Onde estamos e para onde vamos?

Notas sobre o exercício profissional de assistentes sociais em desastres

Palavras-chave: Serviço Social, Exercício profissional, Gestão de desastres

Resumo

O presente artigo propõe uma reflexão crítica no que tange ao chamamento do Serviço Social para intervenção em desastres, considerando que, majoritariamente, o exercício profissional de assistentes sociais neste campo encontra-se voltado para o atendimento da população após a ocorrência de impactos, o que contribui para o reforço de características presentes na profissão desde a sua gênese, como o caráter subalterno e a ênfase na dimensão técnico-operativa, desvinculada das demais dimensões profissionais. Com base em situações recentes e no levantamento de pesquisas e estudos sobre o tema, são realizados apontamentos que buscam a alteração desta realidade, a partir de um maior alinhamento entre as ações desenvolvidas por assistentes sociais na gestão de desastres e o projeto ético-político que vem sendo construído por segmentos da categoria desde as últimas décadas do século XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Soares Dutra, Universidade Federal Fluminense (UFF) Campos dos Goytacazes, RJ.

Doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio, Rio de Janeiro, RJ, Brasil), professora da Universidade Federal Fluminense (UFF) em Campos dos Goytacazes, RJ.

Referências

AVILA, M. R. R.; MATTEDI, M. A.; SILVA, M. S. da. Serviço Social e desastres: campo para o conhecimento e a atuação profissional. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n.129, p. 343-365, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-66282017000200343&script=-sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 17 jun.2018. https://doi.org/10.1590/0101-6628.112.

ACSELRAD, H. Vulnerabilidade ambiental, processos e relações. In: ENCONTRO NACIONAL DE PRODUTORES E USUÁRIOS DE INFORMAÇÕES SOCIAIS, ECONÔMICAS E TERRITORIAIS, 3., 2006, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: FIBGE, 2006. Disponível em: http://www.justicaambiental.org.br/projetos/clientes/noar/noar/UserFiles/17/File/VulnerabilidadeAmbProcRelcselrad.pdf. Acesso em: 28 mar. 2019.

ACSELRAD, Henri. Ambientalização das lutas sociais – o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos avançados, [s. l.], v. 24, n. 68, p. 103-119, 2010. https://doi.org/10.1590/S0103-40142010000100010.

ASSISTENTE social luta para aliviar dor psicológica da população de Brumadinho. Isto é, [s. l.], 30 jan. 2019. Disponível em: https://istoe.com.br/assistente-social-luta-para-aliviar-dor-psicologica-da-populacao-de-brumadinho/. Acesso em: 22 abr. 2019.

BONFIM, P. Conservadorismo moral e Serviço Social: a particularidade da formação moral brasileira e a sua influência no cotidiano de trabalho dos assistentes sociais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

COELHO, M. A. Imediaticidade na prática profissional do assistente social. In: FORTI, V.; GUERRA, Y. (org.). Serviço Social: temas, textos e contextos. 5.ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

CORTES, T. L. O passado no presente: contributos para a análise da complexidade do “Morar Feliz” em Campos dos Goytacazes/RJ. 2019. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019 (original inédito).

DUTRA, A. S. Gestão de desastres e Serviço Social: o trabalho de assistentes sociais junto aos órgãos de proteção e defesa civil. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2018.

DUTRA, A. S.; GONÇALVES, R. S. A atuação dos assistentes sociais nos órgãos municipais de Proteção e Defesa Civil. Em Pauta, Rio de Janeiro, v. 14, n. 37, 2016. https://doi.org/10.12957/rep.2016.25388.

IAMAMOTO, M. V.; CARVALHO, Raul de. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 12 ed. São Paulo: Cortez, 1998.

IAMAMOTO, M. V. Renovação e conservadorismo no Serviço Social: ensaios críticos. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1994.

