?&t=resultados. Acesso em: 28 nov. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DE PORTUGAL. Censo 2011. Lisboa: INE, 2012. Disponível em: http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=ine_censos_indicador&contexto=ind&indOcorrCod=0006322&selTab=tab10. Acesso em: 12 dez. 2017.

MARTÍNEZ HERRERO, M. J. La política familiar como instrumento de igualdad: distintas concepciones europeas. Lan Harremanak. Revista de Relaciones Laborales, Leioa, n. 18, p. 43-79, 2008.

MIOTO, R. C. T. Novas propostas e velhos princípios: a assistência às famílias no contexto de programas de orientação e apoio familiar”. In: SALES, M. A.; MATOS, M. C.; LEAL, M. C. (org.). Política Social e Juventude: uma questão de direitos. 6. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2010. p. 43-60.

PIKETTY, Thomas. O capital no século XXI. Editora Intrínseca, 2014.

PEREIRA, P. A. Mudanças estruturais, política social e papel da família: crítica ao pluralismo de bem-estar. SALES, M. A.; MATOS, M. C.; LEAL, M. C. (org.). Política Social e Juventude: uma questão de direitos. 6. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2010. p. 25- 42.

MINISTÉRIO DO TRABALHO. Relação Anual de Indicadores Sociais – RAIS. Disponível em: http://acesso.mte.gov.br/portal-pdet/.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: ONU, 2015

PERISTA, H. et al. Os usos do tempo de homens e de mulheres em Portugal. Lisboa: DEPP-CIDES, 2016.

SALES, C. R. L.; MATHIS, A. A. Precarização e feminização do trabalho em Parauapebas no estado do Pará. Revista em Pauta, Rio de Janeiro, n. 36, v.13, p. 87-103, 2015. https://doi.org/10.12957/rep.2015.21053

SANTOS, Y. G. Mulheres chefes de família entre a autonomia e a dependência: um estudo comparativo entre Brasil, França e Japão. Tese (Doutorado em Sociologia) - Programa de Pós-graduação em Sociologia. Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo, 2008.

SARTI, C. A. Famílias enredadas. In: ACOSTA, A. R.; VITALE, M. A. F. (org.). Família: redes, laços e políticas públicas. São Paulo: Cortez Editora, 2008. p. 21-38.

SORJ, B.; FONTES, A.; MACHADO, D. Políticas e práticas de conciliação entre família e trabalho no Brasil. Cadernos de Pesquisa, Campinas, v. 37, n.132, p. 573-594, set./dez. 2007. https://doi.org/10.1590/S0100-15742007000300004

SZYMANSKI, H. Viver em família como experiência de cuidado mútuo: desafios de um mundo em mudança. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 71, p. 9-25, 2002.

THERBON, G. Sexo e poder: a família no mundo 1900-2000. São Paulo: Editora Contexto, 2016.

THOMAS, P. O Capital no Século XXI. Lisboa: Temas e Debates, 2014.

WALL, K. et al. Livro Branco: homens e igualdade de gênero em Portugal. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais, 2017.

ZOLA, M. Políticas Sociais, família e proteção social: um estudo acerca das políticas familiares em diferentes cidades/países. In: MIOTO, R. C. T. et al. (org.). Familismo, Direitos e Cidadania: contradições da Política Social. São Paulo: Cortez, 2015.

Publicado
2020-10-28
Como Citar
Mathis, A. de A., Braga, C. S. da C., & Amaro, M. I. (2020). Políticas sociais direcionadas às famílias com chefia feminina: Um estudo da literatura no Brasil e em Portugal. Textos & Contextos (Porto Alegre), 19(1), e36997. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2020.1.36997
Seção
Artigos e Ensaios