Intermidialidade na literatura brasileira contemporânea

Palavras-chave: Intermidialidade, Metaficção, Autoficção, Literatura brasileira contemporânea.

Resumo

A questão sobre a influência das práticas em hipermídia na literatura tem emergido a partir de estudos de vários campos, desde a aprendizagem da leitura, com a hiperleitura, até a questão dos gêneros, por exemplo, o retorno das narrativas jornalísticas e do romance-reportagem. Neste trabalho eu trago apenas uma pequena parte de uma extensa pesquisa que vem sendo feita nos últimos quatro anos, em cuja fase atual vem analisando a literatura brasileira contemporânea para identificar tendências, questões estéticas, formais, que possam demarcar alguma mentalidade do nosso tempo, sobretudo essa que diz respeito ao modo como hoje as mídias convergem, numa relação recíproca com as práticas de leitura. Para tanto, analisamos duas obras do corpus da pesquisa a partir dos estudos de Intermidialidade, entendendo as estratégias ficcionais da autoficção e da metaficção como fenômenos intermidiais

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTHES, Roland. A câmara clara. Tradução de Júlio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Tradução de Mauro Gama e Cláudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

BOURRIAUD, Nicholas. Pós-produção: como a arte reprograma o mundo contemporâneo. São Paulo: Martins, 2009.

CARR, Nicholas G. A geração superficial: o que a internet está fazendo com os nossos cérebros. Rio de Janeiro: Agir, 2011.

CARVALHO, Bernardo. Nove noites. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Horizonte, 2012.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DOMINGOS, Ana Cláudia Munari; HOHLFELDT, Antonio. “O narrador na cultura digital”. In: Comunicação ibero-americana: os desafios da internacionalização - II Congresso Mundial de Comunicação ibero-americana. Braga, Portugal: CECS, 2014, p. 194-203.

ELESTRÖM, Lars. Midialidade: ensaios sobre comunicação, semiótica e intermidialidade. Org. DOMINGOS, Ana Cláudia Munari;

KLAUCK, Ana Paula; MELO, Glória Maria Guiné de. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2017.

FIGUEIREDO, Eurídice. Mulheres ao espelho: autobiografia, ficção, autoficção. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

GARCÍA-CAPILLA, Diego. “La Generación Me em los discursos comunicacionales: la perpspectiva de la ética postmoderna.” In:

TORRADO, Suzana; RÓDENAS, Gabri; FERRERAS, José Gabriel. yo, me, mi, conmigo. El triunfo de la Generation Me en los discursos comunicacionales. Zamora: Comunicación Social: Ediciones y publicaciones, 2011.

HOHLFELDT, Antonio Carlos; DOMINGOS, Ana Cláudia Munari; SILVA, Taíssi Alessandra Cardoso. Discutindo Divórcio entre literatura, jornalismo e ética: um caso não só literário. Estudos de literatura brasileira contemporânea, n. 51, p. 83-97, maio/ago. 2017.

JENKINS, Henry. Textual poachers. Television fans e participatory culture. New York, London: Routledge, 1992.

JENKINS, Henry. Transmedia Storytelling. Moving characters from books to films to video games can make them stronger and more compelling. Technological Review, 15 jan. 2003. Disponível em: <http://www.technologyreview.com/news/401760/transmedia-storytelling/>. Acesso: mar. 2015.

LASCH, Christopher. O mínimo eu: sobrevivência psíquica em tempos difíceis. São Paulo: Brasiliense, 1987.

LIPOVETSKY, Gilles. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. Lisboa: Galimard, 2006.

LIPOVETSKY, Gilles. O capitalismo estético na era da globalização. Lisboa: Edições 70, 2014.

LÍSIAS, Ricardo. Divórcio. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olímpio, 2010.

RAJEWSKY, Irina O. Intermidialidade, intertextualidade e “remediação”: Uma perspectiva literária sobre intermidialidade. Trad. de Thaïs F. N. Diniz e Eliana Lourenço de Lima Reis. In: DINIZ, T. F. N. (Org). Intermidialidade e estudos interartes. Desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: UFMG, 2012a. p. 15-45.

RAJEWSKY, Irina O. A fronteira em discussão: o status problemático das fronteiras midiáticas no debate contemporâneo sobre intermidialidade. In: DINIZ, T. F. N. & VIEIRA, A.S. (Orgs). Intermidialidade e estudos interartes. Desafios da arte contemporânea 2. Belo Horizonte: UFMG, 2012b. p. 51-74

REVISTA CULT. “Revista Cult entrevista Ricardo Lísias”. S/D. Disponível em: http://revistacult.uol.com.br/home/2014/09/tv-cult-entrevista-ricardo-lisias/. Acessado em: out. 2016.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013

STIGGER, Verônica. Opsanie Swiata. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

TORRADO, Suzana; RÓDENAS, Gabri; FERRERAS, José Gabriel. “Prólogo”. In: TORRADO, Suzana; RÓDENAS, Gabri; FERRERAS, José Gabriel. yo, me, mi, conmigo. El triunfo de la Generation Me en los discursos comunicacionales. Zamora: Comunicación Social: Ediciones y publicaciones, 2011.

Publicado
2020-04-28
Como Citar
Domingos, A. C. M. (2020). Intermidialidade na literatura brasileira contemporânea. Letras De Hoje, 55(1), e33552. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2020.1.33552
Seção
Qual é a amplitude da literatura quando a palavra literária se espalha pelas artes?