O Trabalho do/a Assistente Social na Unidade de Terapia Intensiva (UTI): a (in) visibilidade de suas ações x os processos de trabalho em equipe / The Work of The Social Assistant in the Unit of Intensive Therapy (ICU): the (in) visibility of its actions x team work processes

Palavras-chave: Processos de Trabalho, Serviço Social, UTI, Interdisciplinaridade.

Resumo

O objetivo deste artigo é problematizar o trabalho do/a Assistente Social em Unidade de Terapia Intensiva Adulto (UTI) destacando os desafios no que se refere a (in) visibilidade de sua atuação. Dessa forma, utilizamos como procedimentos metodológicos a pesquisa bibliográfica, a documental, além da pesquisa de campo a partir de entrevistas do tipo semiestruturadas realizadas na instituição com a equipe multiprofissional que atua na UTI. A análise dos dados foi através de análise de conteúdo, por meio de categorias. O estudo aponta como o modelo biomédico pode contribuir para a perpetuação de uma prática fragmentada no atendimento à saúde. Os resultados indicam que há diferença entre os processos de trabalho das profissões da área médica (com foco nas especializações) e o Serviço Social com formação generalista. Como também, não há um trabalho interdisciplinar e que a (in) visibilidade está ligada a dois fatores: ausência dessa metodologia apontada como alternativa ao fazer compartimentalizado, bem como por esta diferenciação de formação profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rayanna Beatriz Barbosa da Silveira

Graduada em Serviço Social e Pós Graduada pela UFRN  (especialista em Unidade de Terapia Intensiva Adulto na modalidade de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde)

Assistente Social da prefeitura municipal de Natal/SEMTAS/Unidade de Acolhimento em Residência Inclusiva

Eliana Andrade e Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
possui graduação em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1999), mestrado em Serviço Social pela Universidade Federal de Pernambuco (2002) e doutorado em serviço social pela UFPE (2008) Atualmente é professora adjunta do departamento de seviço social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Tem experiência na área de Serviço Social, com ênfase em Fundamentos do Serviço Social, atuando principalmente nos seguintes temas: questão agrária, serviço social, assessores, movimentos sociais rurais.

Referências

Amaral, Â. S, Cesar, M. O trabalho do assistente social nas empresas capitalistas. In: CFESS/ABEPSS. Anais... Brasília: 2009. p. 412- 425.

ABESS CEDEPSS. Diretrizes gerais para o curso de Serviço Social. Cadernos ABES, n. 7, São Paulo: Cortez, 1997.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências.

______. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Trabalho, rendimento, amostra. Brasília, 2010.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CFESS). Parâmetros para atuação de assistentes sociais na saúde. Brasília. 2010. (série Trabalho e Projeto profissional nas Políticas Públicas).

______. Código de Ética Profissional do Assistente Social. Brasília: CFESS, 1993

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE – CNS. Resolução nº 287 de 08 de outubro de 1988. Disponível em: Acesso em: 3 nov. 2015.

Foucault, M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

Iamamoto, M. V, Carvalho, R. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 33. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

Iamamoto, M, V. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LEAL, K. E. Serviço Social como Profissão de Saúde: contribuições ao debate, 2015.

______. Promoção da Saúde e Serviço Social: uma análise do debate profissional. 2013. Tese (Doutorado em Serviço Social) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

LUKÁCS, G. Para uma Ontologia do Ser Social I. Boimtempo: Rio de Janeiro, 2012.

MATOS, M. C. Serviço Social, ética e saúde: reflexões para o exercício profissional. São Pauolo: Cortez, 2013.

Sampaio, C. C, et al. Interdisciplinaridade em Questão: análise de uma política de saúde voltada à mulher. In: SEVERINO, Antônio Joaquim [et al]. Serviço Social e interdisciplinaridade: dos fundamentos filosóficos à prática interdisciplinar no ensino, 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

Silva, L. B, Mendes, A. G. Serviço Social, saúde e a interdisciplinaridade: algumas questões para o debate. In: SILVA, Letícia Batista; RAMOS, Adriana (Org.). Serviço Social, saúde e questões contemporâneas: reflexões críticas sobre a prática profissional. Campinas, SP: Papel Social, 2.2013.

Publicado
2018-08-22
Como Citar
da Silveira, R. B. B., & Silva, E. A. e. (2018). O Trabalho do/a Assistente Social na Unidade de Terapia Intensiva (UTI): a (in) visibilidade de suas ações x os processos de trabalho em equipe / The Work of The Social Assistant in the Unit of Intensive Therapy (ICU): the (in) visibility of its actions x team work processes. Textos & Contextos (Porto Alegre), 17(1), 97 - 114. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2018.1.27325
Seção
Serviço Social, História e Trabalho