“A Gaiola”, de Augusta Faro

(des)enclausuramento do feminino no cenário doméstico

Palavras-chave: Literatura marginal, Ficção fantástica, Vozes dissonantes, Subversão

Resumo

O texto  analisa o conto A gaiola, da escritora goiana contemporânea Augusta Faro, a partir de uma  estética  de gênero. Situa a narrativa no escopo da literatura feminina marginal, na medida em que, de certo modo, a produção encontra-se à margem do sistema literário canônico. Propõe, ainda, uma reflexão a respeito da condição feminina e violência de gênero, com ênfase nos diversos papeis atribuídos às mulheres e os diversos tipos  de violência por elas sofrido, evidenciando-se a possibilidade de ruptura  e desafio à logica perversa do patriarcado. A análise revela a quebra de estereótipos e a subversão de um padrão hegemônico gestado para o feminino a partir de personagens da quarta geração retratada que, opondo-se a um machismo estruturante, empodera-se, conquista a liberdade e a autonomia  de gestarem suas vidas e fazerem suas escolhas. Para uma interlocução, invocamos Betty Friedan (2020), Helleith Safiotti (2015), Júlio Cortázar (2006), Nádia Gotlib (1990/2004),  Ricardo Piglia (2004), Simone de Beauvoir (1990ª; 1990b), Wayne Booth (1980), dentre outras/os. Conclusivamente, o conto sob análise possibilita ao público leitor, em especial ao público feminino, uma reflexão acerca das diversas formas de aprisionamento da mulher e, de modo especial e com beleza estética,  possibilidades de ruptura e transgressão das perversas clausuras do feminino  ainda  vigentes e  tão atuais no presente  contexto sociológico, ideológico e moral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla de Quadros, Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, BA, Brasil.
Doutora em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Mestre em Literatura e Diversidade Cultural pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Professora Titular da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), em Santo Antônio de Jesus, BA, Brasil; e da Rede de Educação do Estado da Bahia.
Sineia Silveira, Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, BA, Brasil.

Doutora em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Mestre em Memória, Cultura e Desenvolvimento Regional pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Professora Titular da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus V, em Santo Antônio de Jesus, BA, Brasil.

Referências

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. 7. ed. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990a.

BEAUVOIR, Simone. A velhice. Tradução de Maria Helena Franco Monteiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990b.

BOOTH, Wayne. A retórica da ficção. Tradução de Maria Teresa H. Guerreiro. Lisboa: Arcádia, 1980.

BRASIL, Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2016. Lei Maria da Penha. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm. Acesso em: 6 jun. 2018.

BUENO, Samira Bueno (ed.). Violência doméstica durante a pandemia de Covid-19. In: Forum Seguranca. 2020. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2018/05/violencia-domestica-covid-19-v3.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020

CHIAPPINI, Lígia. Do Beco ao Belo: dez teses sobre o regionalismo na literatura. In: CRISTÓVÃO, Fernando; FERRAZ, Maria de Lourdes; CARVALHO, Alberto. Nacionalismo e Regionalismo nas literaturas lusófonas. Lisboa: Cosmos, 1997. p. 35-42.

CORTÁZAR, Júlio. Valise de cronópios. São Paulo: Perspectiva, 2006.

DALCASTAGNÉ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo, RS: Editora Horizonte; Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2012.

DEL PRIORE, Mary. Sobreviventes e guerreiras: uma breve história das mulheres no Brasil: 1500-2000. São Paulo: Planeta, 2020.

FARO, Augusta. A friagem. São Paulo: Global, 2001.

FRIEDAN, Betty. A mística feminina. 1. ed. Tradução de Carla Bitelli; Flávia Yacubian. Rio de Janeiro: Rosas dos Tempos, 2020.

GOTLIB, Nádia Batella. Teoria do conto. 11. ed. São Paulo: Ática, 2006. 95 p. (Princípios 2).

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça, interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo soc., São Paulo, v. 26, n. 1, jan./jun. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ts/a/LhNLNH6YJB5HVJ6vnGpLgHz/?lang=pt. Acesso em: 10 out. 2020.

MOTTA, Alda Britto da (org.). Idade e solidão: a velhice das mulheres. Revista Feminismos, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 88-96, maio/ago. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/30390/0. Acesso em: 10 out. 2020.

PIGLIA, Ricardo. Formas breves. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2015.

SARDENBERG, Cecília. Caleidoscópios de gênero: gênero e interseccionalidades na dinâmica das relações sociais. Mediações: Revista de Ciências Sociais, Paraná, v. 20, p. 56-96, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/28014. Acesso em: 10 out. 2020.

SILVA JUNIOR, Elton Luiz Tibes da (ed.). Crime de feminicídio aumenta na pandemia. In: Jusbrasil. 2020. Disponível em: https://eltontibesjr.jusbrasil.com.br/noticias/1110547955/crime-de-feminicidio-aumenta-na-pandemia. Acesso em: 15 jan. 2021

Publicado
2021-11-09
Como Citar
Quadros, C. de, & Silveira, S. (2021). “A Gaiola”, de Augusta Faro: (des)enclausuramento do feminino no cenário doméstico. Letras De Hoje, 56(2), 357-368. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2021.2.40022
Seção
O Conto Brasileiro Contemporâneo de Autoria Feminina