IAMAMOTO, M. V. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

IAMAMOTO, M. V. Os espaços sócio-ocupacionais do assistente social. In: CFESS/ABEPSS (org.). Direitos sociais e competências profissionais. Brasília, DF: CFESS/ABEPSS, 2009.

FORD, J. V. O Serviço Social e o debate sobre tempo, história e memória. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n.134, p. 52-69, jan./abr. 2019. https://doi.org/10.1590/0101-6628.165.

LAURELL, A. C. Avançando em direção ao passado: a política social do neoliberalismo. In: LAURELL, A. C. Estado e políticas sociais no neoliberalismo. Tradução de Rodrigo León Contrera. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002. p. 151-178.

MOREIRA, L. A. L. O Significado da vida no sistema do capital: introdução. São Paulo: Instituto Lukács, 2018.

NETTO, J. P. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no período pós-64. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

NUNES, L. S. Questão socioambiental e formação profissional: o que o Serviço Social tem a ver com esse debate? 2018.Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018 (original inédito).

ORTIZ, F. G. O Serviço Social no Brasil: os fundamentos de sua imagem social e da autoimagem de seus agentes. Rio de Janeiro: E-papers, 2010.

QUARANTELLI, E. L. Uma agenda de pesquisa do século 21 em ciências sociais para os desastres: questões teóricas, metodológicas e empíricas, e suas implementações no campo profissional. O Social em Questão, Rio de Janeiro, ano XVIII, n. 33, p. 25-56, 2015.

SANTOS, R. Gestão de desastres e política de assistência social. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 15, n. 1, 2012. https://doi.org/10.1590/S1414-49802012000100003.

SANTOS, C. M. Na prática a teoria é outra? Mitos e dilemas na relação entre teoria, prática, instrumentos e técnicas no Serviço Social. 3. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

SIQUEIRA, A. Conflitos em contextos de desastres relacionados com as águas. In: SIQUEIRA, A. et al (org.). Riscos de desastres relacionados à água: aplicabilidade de bases conceituais das Ciências Humanas e Sociais para a análise de casos concretos. São Carlos: Rima editora, 2015.

SILVA, J. F. S. da. Crise do capital, neoconservadorismo e Serviço Social no Brasil: apontamentos para o debate. Em Pauta, Rio de Janeiro, n. 35, v. 13, p. 99-125, 2015. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaempauta/issue/view/1000/showToc. Acesso em: 28 mar. 2019. https://doi.org/10.12957/rep.2015.18624.

SOUZA FILHO, R. Gestão pública e democracia: a burocracia em questão. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

VARGAS, M. A. R. Reino da necessidade versus reino dos direitos: desafios e impasses ao assistente social em contextos de desastres. In: SIQUEIRA, A. et al. (org.). Riscos de desastres relacionados à água. São Carlos: Rima, 2015.

VASCONCELOS, A. M. A prática do Serviço Social: Cotidiano, formação e alternativas na área da saúde. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

VASCONCELOS, A. M. Prática Reflexiva e Serviço Social. Em Pauta, Rio de Janeiro, n. 10, p. 131-182, 1997.

VASCONCELOS, A. M. et al. Serviço Social e práticas democráticas na saúde. Serviço Social e Saúde: Formação e Trabalho Profissional. São Paulo: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, 2006. p. 242-272.

VOLUNTÁRIOS convocados para ajudar Brumadinho. Vamos arregaçar as mangas, Pernambuco? Diário de Pernambuco, Recife, 26 jan. 2019. Disponível em: http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/politica/2019/01/26/interna_politica,775246/voluntarios-convocados-para-ajudar-brumadinho-bora-pernambuco.shtml. Acesso em: 04 fev. 2019.

Publicado
2020-03-04
Como Citar
Soares Dutra, A. . (2020). Onde estamos e para onde vamos? Notas sobre o exercício profissional de assistentes sociais em desastres. Textos & Contextos (Porto Alegre), 19(1), e33974. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2020.1.33974
Seção
Artigos e Ensaios