"Isso é Pokémon, Mermão!": Sociabilidade e Apropriações de Pokémon Go na Cidade do Rio de Janeiro

  • Alessandra Maia Doutoranda em Tecnologias da Comunicação e Cultura PPGCOM/Uerj.
  • Fátima Regis Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Uerj.
  • Renata Monti Doutoranda em Tecnologias da Comunicação e Cultura PPGCOM/Uerj
Palavras-chave: sociabilidade, apropriação, casual game, pokémon go, realidade aumentada

Resumo

Este artigo visa investigar o fenômeno comunicacional desencadeado pela interação de jogadores com e pela cidade por meio da caça e treino de pokémons. A experiência preza pelo engajamento e exploração de diferentes áreas para subir de nível e coletar o máximo de honrarias virtuais. Essa interação social acontece tanto em sites de redes sociais quanto presencialmente. As diferentes fontes de observação reforçam a noção de uma cognição (VARELA, 1994; VARELA; THOMPSON; ROSCH, 2000) na qual cérebro, corpo, objetos e ambiente são igualmente importantes para poder estudar um acontecimento em processo ou encerrado. Sendo assim, ela pode ser entendida como uma associação entre diferentes elementos que propiciam inúmeras maneiras de perceber a interação de jogadores-tecnologias-cidades.

Biografia do Autor

Alessandra Maia, Doutoranda em Tecnologias da Comunicação e Cultura PPGCOM/Uerj.
Doutoranda em Tecnologias da Comunicação e Cultura PPGCOM/Uerj – bolsista FAPERJ –, pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Entretenimento e Cognição (CiberCog/Uerj) e do Laboratório de Mídias Digitais (LMD/Uerj). Integrante do LabCult/UFF
Fátima Regis, Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Uerj.

Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Uerj. Pesquisadora do CNPq. Pesquisadora do Prociência (Uerj/Faperj). Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Entretenimento e Cognição (CiberCog/Uerj) e do Laboratório de Mídias Digitais (LMD/Uerj). 

Renata Monti, Doutoranda em Tecnologias da Comunicação e Cultura PPGCOM/Uerj

Doutoranda em Tecnologias da Comunicação e Cultura PPGCOM/Uerj – bolsista FAPERJ –, pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Entretenimento e Cognição (CiberCog/Uerj) e do Laboratório de Mídias Digitais (LMD/Uerj). 

Referências

ATEM, Guilherme; TAVARES, Mariana. O pathos discursivo na Ciberpublicidade. In: ATEM, Guilherme; OLIVEIRA, Thaiane; AZEVEDO, Sandro (orgs.). Ciberpublicidade: discurso, experiência e consumo na cultura transmidiática. Rio de Janeiro: E-papers, 2014.

CHANDLER, Heather Maxwell. Manual de Produção de Jogos Digitais. Porto Alegre/RS: Bookman, 2012.

ERMI, Laura; Mäyrä, Frans. Fundamental components of the gameplay experience: analysing immersion. In: GÜNZEL, Stephan; LIEBE, Michael;

MERSCH, Dieter (Org.). DIGAREC Keynote-Lectures 2009/10. Potsdam: University Press, 2011, p. 88-115. Disponível em: https://goo.gl/md6XPR

GALEANO, Eduardo. Depoimento na praça Catalunha durante o evento La Acampada, Barcelona, 24/05/11. [vídeo] Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=mdY64TdriJk. Acesso realizado em 07 de julho de 2017.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2007.

JUUL, Jesper. Half-Real: Video Games between Real Rules and Fictional Worlds. Cambridge, MA: MIT Press, 2005.

______. The Game, the player, the world: looking for a heart of gameness. In: COPIER, Marinka; RAESSENS, Joost (Org.). DiGRA '03 - Proceedings of the 2003 DiGRA International Conference: Level Up. Utrecht: Utrecht University, 2014, p. 30-45.

KIRNER, Claudio; SISCOUTTO, Robson. Realidade Virtual e Aumentada: Conceitos, Projeto e Aplicações. Petrópolis: Ed. Simpósio, 2007. Disponível em: http://www.ckirner.com/download/livros/Livro-RVA2007-1-28.pdf.

MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria das Mídias Digitais: linguagens, ambientes, redes. Petrópolis/RJ: Vozes, 2014.

MATSUURA, Sérgio. Pokémon Go altera rotina de cidades e preocupa autoridades, 2016. Disponível em: https://goo.gl/fVfqMy. Acessado em 14.07.2017.

MÄYRÄ, Frans. An Introduction to Game Studies: games in culture. London: Sage, 2008.

MURRAY, Janet H. Hamlet no Holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo: Itaú Cultural/Unesp, 2003.

OLIVEIRA, Thaiane; ANDRADE, Luiz. Um jogo de realidades e ficcionalidades, 2014. Disponível em: http://www.proppi.uff.br/ciberlegenda/um-jogo-de-realidades-e-ficcionalidades. Acessado em 15 de agosto de 2016.

ROGERS, Scott. Level UP: um guia para o design de grandes jogos. São Paulo: Blucher, 2012.

SALEN, Katie; ZIMMERMAN, Eric. Regras do Jogo: fundamentos do design de jogos: principais conceitos. Volume 1 a 4. São Paulo: Blucher, 2012.

SCHELL, Jesse. The art of Game Design. Burlington, MA: Morgan Kaufmann, 2008.

SCHUYTEMA, Paul. Design de games: uma abordagem prática. São Paulo: Cengage Learning, 2016.

VAIANO, Bruno. 7 lugares inusitados para capturar um Pokémon, 2016. Disponível em: https://goo.gl/uvd7mo. Acessado em 14.07.2017.

VARELA, Francisco. Conhecer, as ciências cognitivas e perspectivas. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.

______; THOMPSON, Evan; ROSCH, Eleanor. A mente corpórea. Lisboa: Instituto Piaget, 2000.

Publicado
2017-10-17
Seção
Dossiê Game Studies