O Acolhimento em saúde no espaço da rua: estratégias de cuidado do Consultório na Rua

Palavras-chave: Sistema Único de Saúde. População em situação de rua. Acolhimento. Consultório na Rua.

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar alguns resultados, obtidos durante pesquisa de mestrado, sobre o processo de acolhimento em saúde no espaço da rua. Para tanto, nesta produção, daremos ênfase às concepções e percepções dos sujeitos entrevistados. A partir da análise de conteúdo, é possível afirmar que, para os(as) trabalhadores(as), o acolhimento é entrelaçado por estratégias, fundamentadas no Sistema Único de Saúde, que têm por uma das finalidades, contribuir com o acesso dessa população à rede de serviços intersetoriais. Já para os usuários, as concepções não perpassam tanto pelo processo de trabalho como para os(as) trabalhadores(as), mas sim pela percepção de quem é usuário do serviço, e de como essa equipe chega até eles. Nesse sentido, a Persistência Acolhedora se afirma como estratégia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Afrânnia Hemanuelly Castanho Duarte, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Mestre em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Pós-graduada pelo Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde pelo HC-UFPR.

Referências

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria de Ação e gestão de informação. Secretaria Nacional de Assistência Social. Rua: aprendendo a contar – pesquisa sobre a população em situação de rua. Brasília DF, 2008. https://doi.org/10.17771/pucrio.acad.32296

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de Saúde Mental. Consultórios de Rua do SUS. Material de trabalho para a II Oficina Nacional de Consultórios de Rua do SUS. Ministério da Saúde/EPJN-FIOCRUZ: Brasília, 2010. https://doi.org/10.11606/t.23.2013.tde-02092013-194936

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF, 2011. https://doi.org/10.11606/t.6.2017.tde-19122016-151104

BUTLER, Judith. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CHUPEL, Cláudia Priscila. Acolhimento e Serviço Social: um estudo em hospitais estaduais da Grande Florianópolis. 2008. 158 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/90888/260105.pdf?sequence=1. Acesso em: 04 set. 2017. https://doi.org/10.33167/2184-0644.cpp2017.viiin1/pp.17-37

DUARTE, Afrânnia Hemanuelly Castanho. O Sistema Único de Saúde e seus alcances: reflexões acerca do processo de trabalho do consultório na rua. 2018. 99f. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018. https://doi.org/10.5327/z2447-211520171700051

FRANCO, T. B.; BUENO, W. S.; MERHY, E. E. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim (MG). In: MERHY, E. E. et al. O trabalho em saúde: olhando e experenciando o SUS no cotidiano. São Paulo: HUCITEC, 2003, p. 37-54. https://doi.org/10.1590/s0102-311x1999000200019

LANCETTI, A. Clínica peripatética. São Paulo: Hucitec, 2006.

LEFEBVRE, Henri. Lógica formal, lógica dialética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

LONDERO, Mario; CECCIM, Ricardo; BILIBIO, Luiz. Consultório de/na rua: desafio para um cuidado em verso na saúde. Interface, Botucatu, SP, n. 49, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832014000200251. Acesso em: 01 mar. 2017. https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0738

MARTINEZ, Mariana. O Consultório na Rua e as novas formas de intervenção em cenários de uso de crack: O caso de São Bernardo do Campo. In: MARTINEZ, Mariana. Novas faces da vida nas ruas. São Calos: Edufscar, 2016. https://doi.org/10.11606/d.6.2008.tde-24112008-164432

MARX, Karl. Manuscritos econômicos e filosóficos: I, II e III. Tradução Artur Morão. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1964.

MERHY, E. E.; FEUERWECKER, L. M.; CERQUEIRA, M. P. Da repetição à diferença: construindo sentidos com o outro no mundo do cuidado. In: FRANCO, Tulio Batista; RAMOS, Valéria do Carmo (org.). Semiótica, afecção & cuidado em saúde. São Paulo: Hucitec, 2010. v. 1. p. 60-75.

PRATES, Jane Cruz. O método marxiano de investigação e o enfoque misto na pesquisa social: uma relação necessária. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 11, n. 1, p. 116-128, jan./jul. 2012.

SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL. SJDHDS; CENTRO DE REFERÊNCIA INTEGRAL DE ADOLESCENTES. CRIA. Corra pro abraço: o encontro para o cuidado na rua. Salvador, 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Cadastro e Mundo da População Adulta em Situação de Rua de Porto Alegre/RS. In: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Relatório quanti-qualitativo – realizado através de Contrato entre a FASC e a UFRGS/FAURGS e executado pelo IFCH/UFRGS, Porto Alegre, 2016. https://doi.org/10.29289/259453942018v28s1059

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Duarte, A. H. C. (2019). O Acolhimento em saúde no espaço da rua: estratégias de cuidado do Consultório na Rua. Textos & Contextos (Porto Alegre), 18(2), e34306. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2019.2.34306
Seção
Seguridade, Acolhimento e Pobreza