O tempo em Memorial do convento

Tempo litúrgico e tempo histórico

Palavras-chave: José Saramago, Memorial do convento, História e Ficção, Tempo Litúrgico, Tempo Histórico

Resumo

Aqueles que se dedicam aos estudos saramaguianos são sabedores da estreita relação entre a ficção do romancista com a História, ou melhor, com as verdades contadas pela História oficial. Neste artigo, os limiares entre os discursos ficcional e histórico são esmiuçados a partir dos tempos históricos e litúrgicos presentes na obra Memorial do convento (1982). Para Saramago é fundamental “Ver o tempo de ontem com os olhos de hoje”3. Tal frase evidencia-nos a temática na qual múltiplas obras do autor se alicerçam. O objetivo foi analisar a importância da liturgia e da história para enredo da obra saramaguiana pela análise bibliográfica de teóricos tanto da narratologia quanto da História, não se excluindo também o viés religioso, plano de fundo de Portugal setecentista de Memorial do convento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karen Lorrany Neves Adorno, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS.

Mestre em Estudos Literários na Universidade Estadual de Maringá (UEM, Maringá, PR, Brasil) e doutoranda na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, Santa Maria, RS).

Referências

ARNAUT, Ana Paula. Memorial do convento: História, ficção e ideologia. Coimbra: Fora do Texto, 1996.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas na poética de Dostoiévski. Tradução e prefácio de Paulo Bezerra. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2018.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Tradução de Jaime Guinsburg. São Paulo: Editora Perspectiva, 2015.

CERDEIRA, Teresa Cristina. José Saramago entre a história e a ficção: uma saga de portugueses. Belo Horizonte: Moinhos, 2018.

CHANTAL, Suzanne. A vida quotidiana em Portugal ao tempo do terramoto. Lisboa: Livros do Brasil, [1979?].

FEHÉR, Ferenc. O Romance Está Morrendo? Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1972.

GENETTE, Gérard. Figuras III. Tradução de Ana Alencar.1. ed. São Paulo: Estação Liberdade, 2017.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.

HUTCHEON, Linda. Poética do Pós-Modernismo: História, Teoria, Ficção. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1991.

LUKÁCS, Georg. A Teoria do romance. Tradução de José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Editora 34, 2009.

NUNES, Benedito. O tempo na narrativa. São Paulo: Editora Ática, 1988.

OLIVEIRA FILHO, Odil José de. Carnaval no convento: intertextualidade e paródia em José Saramago. São Paulo: UNESP, 1993.

PERES, Damião; RIBEIRO, Ângelo. História de Portugal: história política. Barcelos: Editora Portucalense, 1934. v. 6.

REIS, Carlos. Memorial do convento ou a emergência da História. Revista Crítica de Ciências Sociais, [s. l.], n. 18/19/20, p. 91-103, fev. 1986.

REIS, Carlos; LOPES, Ana Cristina Macário. Dicionário de narratologia. 7. ed. Coimbra: Almedina, 2011.

REIS, Carlos. Figuração da personagem: A ficção meta-historiográfica de José Saramago. Revista de Estudos Saramaguianos, [s. l.], n. 1, p. 38-51, jan. 2015.

ROSENFELD, Anatol. Literatura e Personagem. In: CANDIDO, Antonio et al. A personagem de ficção. 13. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2018. p. 09-49.

SARAMAGO, José. Memorial do convento. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

SARAMAGO, José. Da Estátua à Pedra e Discursos de Estocolmo. Belém: Ed. UFPA; Lisboa: Fundação José Saramago, 2013.

SCHÜLER, Donaldo. Teoria do romance. São Paulo: Editora Ática, 1989.

TACCA, Oscar. As Vozes do Romance. 2. ed. Tradução de Margarida Coutinho Gouveia. Coimbra: Almedina, 1983.

TODOROV, Tzvetan. As Estruturas da Narrativa. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Editora Perspectiva, 2013.

Publicado
2020-08-31
Como Citar
Adorno, K. L. N. (2020). O tempo em Memorial do convento: Tempo litúrgico e tempo histórico. Letras De Hoje, 55(2), e35691. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2020.2.35691
Seção
Seção Livre