A estratégia hegemônica de enfrentamento da pobreza no Brasil redemocratizado

Palavras-chave: Formação Social. Pobreza. Política Social.

Resumo

Esse artigo aborda a formação social do Brasil após a Constituição Federal de 1988, em particular, os dois governos de Fernando Henrique Cardoso, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), e o primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT), a fim de analisar a estratégia hegemônica de enfrentamento da pobreza nas décadas de 1990 e 2000 no país. Esse percurso permite apontar para um alinhamento nacional ao processo de internacionalização do combate à pobreza, que promove a naturalização e gestão da barbárie, visto que lavra, por um lado, a aceitação da condição de pobreza e, por outro, a não compreensão das relações que a originam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Mota Mascarenhas, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, Minas Gerais

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Política Social da Universidade Federal do Espírito Santo. Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal do Espírito Santo. Docente do curso de Serviço Social da Universidade Federal de Ouro Preto.

Referências

ALAYÓN, N. Controle dos pobres ou erradicação da pobreza? In: ALAYÓN, N. Assistência e assistencialismo: controle dos pobres ou erradicação da pobreza? 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995. https://doi.org/10.14195/0870-4147_36-1_24

BARROS, R. P. de; HENRIQUE, R.; MENDONÇA, R. Dossiê desigualdade. Desigualdade e pobreza no Brasil: retrato de uma estabilidade inaceitável. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 15, n. 42, p. 123-142, fev. 2000. https://doi.org/10.1590/s0102-69092000000100009

BEHRING, E. R. Brasil em contrarreforma. São Paulo: Cortez, 2008.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

CHRISTO, C. A. L. [Frei Betto]. Desigualdade social e renda injusta. Brasil de fato, 18 fev. 2011. Disponível em: http://www.brasildefato.com.br/node/5725. Acesso em: 15 abr. 2012.

COLEMAN, J. Social Capital in the Creation of Human Capital. In: DASGUPTA, P.; SERAGELDIN, I. (org.). Social Capital: a Multifaceted Perspective. Washington, D.C., The World Bank, 2000. https://doi.org/10.1596/0-8213-4562-1

COLODETI, V. de P.; LEITE, I. C. Microcrédito, informalidade e “combate à pobreza”. Temporalis, Brasília, ano 12, n. 24, p. 385-406, jul.-dez. 2012. https://doi.org/10.22422/2238-1856.2012v12n24p385-406

DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Salário mínimo nominal e necessário. Disponível em: http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html#20044. Acesso em: 21 out. 2013.

DRUCK, G.; FILGUEIRAS, L. Política social focalizada e ajuste fiscal: as duas faces do governo Lula. Katálysis, Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina, v. 10, n. 1, p. 24-34, jan./jun. 2007. https://doi.org/10.1590/s1414-49802007000100004

FILGUEIRAS; L. A. M; GONÇALVES, R. A economia política do governo Lula. Rio de Janeiro: Contraponto, 2007.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 2011.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola, 2008.

IEA (Instituto de Economia Agrícola). Preços médios mensais no varejo. Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/nia1/precos_medios.aspx?cod_sis=4. Acesso em: 20 out. 2013.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

LEITE, I. C. Desconhecimento, piedade e distância: representações da miséria e dos miseráveis em segmentos sociais não atingidos pela pobreza. 2002. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho”, Campus de Araraquara, 2002. https://doi.org/10.21115/jbes.v9.n2.p177-84

LENIN, V. I. Imperialismo: fase superior do capitalismo. 3. ed. São Paulo: Global Editora, 1985.

MARINI, R. Dialética da dependência. In: STEDILE, J. P.; TRANSPADINI, R. (org.). RUY MAURO MARINI: vida e obra. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

MARQUES, R. M.; MENDES, A. Notas sobre o social no governo Lula: a construção de um novo populismo em tempos de aplicação de uma agenda neoliberal. Economia Política, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 1 15, jan./mar. 2006. https://doi.org/10.1590/s0101-31572006000100004

MARQUES, R. M.; MENDES, A. Servindo a dois senhores: as políticas sociais no governo Lula. Katálysis, Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina, v. 10, n. 1, p. 15-23, jan./jun. 2007. https://doi.org/10.1590/s1414-49802007000100003

MARTINS, D. Os 10% mais ricos concentram 42% da renda no país, indica IBGE. Valor Econômico, 29 nov. 2013. Disponível em: http://www.valor.com.br/brasil/3357360/os-10-mais-ricos-concentram-42-da-renda-no-pais-indica-. Acesso em: 30 nov. 2013. https://doi.org/10.11606/t.12.2008.tde-04092008-103433

