Peace: Prova de Escrita para Avaliação e Análise de Competências de Escrita – contributos para o desenvolvimento da primeira versão do instrumento

  • Dina Caetano Alves Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal, Setúbal Portugal. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Lisboa http://orcid.org/0000-0002-7672-5898
  • Ana Rita Carvoeiro Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal, Setúbal Portugal. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Lisboa http://orcid.org/0000-0001-6474-3768
Palavras-chave: Avaliação. Escrita. Erros de escrita. Semiologia do erro linguístico, ortográfico e psicomotor.

Resumo

Ao contrário da linguagem oral, a escrita é uma competência aprendida, geralmente, aquando da entrada no primeiro ciclo, que vai acompanhar o aluno durante toda a sua vida escolar e social. Por este motivo e por se observarem dificuldades nas primeiras fases de aprendizagem, que podem desencadear alterações marcantes no percurso da criança, deve ser atribuída a devida importância a esta competência. O instrumento “Prova de Escrita para Avaliação e Análise da Competência de Escrita (Peace)” surge como um instrumento que pretende contribuir para a avaliação desta competência, tendo por base uma visão holística do processo de escrita. Para o desenvolvimento do instrumento proposto, os métodos de investigação utilizados são i) a revisão bibliográfica; ii) a análise temática; e iii) a peritagem por focus group. Em uma primeira fase, realizou-se um levantamento de instrumentos de avaliação de desempenhos de escrita, leitura/escrita, linguagem e fonologia, com o objetivo de compilar os critérios que estiveram na base da criação de cada uma dessas prova, em termos da sua estrutura, da seleção e apresentação dos seus estímulos, natureza das respostas elicitadas, tipo de registo e formas de cotação (quantitativa e qualitativa). Seguiu-se a elaboração da estrutura global da prova, resultando em 14 provas. Definiram-se os critérios linguísticos, ortográficos e psicomotores a considerar em cada uma das provas, selecionaram-se os estímulos para as provas de 1 a 8, e foram desenhadas as respetivas tabelas de registo e cotação. Por último, procedeu-se à peritagem do instrumento (por focus group) para avaliação dos critérios subjacentes à versão
completa do instrumento, bem como aos contemplados nas provas 1 a 8, em termos da sua estrutura e dos seus estímulos. Para realização deste processo, os peritos tiveram acesso ao manual do instrumento, às tabelas de seleção e caracterização dos estímulos, às folhas de registo das respostas apuradas, às folhas de registo da análise efetuada e aos procedimentos de cotação (quantitativa e qualitativa). Os resultados decorrentes dessa fase do projeto incluem uma tabela-síntese com os critérios selecionados para a construção do instrumento (espelhando o seu racional), a estrutura completa do instrumento (constituída por 14 provas), as provas de 1 a 8, com os estímulos, respetivas grelhas de registo e de análise (quantitativa e qualitativa) das respostas apuradas, assim como o manual. Este estudo contribuiu para o desenvolvimento da versão preliminar do instrumento “Prova de Escrita para Avaliação e Análise da Competência de Escrita (Peace)”, prevendo-se o desenvolvimento das restantes provas (9-14) e respetivas grelhas de registo, sua peritagem e demais validações, bem como a aferição e normalização da versão final e completa do instrumento, nas fases seguintes do projeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dina Caetano Alves, Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal, Setúbal Portugal. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Lisboa

Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal, Setúbal, Portugal e Centro de Linguística da Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Ana Rita Carvoeiro, Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal, Setúbal Portugal. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Lisboa

Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal, Setúbal Portugal e Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (NOVA FCSH), Lisboa, Portugal.

Referências

ALEXANDRE, Neusa Maria Costa; COLUCI, Marina Zambon Orpinelli. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 7, p. 3061-3068, 2011. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000800006

ALVES, Dina Caetano. Efeito das propriedades segmentais em tarefas de consciência segmental, leitura e escrita. 2012. Dissertação (Doutorada em Psicolinguística) – Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, 2012.

ALVES, Dina Caetano. (Re)habilitação do conhecimento (meta)fonológico: proposta de uma metodologia de intervenção desenvolvida à luz da prática baseada na evidência. 2014. Dissertação (Mestrado emTerapia e Reabilitação) – Instituto Politécnico de Setúbal, Setúbal, 2014.

ALVES, Dina Caetano; CARVOEIRO, Ana. Sistematização de instrumentos de avaliação de competências associadas a competências de escrita. No prelo.

