Oscar Wilde e a Escrita do Cárcere

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/1984-7726.2022.1.43089

Palavras-chave:

Oscar Wilde, literatura vitoriana, escrita prisional, poder disciplinar, homossexualidade

Resumo

Este artigo examina textos que Oscar Wilde (1854-1900) escreveu durante sua pena em Reading Gaol (1895-1897) à luz de teorias contemporâneas sobre a escrita do cárcere a fim de identificar como a rotina e a crueldade de seu confinamento o levaram a novas formas de saber sobre si mesmo – em particular, à sua constatação de uma semelhança entre o seu sofrimento e o sofrimento de Cristo. Este artigo irá mostrar como essa constatação consiste em um processo autoconsciente de reconcepção de si mesmo – isto é, um processo segundo o qual ele toma consciência não apenas do sujeito que era antes de ser condenado, mas também do sujeito no qual está se tornando sob as pressões de um poder punitivo e disciplinar. Tal discussão será centrada na sua carta confessional De Profundis, mas também serão examinados textos seus menos discutidos no meio acadêmico brasileiro, como Children in Prison and Other Cruelties of Prison Life, ensaio que enviou ao editor do Daily Chronicle após sua libertação para denunciar a crueldade com que a prisão em que estava tendia a punir os internos mais jovens. Para além de examinar textos seus ainda subanalisados em relação às suas obras de ficção e poesia, este artigo busca expor uma dimensão da sua personalidade que, sujeita ao cotidiano e às pressões de um sistema carcerário, mostra-se muito mais frágil e dócil do que a do mordaz dândi e a do artista estrela cujas excentricidades acabaram por fazer com que a justiça vitoriana enfim o condenasse à prisão por indecência. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Waki, Universidade de Coimbra (UC), Coimbra, Portugal.

Doutor em Materialidades da Literatura pela Universidade de Coimbra (UC), em Coimbra, Portugal. Mestre em Linguística – Estudos Clássicos e Bacharel em Estudos Literários, pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, SP, Brasil.

Referências

ALDRICH, Robert; WOTHERSPOON, Garry (ed.). Who’s Who in Gay and Lesbian History. Nova York: Routledge, 2001.

ARNOLD, Matthew. Culture and Anarchy. Oxford: Oxford University Press, 2006.

BUTLER, Judith. Precarious Life: the Powers of Mourning and Violence. Nova York: Verso, 2004.

COLVIN, Sarah. The Credibility of Elves? Narrative Exclusion and Prison Writing. In: KELLY, Michelle; WESTALL, Claire (ed.). Prison Writing and the Literary World: Imprisonment, Institutionality and Questions of Literary Practice. Nova York: Routledge, 2021. p. 21-38.

ELLMANN, Richard. Oscar Wilde. Nova York: Vintage Books, 1988.

EVANGELISTA, Stefano. British Aestheticism and Ancient Greece: Hellenism, Reception, Gods in Exile. Nova York: Palgrave, 2009.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1999.

FOCAULT, Michel. Politics, Philosophy, Culture. Editado por Lawrence D. Kritzman. Tradução de Alan Sheridan e outros. Nova York: Routledge, 1988.

FOUCAULT, Michel. Power/Knowledge: Selected Interviews and Other Writings, 1972-1977. Editado por Colin Gordon. Tradução de Colin Gordon, Leo Marshall, John Mepham e Kate Soper. Nova York: Pantheon Books, 1980.

FOUCAULT, Michel. Discipline and Punish: the Birth of the Prison. Tradução de Alan Sheridan. Nova York: Vintage Books, 1978.

GUY, Josephine M.; SMALL, Ian. Reading De Profundis. English Literature in Trasintion, 1880-1920, [S. l.], v. 49, n. 2, p. 123-149, 2006. https://doi.org/10.2487/Y717-5W64-5X5J-4720.

HYDE, H. Montgomery. The Trials of Oscar Wilde. Nova York: Dover, 1962.

KAPLAN, Morris B. Sodom on the Thames: Sex, Love, and Scandal in Wilde Times. Ítaca: Cornell University Press, 2005.

KELLY, Michelle; WESTALL, Claire (ed.). Prison Writing and the Literary World: Imprisonment, Institutionality and Questions of Literary Practice. Nova York: Routledge, 2021.

LONDRES. Criminal Law Amendment Act of 1885. Criado por Robert William Burnie. Londres: Waterlow and Sons, 1985. Disponível em: https://www.bl.uk/collection-items/the-criminal-law-amendment-act-1885. Acesso em: 21 ago. 2022.

NELSON, Max. Suffering is One Very Long Moment: How Oscar Wilde’s Prison Sentence Changed Him. The Paris Review, [S. I.], 13 out. 2015. Disponível em: https://www.theparisreview.org/blog/2015/10/13/suffering-is-one-very-long-moment. Acesso em: 11 abr. 2022.

RABY, Peter (ed.). The Cambridge Companion to Oscar Wilde. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

SMITH II, Philip E.; HELFAND, Michael S. (ed.). Oscar Wilde’s Oxford Notebooks: a Portrait of Mind in the Making. Oxford: Oxford University Press, 1989.

WILDE, Oscar. The Complete Letters of Oscar Wilde. Editado por Merlin Holland e Rupert Hart-Davis. Londres: Fourth Estate, 1988.

WILDE, Oscar. Children in Prison and Other Cruelties of Prison Life. Londres: Murdoch & Co., 1898.

Downloads

Publicado

2022-10-21

Como Citar

Waki, F. (2022). Oscar Wilde e a Escrita do Cárcere. Letras De Hoje, 57(1), e43089. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2022.1.43089

Edição

Seção

DOSSIÊ LITERATURA – LITERATURA DO CONFINAMENTO