MARX, K. O método da Economia Política. In: MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. Trad. e Intr. Florestan Fernandes. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011. https://doi.org/10.26512/2015.10.d.19678

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Livro I, vol. I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Livro I, vol. II. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

MASCARENHAS, Raquel Mota. Enfrentamento da pobreza e gestão da barbárie na contemporaneidade. In: CRESS-MG (Conselho Regional de Serviço Social de Minas Gerais). Simpósio Mineiro de Assistentes Sociais. Belo Horizonte: CRESS-MG, 2016. https://doi.org/10.14393/19834071.v26.n2.2017.38910

MAURIEL, A. P. O. Relações internacionais, política social e combate a pobreza. Em pauta, Rio de Janeiro, v. 6, n. 23, p. 43-67, jul. 2009. https://doi.org/10.12957/rep.2009.492

MENEGAT, M. A atualidade da barbárie. Discursos sediciosos, Rio de Janeiro, v. 13, p. 143-153, 2004.

MONROY, C. M. Um governo social-popular, mãe dos pobres e pai dos ricos. Entrevista com Carlos Alberto Libânio Christo (Frei Betto). Brasil de Fato, São Paulo, ano 1, n. 569, p. 8, 23-29, fev. 2014.

MOTA, A. E. Cultura de crise e seguridade social: um estudo dobre as tendências da previdência e da assistência social brasileira nos anos 80 e 90. São Paulo: Cortez, 1995.

MOTA, A. E. A centralidade da assistência social na seguridade social brasileira no anos 2000. In: MOTA, A. E. (org.). O mito da assistência social. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009. https://doi.org/10.26512/2014.12.d.18264

NETTO, J. P. Ditadura e serviço social: uma análise do serviço social no Brasil pós-64. São Paulo: Cortez, 1991.

NOVELLI, J. M. N. A questão da continuidade da política macroeconômica entre o governo Cardoso e Lula (1995-2006). Sociologia Política, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, v. 18, n. 36, p. 227-240, jun. 2010. https://doi.org/10.1590/s0104-44782010000200014

ROCHA, S. Alguns aspectos relativos à evolução 2003-2004 da pobreza e da indigência no Brasil. Parcerias Estratégicas, Brasília, n. 22, p. 11-38, jun. 2006a.

ROCHA, S. Pobreza e indigência no Brasil – algumas evidências empíricas com base na PNAD 2004. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 16, n. 2, p. 265-299, maio/ago. 2006b. https://doi.org/10.1590/s0103-63512006000200003

SALVADOR, E. Quem financia e qual o destino dos recursos da seguridade social no Brasil? Observatório da cidadania, 2007.

SALVADOR, E.; BOSCHETTI, I. Orçamento da seguridade social e política econômica: perversa alquimia. Serviço Social e sociedade. São Paulo, v. 87, p. 25-57, 2006.

SCHULTZ, T. W. O capital humano: investimentos em educação e pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SERENI, Emilio. DE MARX A LÊNIN: a categoria de “formação económico-social”. Meridiano. Buenos Ayres, n. 2, p. 297-346, 2013.

SILVA, M. O. O Bolsa Família: problematizando questões centrais na política de transferência de renda no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, ano. 12, v. 6, p. 1429-1439, 2007. https://doi.org/10.1590/s1413-81232007000600006

SILVA, M. O. da S.; YASBEK; M. C.; GIOVANNI; G. di. A política social brasileira do século XXI: a prevalência dos programas de transferência de renda. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006. https://doi.org/10.1590/s1414-49802007000100014

SOARES, L. T. R. O desastre social. Rio de Janeiro: Record, 2003.

TUON, L. PIB de 2012 confirma queda do Brasil no ranking das maiores economias. Veja, 01 mar. 2013. Disponível em: http://veja.abril.com.br/noticia/economia/pib-de-2012-confirma-queda-do-brasil-no-ranking-das-maiores-economias. Acesso em: 21 out. 2013. https://doi.org/10.17771/pucrio.acad.14892

VALIER, J.; SALAMA, P. Pobrezas e desigualdades no terceiro mundo. São Paulo: Nobel, 1997.

WERNECK VIANNA, Maria Lucia. A americanização (perversa) da seguridade social no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1998.

YASBEK, M. C. Classes subalternas e assistência social. São Paulo: Cortez, 1993.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Mascarenhas, R. M. (2019). A estratégia hegemônica de enfrentamento da pobreza no Brasil redemocratizado. Textos & Contextos (Porto Alegre), 18(2), e34304. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2019.2.34304
Seção
Seguridade, Acolhimento e Pobreza