Jogando com a etnografia: o método etnográfico em pesquisas sobre comunidades gamers

  • Sandra Portella Montardo Universidade Feevale
  • Samyr Paz Bolsista Capes no Mestrado em Processos e Manifestações Culturais, na Universidade Feevale.
Palavras-chave: Etnografia, Cibercultura, Estudos de Games.

Resumo

O artigo reflete sobre o método etnográfico através da realização de uma revisão bibliográfica, dividido em três pontos de abordagem: I) os conceitos fundadores da etnografia, baseados na tradição antropológica e nos conceitos de cultura; II) a aplicação da etnografia no campo da Comunicação, relacionado ao interesse do tema Cibercultura e as especificidades do método problematizado na comunicação mediada por tecnologias da informação; III) crítica de produções acadêmicas brasileiras que utilizaram a etnografia para pesquisas de comunidades gamers. Conclui-se que a etnografia representa um desafio e de aplicação adaptativa, ao mesmo tempo que carece de rigor científico.

Biografia do Autor

Sandra Portella Montardo, Universidade Feevale
Sandra Portella Montardo é Doutora em Comunicação Social pelo PPG em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Professora e Pesquisadora no PPG em Processos e Manifestações Culturais, PPG em Diversidade Cultural e Inclusão Social e Mestrado em Indústria Criativa na Universidade Feevale. Secretária Executiva da Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura (2011-2014).
Samyr Paz, Bolsista Capes no Mestrado em Processos e Manifestações Culturais, na Universidade Feevale.
Bolsista Capes no Mestrado em Processos e Manifestações Culturais, na Universidade Feevale. Bacharel em Relações Públicas pela Univates.

Referências

BARROS, Carla. Identidades, classificações e “gostos” culturais: um estudo no universo dos games e redes sociais nas camadas populares. In: IV Simpósio Internacional de Administração e Marketing e VI Congresso de Administração da ESPM. Anais. São Paulo: ESPM, 2009.

BOAS, Franz. As limitações do método comparativo em Antropologia. CASTRO, Celso (Org.). Antropologia cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, pp. 24-40, 2005.

CRUZ JUNIOR, Gilson. Gaming, cultura e ciberespaço: sobre o “mimimi” em torno de Mass Effect 3 e a compreensão “crítica” dos jogos digitais. Licere, Belo Horizonte, v. 17, n. 4, 2014.

CUCHÉ, Dennys. Gênese social da palavra e da ideia de cultura. ______. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, 1999. p. 17-26

FERREIRA, Emmanoel. Cultura participativa e letramento digital: uma análise exploratória através da aplicação da pesquisa etnográfica no fórum de discussão Portal Xbox. V Simpósio Nacional ABCiber. Anais. Florianópolis: UDESC/UFSC, 2011.

FINCO, Mateus David; FRAGA, Alex Branco. Rompendo fronteiras na Educação Física através dos videogames com interação corporal. Motriz, Rio Claro, v. 18, n. 3, pp. 533-541, 2012.

FRAGOSO, Suely; RECUERO, Raquel; AMARAL, Adriana. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2013.

______; et al. Um panorama dos estudos de games na área da Comunicação nos últimos 15 anos. Anais Eletrônicos do XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Rio de Janeiro: UFRJ, 2015.

LEMOS, André. Cibercultura como território recombinante. MARTINS, Camila DUPRAT et al (Org.). Territórios recombinantes: arte e tecnologia – debates e laboratórios. São Paulo: Inst. Sergio Motta, pp. 35-48, 2007.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

GALLOWAY, Alexander. Gaming: essays on algorithmic culture. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2006.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. ______. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

HINE, Christine. Ethnography for the Internet: Embedded, Embodied and Everyday. London: Bloomsbury, 2015.

MALINOWSKI, Bronislaw. Introdução: objeto, método e alcance desta investigação. ______. Os Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

______. Uma teoria científica da cultura. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1970.

MEDEIROS, Márcia Duarte. Jogos eletrônicos, mundos virtuais e identidade: o si mesmo como experiência alteritária. 2013. Tese (Doutorado em Educação Brasileira). Faculdade de Educação, UFC, Fortaleza, 2013.

MONTARDO, Sandra Portella; AMARAL, Adriana. Pesquisa em Cibercultura e internet: estudo exploratório-comparativo da produção científica da área no Brasil e nos Estados Unidos. Conexão (UCS), Caxias do Sul v. 9, pp. 57-73, 2010.

______; AMARAL, Adriana. Pesquisa em Cibercultura: análise da produção brasileira da Intercom. Logos (Rio de Janeiro. Online), v. 18, pp. 102-116, 2011.

OLIVEIRA NETO, Jair Rocha de; BATISTA, Micheline Dayse Gomes. Jogando e aprendendo: etnografias on-line dos games Combat Arms e Dragons of Atlantis. IV Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação. Anais. Recife: UFPR, 2012.

POLIVANOV, Beatriz Bandrão. Etnografia virtual, netnografia ou apenas etnografia? Implicações dos conceitos. ESFERAS - Revista Interprogramas de Pós-graduação em Comunicação do Centro Oeste, v. 2, pp. 61-71, 2013.

ROCHA, Ana Luiza Carvalho da; ECKERT, Cornelia. “Etnografia: saberes e práticas”. Céli Regina Jardim Pinto e César Augusto Barcellos Guazzelli (Org.). Ciências Humanas: pesquisa e método. Porto Alegre: Editora da Universidade, pp. 9-31, 2008.

ROCHA, Paula Jung; MONTARDO, Sandra Portella. Netnografia: incursões metodológicas na Cibercultura. E-Compós (Brasília), Brasil, v. 4, pp. 1-22, 2005.

TODOROV, Tzvetan. A descoberta da América. _____. A conquista da América: a questão do outro. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, pp. 3-14, 2003.

VALENTIM, Daniel Costa. Unidos pelo controle: uma etnografia das práticas de sociabilidades dos ciberatletas do futebol digital. 2011. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Centro de Humanidades, UFC, Fortaleza, 2011.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

WOLF, Mark J. P. The medium of the video game. Austin: University of Texas Press, 2005.

Publicado
2016-09-21
Seção
Artigos