BARBEIRO, Luís. Profundidade do processo de escrita. Educação & Comunicação, São Paulo, v. 5, p. 64-76, 2000.

BERBERIAN, Ana Paula; MASSI, Giselle de Athayde; GUARINELLO, Ana Cristina Guarinello. Linguagem escrita: referenciais para a clínica fonoaudiológica. São Paulo: Plexus, 2003.

CAPELLINI, Simone Aparecida. Fonoaudiologia e leitura e escrita: uma atuação por ser redescoberta. Revista CEFAC, São Paulo, v. 9, n. 4, out./dez. 2007.

CAPELLINI, Simone Aparecida; CONRADO, Talita Laura. Desempenho de Escolares com e sem dificuldades de aprendizagem de ensino particular em habilidade fonológica, nomeação rápida, leitura e escrita. Revista CEFAC, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 183-193, 2009. https://doi.org/10.1590/S1516-18462009005000002

CARRETEIRO, Rui Manuel. PADD: Prova de Análise e Despiste da Dislexia. Lisboa: Psiclínica, 2005.

CARVALHAIS, Lénia; SILVA, Carlos. Construção de instrumentos de avaliação da dislexia. 2010. Dissertação (Doutorado em Ciências da Educação) – Universidade de Aveiro, Aveiro, 2010.

CARVALHO, António Ponces de. Validação da tradução portuguesa do Teste de Compreensão de Leitura do Institut Supérieur de Pédagogie du Hainaut. Revista Inovação, [s. l.], v. 3, n. 4, p. 87-92, 1990.

CASTRO, São Luís; GOMES, Inês. Dificuldades de aprendizagem da língua materna. Lisboa: Universidade Aberta, 2000.

CASTRO, São et al. PALPA-P: Provas de Avaliação da Linguagem e da Afasia em Português. Lisboa: Cegoc, 1992.

CICCHETTI, Domenic Vicent. Guidelines, criteria, and rules of thumb for evaluating normed and standardized assessment instruments in psychology. Psychological Assessment, Arlington, v. 6, n. 4, p. 284-290, 1994. https://doi.org/10.1037//1040-3590.6.4.284

CUETOS, Fernando; RAMOS José; RUANO, Elvira. Batería de evaluación de procesos de escritura. Madrid: Tea Ediciones, 2004.

CUNHA, Vera Lúcia; CAPELLINI, Simone Aparecida. Alfabetização e desenvolvimento de habilidades metalinguísticas em escolares com transtornos de aprendizagem. In: CONGRESSO BRASILEIRO MULTIDISCIPLINAR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 5., 2009, Londrina. Anais [...]. Londrina: UEL, 2009. p. 559-568.

DOMINGUES, Elizabeth. Psicomotricidade e escrita: promoção do desenvolvimento da escrita, através do recurso a atividades psicomotoras enquanto estratégia de superação de dificuldades, em jovens com défice cognitivo. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Instituto

Politécnico de Coimbra, Coimbra, 2014.

FAYOL, Michel. A aquisição da escrita. Lisboa: Gradiva, 2016.

FAYOL, Michel; GOMBERT, Jean Emile. L’apprentissage de la lecture et de l’écriture. In: RONDAL, Jean. Manuel de psychologie de l’enfant. Hayen: Mardaga, 1999. p. 565-594.

FERNANDES, Sandra et al. Reading and spelling acquisition in European Portuguese: a preliminary study. Reading and Writing, Dordrecht, v. 21, n. 8, p. 805-821, 2008. https://doi.org/10.1007/s11145-007-9093-7

GOLDSMITH, Evelyn. Research into illustration: an approach and a review. London: Cambridge University Press, 1984.

GONÇALVES, Gabriel. Didáctica da língua nacional. Porto: Porto, 1973.

HORTA, Inês Vasconcelos; MARTINS, Margarida Alves. Desenvolvimento e aprendizagem da ortografia: implicações educacionais. Análise Psicológica, Lisboa, v. 22, n. 1, p. 213-223, 2004. https://doi.org/10.14417/ap.142

KOCH, Ingedore Villaça; ELIAS, Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2017.

