A construção do vínculo parento-filial no processo de Adoção Tardia

Uma Revisão Integrativa

Palavras-chave: Adoção, Adoção tardia, Paternagem, Filiação, Vínculos.

Resumo

O artigo tem por objetivo investigar os desafios e as motivações durante o processo de adoção tardia, assim como a influência desses fatores na construção do vínculo parento-filial. Foi realizada uma revisão integrativa da literatura, por meio de consulta bases de dados virtuais PubMed, BVS, Scopus, Scielo e PsycINFO. Após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, restaram quatro estudos para análise. Os principais resultados indicam que os pais sentem ansiedade durante o processo de adoção, temem que a criança possa não se sentir pertencente à família e percebem preconceito por parte da família e dos amigos. Ter condição de infertilidade, ser um casal homoparental e desempenhar o papel de cuidador foram as principais motivações para a adoção tardia. Observou-se que a demora dos processos judiciais impacta negativamente o desenvolvimento do vínculo parento-filial, gerando sentimento de desamparo, insegurança e ansiedade nos pais e hostilidade associada ao medo de abandono nas crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara Goulart Lima, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Formanda do curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Luisa Rebeschini Nácul, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Formanda do curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Nicolas de Oliveira Cardoso, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Referências

ANAUATE, C. Psychological problems of late adoption as observed in Brazil through a cultural-historical approach. Psychology in Russia: State of the art, v. 6, n. 4, 2013. Disponível em: https://cyberleninka.ru/article/v/psychological-problems-of-late-adoption-as-observed-in-brazil-through-a-cultural-historical-approach Acesso em: Set. 2018.

AYALA, S. C.; CARRIJO, A. F.; CASADEI, G. M.; GARCIA, S. K.; MINARDI, M. Z.; SILVA, G. C.G.; FREITAS, C. D. Adoção Tardia: O real contexto de adotantes e adotados. Revista Eletrônica FAEF, 18ª Edição, 2014. Disponível em http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/NSt5lqOoz7sc4eO_2014-4-16-0-6-59.pdf Acesso em: Abr. 2019.

BICCA, A.; GRZYBOWSKI, L. S. Adoção tardia: percepções dos adotantes em relação aos períodos iniciais de adaptação. Contextos Clínicos, v. 7, n. 2, p. 155-167, 2014. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/contextosclinicos/article/view/ctc.2014.72.04/4338 Acesso em: Abr. 2019.

BERNARDINO, K. P.; FERREIRA, C. I. Adoção tardia e suas características. Revista Intellectus, 2013. Ano IX N°. 24. ISSN 1679-8902.

Disponível em: http://www.revistaintellectus.com.br/DownloadArtigo.ashx?codigo=283 Acesso em: Abr. 2019.

BOWLBY, J. Formação e rompimento dos laços afetivos. São Paulo: Martins Fontes. (1979/2001)

BRANDÃO, I. C. J. et al. A constituição histórica do projeto educacional da criança no período imperial: instrução, moralização e disciplinamento. 2009. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/251746/1/Brandao_IsabelCristinadeJesus_D.pdf Acesso em: Set. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). (Brasil). Cadastro Nacional de Adoção. Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA). Brasília, DF: CNJ, 2020. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/programas-e-acoes/adocao/. Acesso em: out. 2020.

Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Adoção de criança: um Cadastro Nacional mais transparente e ágil. (2017) Disponível em: http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/84692-adocao-de-crianca-um-cadastro-nacional-mais-transparente-e-agil Acesso em: Set. 2018.

CAMARGO, M. L. Adoção tardia: representações sociais de famílias adotivas e postulantes à adoção (mitos, medos e expectativas). 2005. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/97679/camargo_ml_me_assis.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em: Abr. 2019.

CARLA, A. Psychological problems of late adoption as observed in Brazil through a cultural-historical approach. Psychology in Russia: State of the art, v. 6, n. 4, 2013. Disponível em: http://psychologyinrussia.com/volumes/pdf/2013_4/2013_4_176-185.Pdf Acesso em: Set. 2018.

