O papel da mulher nos Contos de Fada contemporâneos. Malévola: imaginário e a Terceira Mulher de Gilles Lipovetsky

  • Juliana Tonin Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
  • Gabriela Kurtz UFRGS
  • Larissa Fraga PUCRS
  • Mariana Leoratto PUCRS
Palavras-chave: Feminismo, imaginário, Lipovestky, mulher, contos de fada.

Resumo

O objetivo desse trabalho é buscar a compreensão do imaginário da Terceira Mulher descrita por Gilles Lipovetsky no filme Malévola (Robert Stromberg, 2014) a partir da personagem homônima. O presente artigo aborda a representação do gênero feminino nos Contos de Fada no cinema contemporâneo. O cinema, como tecnologia do imaginário, fornece imagens para pensarmos a atualidade e o imaginário vigente em nosso tempo – e, neste caso, no âmbito da representação feminina nas sociedades ocidentais. Realizaremos uma análise da personagem Malévola por meio de uma matriz metodológica baseada na figura da Terceira Mulher e na contextualização histórica do papel da mulher na sociedade ocidental, atentando para as categorias do amor e do belo. Pensaremos Malévola como um espírito do tempo contemporâneo, e que constitui a cristalização do imaginário pulsante que forma a representação do feminino em nossa sociedade. 

Biografia do Autor

Gabriela Kurtz, UFRGS
Doutoranda pelo PPGCOM UFRGS
Larissa Fraga, PUCRS
Mestranda do PPGCOM PUCRS
Mariana Leoratto, PUCRS
Mestranda do PPGCOM PUCRS

Referências

ABREU, Ana Rosa… [et al]. Alfabetização: livro do aluno. Brasília: FUNDESCOLA/SEFMEC, 2000.

BADINTER, Elisabeth. Rumo Equivocado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

DURAND, Gilbert. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. Rio de Janeiro: Difel, 1998.

LIPOVETSKY, Gilles. A terceira mulher: permanência e revolução do feminino. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

PINTO, Célia Regina Jardim. Feminismo, História e Poder. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, v.16, n 36, p 15-23, jun 2010.

SILVA, Juremir. As tecnologias do imaginário. Porto Alegre: Sulina, 2012.

Publicado
2016-09-21
Seção
Artigos