Texto, imagem e visualidade na literatura contemporânea brasileira

Palavras-chave: Literatura contemporânea brasileira. Texto. Imagem. Visualidade.

Resumo

O aumento significativo, nas últimas décadas, da produção de obras literárias fortemente marcadas pela inclusão de fotografias, pela apropriação e colagem de documentos, e por manipulações gráficas e tipográficas, dentre outras operações realizadas nos níveis textual, paratextual e perigráfico, tem exigido um reexame do modo como nos aproximamos analiticamente das mesmas. Se pensar na relação literatura e imagem significava, predominantemente, refletir sobre a produção de imagens poéticas por meio de tropos linguísticos, os processos crescentes de fixação de imagens e outras formas de visualidade na página impressa exige hoje, do leitor, a consideração da literatura como um objeto  complexo, marcado pelo trânsito de linguagens e por modos técnicos de articulação do sentido. É dentro dessa perspectiva que este artigo buscará mapear as condições de emergência desse fenômeno no âmbito da literatura contemporânea brasileira e propor algumas formas de articulação analítica entre literatura, imagem e visualidade hoje.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Martoni, Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF), Juiz de Fora, MG

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: HUCITEC, 2010.

BARTHES, Roland. A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

BRIZUELA, Natalia. Depois da fotografia: uma literatura fora de si. Rio de Janeiro: Rocco, 2014. https://doi.org/10.5335/hdtv.16n.2.6932

CARVALHO, Bernardo. Nove noites. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. https://doi. org/10.17851/2359-0076.25.34.241-243

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DRUCKER, Johanna. The visible word: experimental typography and modern art, 1909 – 1923. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.

FIGUEIREDO, Vera Lúcia Foullain. Linguagens moventes: literatura expandida e mercado cultural: a escrita como intermídia. In: DAFLON, Claudete; GARBERO, Maria Fernanda; SANTOS, Matildes Demetrio dos. Agentes do contemporâneo. Niterói: Eduff, 2016.

FLUSSER, Vilém. Linha e superfície. In: FLUSSER, Vilém. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naify, 2013. https://doi.org/10.1590/s1982-25532013000200005

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

GARRAMUÑO, Florencia. Formas da impertinência. In: GARRAMUÑO, Florencia; KIFFER, Ana. Expansões contemporâneas: literatura e outras formas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

HERINGER, Victor. O amor no tempo dos homens avulsos. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

ISER, Wolfgang. O ato da leitura. São Paulo: Editora 34, 1999. https://doi.org/10.5380/rv.v1i3.18076

JUNGBLUT, Helena. Quando a palavra não basta: apresenta do escritor em romances contemporâneos brasileiros. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 2019. 216 f.

https://doi.org/10.17533/udea.redin.n76a10

KITTLER, Friedrich. Gramofone, filme, Typewriter. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: EdUERJ, 2019.

LÍSIAS, Ricardo. Divórcio. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.

MITCHELL, W. T. J. Showing seeing: A critique of visual culture. In: MITCHELL, W. T. J. What do pictures want?. The lives and loves of images. Chicago: The University of Chicago Press, 2005. https://doi.org/10.7208/chicago/9780226245904.001.0001

PAZ, Octavio. O arco e a lira. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. Políticas da escrita. São Paulo: Editora 34, 2017.

RUFFATO, Luiz. Eles eram muitos cavalos. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. https://doi.org/10.4000/amerika.3507

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

SÜSSEKIND, Flora. Cinematógrafo das letras. Literatura, técnica e modernização no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. https://doi.org/10.2307/2516150

TELLES, Gilberto Mendonça. As duas estruturas da imagem literária. In: OLINTO, Heidrun Krieger; SCHOLLHAMMER, Karl Erik (org.). Literatura e imagem. Rio de Janeiro: Edições Galo Branco, 2005.

Publicado
2020-04-28
Como Citar
Martoni, A. (2020). Texto, imagem e visualidade na literatura contemporânea brasileira. Letras De Hoje, 55(1), e36438. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2020.1.36438
Seção
Qual é a amplitude da literatura quando a palavra literária se espalha pelas artes?