COSTA, L. T. M.; KEMMELMEIER, V. S. (2017). O olhar de futuros pais sobre o processo de adoção. Psicologia Argumento, 31(72). Recuperado em https://periodicos.pucpr.br/index.php/psicologiaargumento/article/view/20513

COSTA, N. R. A.; ROSSETTI-FERREIRA, M. C. Tornar-se pai e mãe em um processo de adoção tardia. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 20, n. 3, 2007 Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/188/18820310.pdf Acesso em: Abr. 2019.

DANTAS, F. S. S.; FERREIRA, S. P. A. Adoção tardia: produção de sentidos acerca da paternagem e filiação em uma família homoafetiva. Temas em Psicologia, v. 23, n. 3, 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v23n3/v23n3a06.pdf Acesso em: Set. 2018.

LIRA, A. N.; MORAIS, N. A.; BORIS, G. D. J. B. Concepções e Modos de Viver em Família: A perspectiva de Mulheres Lésbicas que Têm Filhos. Psicol. teor. pesqui, v. 32, n. 4, p. e324213-e324213, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v32n4/1806-3446-ptp-32-04-e324213.pdf Acesso em: Abr. 2019.

MENDES, K. D. S.; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem (2008). Texto & Contexto Enfermagem Online, 17(4), 758-764. Doi:10.1590/S0104-07072008000400018

OTUKA, L. K.; SCORSOLINI-COMIN, F.; SANTOS, M. A. Adoção tardia por casal divorciado e com filhos biológicos: novos contextos para a parentalidade. Estudos de Psicologia, v. 30, n. 1, p. 89-99, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v30n1/10.pdf Acesso em: Set. 2018.

PAULINA, E.; FERREIRA, L.; BOBATO, S. T.; BECKER, A. P. S. (2018). Processo de vinculação afetiva de crianças adotadas na perspectiva dos pais adotantes. Boletim-Academia Paulista de Psicologia, 38(94), 77-86.

QUEIROZ, A. C. A.; BRITO, L. Adoção tardia: o desafio da garantia do direito à convivência familiar e comunitária. Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 12, n. 1, 2013. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/viewFile/13161/9620 Acesso em: Abr. 2019.

SAMPAIO, D. S.; MAGALHÃES, A.S.; FÉRES-CARNEIRO, T. Pedras no caminho da adoção tardia: desafios para o vínculo parento-filial na percepção dos pais. Temas em Psicologia, v. 26, n. 1, p. 311-324, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tpsy/v26n1/2358-1883-tpsy-26-01-0311.pdf Acesso em: Set. 2018.

SILVA, C. L; BENETTI, S. P. C. Older child adoption: A study of the affiliation process. Estudos de Psicologia (Campinas), v. 32, n. 1, p. 121-127, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2015000100121&script=sci_arttext Acesso em: Abr. 2019.

SILVA, F. Evolução histórica do instituto da adoção. Revista Jus Navigandi, 7ª edição, 2017. ISSN 1518-4862. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/55064/evolucao-historica-do-instituto-da-adocao Acesso em: Set. 2018.

VARGAS, M. M. Adoção Tardia: da família sonhada à família possível. 2ªedição. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013.

VIEIRA, M. L.; ALEXANDRE, D. T. Relação de apego entre crianças institucionalizadas que vivem em situação de abrigo. 2003. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/pe/v9n2/v9n2a07.pdf Acesso em: Set. 2018.

Publicado
2020-12-22
Como Citar
Goulart Lima, B., Rebeschini Nácul, L., & de Oliveira Cardoso, N. . (2020). A construção do vínculo parento-filial no processo de Adoção Tardia: Uma Revisão Integrativa. Textos & Contextos (Porto Alegre), 19(2), e35601. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2020.2.35601
Seção
Artigos e Ensaios