A Poética Estética da Memória em Valsa com Bashir

  • Igor Alexandre Capelatto Unicamp
  • Carla Lyra ETA/UFAL/Alagoas

Resumo

Este presente artigo tem como ponto de partida o filme Valsa com  Bashir de Ari Folman para uma reflexão sobre a estética do documentário de animação como ferramenta de construção de história, política  e memória.  De acordo com o release oficial (DVD e BLURAY), o diretor Ari Folman, que participou como soldado da segunda guerra do Líbano em 1982, examina suas próprias culpas para abordar os problemas da reconstituição da memória dos episódios dramáticos que culminaram no massacre dos campos de Shabra e Shatila, em que teriam morrido 3.000 refugiados palestinos. Com o fato da imagem fotográfica das câmeras não ‘darem conta’ de representar a memória em si, Folman recorrerá ao desenho, segundo o autor, como estética capaz de acionar memórias que a fotografia não é capaz de alçar.

Biografia do Autor

Igor Alexandre Capelatto, Unicamp
Unicamp, Instituto de Artes, Multimeios, Cinema
Carla Lyra, ETA/UFAL/Alagoas

cientista social, Doutorado em Memória Social na UNIRIO, colaboradora do Cineclube Caleidoscópio – ETA/UFAL/AL, pesquisadora, roteirista, produtora e diretora do curta em 35 mm Igbadu – cabaça da criação.

Referências

ARANTES, Priscila. Arte e Mídia. Perspectivas da estética digital. SENAC. São Paulo, 2005;

BENJAMIN, W. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da Cultura de Massa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

CARROL, N. Ficção, Não Ficção e o cinema da asserção pressuposta: uma nalise conceitual in Ramos, Fernão Pessoa. Teoria Contemporânea do Cinema – Documentario e Narratividade Ficcional. São Paulo, SENAC, 2005.

FLUSSER, V. Filosofia da caixa preta. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

___________. O universo das imagens técnicas: elogio da superficialidade. São Paulo: Annablume, 2008.

FOLMAN, A., e POLONSKY, D. Waltz with Bashir. Israel: Sony Pictures Classics, 2008.

FRANCISCO, P. Um outro cinema – cinema documentário e memória. Dissertação de mestrado. Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008.

FULGENCIO, Leopoldo. A noção de trauma em Freud e Winnicott. Natureza humana, v. 6, n. 2, p. 255-270, 2004.

HALBWACHS, M. Memória individual e memória coletiva. In: A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

LE GOFF, J. Memória. In: História e memória 5ª ed. Campinas, SP: Editora UNICAMP, 2003. p. 419-476.

MARTINS, Í. O documentário animado “Ryan” e o psicorrealismo. Trabalho apresentado ao GT05 - Tecnologias e Estéticas da Comunicação - do 1o. Congresso de Estudantes de Pós-Graduação em Comunicação do Rio de Janeiro, 2006.

MAKOWIECHY, S. Representação: a palavra, a idéia, a coisa. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, v. 4, n. 57, p. 2-25, 2003.NICHOLS, B. Introdução ao Documentário. Campinas, Papirus, 2005.

MUANIS, Felipe. Imagem, cinema e quadrinhos: linguagens e discursos de cotidiano. Caligrama (São Paulo. Online), v. 2, n. 1, 2006.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. São Paulo. In: Projeto História. v. 10, 1993.

PARENTE, A. Do dispositivo do cinema ao cinema do dispositivo. In: MACIEL, Katia (org.) Transcinemas. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2007.

POLLAK, M. Memória, esquecimento e silêncio. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989, p. 3-15. Artigo revisitado em POLLAK, M. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

SANTAELLA, L. Culturas e Artes do pós-humano. São Paulo: Paulus, 2003.

Publicado
2017-10-17
Seção
Artigos