A democratização na evolução do pensamento político de Georges Lukács

Palavras-chave: Evolução. Pensamento politico. Democratização. Cotidiano. Georges Lukács.

Resumo

O texto aborda a política em Lukács como processo de democratização de caráter radicalmente socialista e como postura filosófica marxista, onde a dialética é o método para exercer a crítica da realidade sobre a qual o homem desenvolve, através do trabalho, alternativas de emancipação, ao mesmo tempo em que estabelece os meios para atingir suas finalidades. A política é uma dimensão da práxis de domínio do homem sobre a natureza, nos limites que encontra no cotidiano e de acordo com as condições sócio-históricas e o grau de desenvolvimento econômico, onde a influência de Lênin é importante. Foi utilizada uma análise histórica de base bibliográfica e intercâmbios com intelectuais da mesma tradição, relacionando as fases do pensamento político e filosófico com as experiências políticas do pensador na Hungria e na Rússia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luci Faria Pinheiro, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, Rio de Janeiro

Assistente Social, Doutora em Antropologia e Sociologia Política, Professora Associada III da Universidade Federal Fluminense (UFF), Escola de Serviço Social.

Referências

AVRON, H. Lukács ou le Front Populaire en littérature. Paris: Editions Seghers, 1968.

BOURDET, Y. Figures de Lukács. Paris: Anthropos, 1972.

INFRANCA, A. Trabajo, Individuo, História. El concepto de trabajo en Lukács. Buenos Aires, Herramienta Ediciones. 2005.

LUKÁCS, G. Histoire et Conscience de Classe. [S. l.]: Paris, 1960.

LUKÁCS, G. Existentialisme ou Marxisme? Paris: Editions Nagel, 1961.

LUKÁCS, G. História e Consciência de Classe. Estudos de dialética marxista. Porto: Publicações Escorpião, 1974.

LUKÁCS, G. Le Jeune Hegel I. Paris: Editions Gallimard, 1981a.

LUKÁCS, G. Correspondence de Jeunesse. Paris: François Maspero, 1981.

LUKÁCS, G. O Jovem Marx e outros escritos de filosofia. Rio de Janeiro: UFRJ, 2007.

LUKÁCS, G. Diálogo sobre O “pensamento vivido”. Última entrevista de Lukács – Extratos. Ensaio. Filosofia, política, ciência da história, São Paulo, número especial, p. 13-108, 1986.

LUKÁCS, G. Lênin. Um estudo sobre a unidade de seu pensamento. São Paulo, 2012.

LUKÁCS, G. La destruction de la raison: Schelling, Schopenhauer, Kierkegaard. Paris: Editions Dela, 2010.

LUKÁCS, G. La destruction de la raison: Nietzsche. Paris: Editions Dela, 2012.

LUKÁCS, G. Táctica y Ética: escritos tempranos (1919-1929). Buenos Aires: Herramienta Ediciones, 2014.

LUKÁCS, G. Reboquismo e Dialética: uma resposta das críticas de História e Consciência de Classe. São Paulo: Boitempo Editorial, 2015. https://doi.org/10.36311/0102-5864.2017.v54n1.10.p136

LÖWY, M. Une Sociologie des intellectuels révolutionnaires. Paris: Presses Universitaires de France, 1976.

LÖWY, M. Le Romantisme (anticapitaliste) dans la Théorie du Roman. Lukács 2016: cents ans de Théorie du roman. Romanesques – Revue du Centre d’études du roman et du romanesque, Paris, n. 8, p. 109-126, 2016. https://doi.org/10.1515/arcadia-2017-0031

MESZAROZ, I. O conceito de Dialética em Lukács. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013.

MESZAROZ, I. Socialismo e Democratização: escritos políticos 1956-1971. Rio de Janeiro: UFRJ, 2011.

OLDRINI, G. Le Mythe du Jeune Lukács. In: FURLAN, P. et al. Actes du Colloque du Goethe Institute. Réification et Utopie. Ernest Bloch & Gyorgy Lukács. Un siècle après. Paris: Actes SUD/ Hubery Nyren Editeur, 1986. p. 115-129.

TERTULIAN, N. Georges Lukács: Etapes de sa pensée esthétique. Paris: Sycomore, 1980.

TERTULIAN, N. (1985, 24 de Maio) Georges Lukács et les tragédies du siècle. Le Monde.

TERTULIAN, N. Pourquoi Lukács? Paris: Editions Fundation des Sciences de l’Homme, 2016.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Pinheiro, L. F. (2019). A democratização na evolução do pensamento político de Georges Lukács. Textos & Contextos (Porto Alegre), 18(2), e30103. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2019.2.30103
Seção
Conjuntura, Pensamento Político e Método