LEITÃO, José Augusto; FIGUEIRA, Ana Paula Couceiro; ALMEIDA, Ana Cristina Ferreira. Normas de imaginabilidade, familiaridade e idade de aquisição para 252 nomes comuns. Laboratório de Psicologia, Lisboa, v. 8, n. 1, p. 101-119, 2010. https://doi.org/10.14417/lp.651

LIMA, Rosa. Avaliação da fonologia infantil: prova de avaliação fonológica em formatos silábicos. Lisboa: Almedina, 2008.

MARTINS, Margarida Alves. Pré-história da aprendizagem da leitura. Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada, 1996.

MENDES, Ana et al. TFF-ALPE: Teste Fonético-Fonológico da Avaliação da Linguagem Pré-Escolar. Aveiro: Edubox, 2013.

MENDES, Ana et al. TL-ALPE: Teste de Linguagem da Avaliação da Linguagem Pré-Escolar. Aveiro: Edubox, 2014.

MENDES, Ana et al. Validade e sensibilidade do texto foneticamente equilibrado para o Português-Europeu “O Sol”. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 277-286, 2014.

MORAIS, Artur Gomes; TEBEROSKY, Ana. Erros e transgressões infantis na ortografia do português. Discursos, [s. l.], v. 8, p. 15-51, out. 1994.

MOTA, Márcia Maria Peruzzi Elia; ANIBAL, Luciana; LIMA, Simone. A morfologia derivacional contribui para a leitura e escrita no português. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 21, n. 2, p. 311-318, 2008. https://doi.org/10.1590/S0102-79722008000200017

PEREIRA, Rafael; ROCHA, Rita. Bateria de avaliação de competências iniciais de leitura e escrita. Lisboa: Vetor, 2014.

PINHEIRO, Ângela Maria Vieira; ROTHE-NEVES, Rui. Avaliação cognitiva da leitura e escrita: as tarefas de leitura em voz alta e ditado. Psicologia: Reflexão e Critica, Porto Alegre, v. 14, n. 2, p. 399-408, 2001. https://doi.org/10.1590/S0102-79722001000200014

PINTO, Maria da Graça Castro Pinto. Desenvolvimento e distúrbios da linguagem. Porto: Porto, 1994.

PIRES, António Abel et al. Diretrizes internacionais para a utilização dos testes. Lisboa: Cegoc, 2003.

REBELO, José Augusto Silva. Dificuldades da leitura e escrita em alunos do ensino básico. Rio Tinto: Edições ASA, 1993.

REBELO, Maria da Conceição Afonso; RECHE, José María Sola. Estudo sobre as dificuldades de escrita dos alunos que terminam o primeiro ciclo do ensino básico no concelho de Vila Verde. Journal for Educators, Teachers and Trainers, [s. l.], v. 4, n. 2, p. 204-216, 2013.

RIBEIRO, Vânia. Instrumento de avaliação de repetição de pseudo-palavras. 2011. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Perturbações da Linguagem na Criança) – Instituto Politécnico de Setúbal, Universidade Nova de Lisboa, Setúbal, 2011.

SALGUEIRO, Emílio-Eduardo Guerra. Prova de avaliação da capacidade de leitura: decifrar. proficiência na decifração de palavras de complexidade crescente. Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada, 2002.

SANTOS, Ana. Aprendizagem da leitura e da escrita em português europeu numa perspetiva trans-linguística. 2005. Dissertação (Doutorado em Psicologia) – Universidade do Porto, Porto, 2005.

SANTOS, Ana; CASTRO, São. Aprender a ler e avaliar a leitura: TIL – Teste de Idade de Leitura. Lisboa: Almedina, 2008.

SANTOS, Ana Sucena; CASTRO, São Luís. ALEPE: Avaliação da Leitura em Português Europeu. Lisboa: Cegoc, 2011.

SANTOS, Flávia Heloísa; BUENO, Orlando Francisco Amodeu. Validation of the Brazilian Children’s Test of Pseudowords Repetition in portuguese speakers aged 4 to 10 years. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, Ribeirão Preto, v. 36, n. 11, p. 1533-1547, nov. 2003. https://doi.org/10.1590/S0100-879X2003001100012

SHROUT, Patrick; FLEISS, Joseph. Intraclass correlations: uses in assessing rater reliability. Psychological Bulletin, Washington, v. 86, n. 2, p. 420-428, Mar. 1979. https://doi.org/10.1037//0033-2909.86.2.420

SILVA, Ana Cristina; RIBEIRO, Verónique. Erros ortográficos e competências metalinguísticas. Análise Psicológica, Lisboa, v. 29, n. 3, p. 391-401, jul. 2011. https://doi.org/10.14417/ap.59

SIM-SIM, Inês. Desenvolvimento da linguagem. Lisboa: Universidade Aberta, 1998.

SIMÕES, Edlia; MARTINS, Margarida Alves. Avaliação da leitura oral de palavras: análise de erros de leitura em crianças do 1º e 2º anos de escolaridade. In: CONGRESSO INTERNACIONAL GALEGO-PORTUGUÊS DE

PSICOPEDAGOGIA, 11., 2013, Porto. Anais [...]. Porto: Universidade do Porto, 2013. p. 1138-1663.

SOARES, Ana Paula et al. Escolex: a grade-level lexical database from European Portuguese elementary to middle school textbooks. Behavior Research Methods, Austin, v. 46, n. 1, p. 240-253, Mar. 2014. https://doi.org/10.3758/s13428-013-0350-1

SOARES, Magda. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2016.

SOUSA, Óscar. Competência ortográfica e competências linguísticas. Lisboa: ISPA, 1999.

TRINDADE, Maria. A consciência sintáctica na aprendizagem da leitura: contributo para o estudo das dificuldades em leitura. 1997. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) – Universidade de Évora, Évora, 1997.

TRINDADE, Maria. Relatório Final da Acção B-45/01, Proc. AI-B/01 do Centro de Investigação da Universidade de Évora. Évora: Universidade de Évora, [200?].

VALE, Ana Paula. Correlatos metafonológicos e estratégias iniciais de leitura-escrita e palavras no português: uma contribuição experimental. 1999. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Trás-os-Montes,1999.

VELOSO, João. A língua na escrita e a escrita na língua, algumas considerações gerais sobre a transparência e opacidade fonémicas na escrita do português e outras questões. Da Investigação às Práticas, Lisboa, v. 6, n. 1, p. 46-69, 2005.

VENTURA, Paulo. Normas para figuras do corpus de Snodglass e Vanderwart (1980). Laboratório de Psicologia, Lisboa, v. 1, n. 1, p. 5-19, 2003. https://doi.org/10.14417/lp.769

VIANA, Fernanda Leopoldina; LEAL, Maria José. Avaliação da leitura no 1º Ciclo do Ensino Básico: contributos para a validação de um instrumento de avaliação. In: VIANA, Fernanda; MARTINS, Marta; COQUET, Eduarda. Leitura, literatura infantil e ilustração: investigação e prática docente.

Braga: Centro de Estudos da Criança da Universidade do Minho, 2002. p. 91-104.

VIANA, Fernanda Leopoldina; PEREIRA, Íris Susana; TEIXEIRA, Maria. A PROCOMLEI: uma prova de avaliação da compreensão leitora. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxia e Educación, Coruña, v. 8, n. 4, p. 1446-1456, 2003.

VIANA, Fernanda Leopoldina; RIBEIRO, Iolanda. PRP: Prova de Reconhecimento de Palavras. Lisboa: Cegoc, 2010.

VIGÁRIO, Marina et al. Frequência na fonologia do português: recursos e aplicações. In: COSTA, Maria Armanda; DUARTE, Inês (ed.). Nada na linguagem lhe é estranho: homenagem a Isabel Hub Faria. Lisboa: Edições Afrontamento, 2012. p. 613-631.

VIGÁRIO, Marina; FROTA, Sónia; MARTINS, Fernanda. A frequência que conta na aquisição da fonologia: types ou tokens? In: BRITO, Ana Maria; SILVA, Fátima; VELOSO, João (org.). Textos Seleccionados do XXV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Porto: Associação Portuguesa de Linguística, 2010. p. 749-767.

VITORINO, Diana et al. Avaliação das competências de linguagem para a leitura e escrita. [S. l.: s. n.], 2011. Registo no IGAC nº 3222/2011.

ZORZI, Jaime Luiz. A aprendizagem da leitura e da escrita: indo além dos distúrbios. Revista CEFAC, São Paulo, v. 1, p. 120-132, 2001.

Publicado
2019-11-06
Como Citar
Alves, D. C., & Carvoeiro, A. R. (2019). Peace: Prova de Escrita para Avaliação e Análise de Competências de Escrita – contributos para o desenvolvimento da primeira versão do instrumento. Letras De Hoje, 54(2), 231-242. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2019.2.32526
Seção
Processamento da decodificação e da compreensão da leitura: