Método e inventio: diálogo entre Literatura e História na obra Todos os Nomes de José Saramago

  • Euclides Antunes de Medeiros Professor Adjunto da Universidade Federal do Tocantins http://orcid.org/0000-0001-5200-5338
  • Olívia Macedo Miranda Cormineiro Professora Adjunta do curso de História da Universidade Federal do Tocantins (UFT) e do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos de Cultura e Território (PPGCULT – UFT). http://orcid.org/0000-0003-4297-1158
Palavras-chave: Método. Inventio. Literatura. História. José Saramago.

Resumo

Escrever sobre uma obra literária é um esforço complexo, pois envolve interpretar os sentidos de uma narrativa criativa e criadora. Escrever sobre as potencialidades de que a história possa vir a aprender sobre metodologia com o exercício literário é ainda mais complexo, pois requer um esforço de liberação de alguns padrões estabelecidos acerca dos lugares da história e da literatura, enquanto campos distintos. Nesse sentido, esse artigo problematiza, a partir da obra literária Todos os Nomes de José Saramago, a possibilidade de a literatura poder auxiliar a história não apenas na construção da verossimilhança, mas, sobretudo, como ela pode apontar, a partir de sua própria escrituração inventiva, caminhos para a construção de procedimentos de investigação e pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Euclides Antunes de Medeiros, Professor Adjunto da Universidade Federal do Tocantins
  • Professor Adjunto do curso de História da Universidade Federal do Tocantins (UFT) e do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos de Cultura e Território (PPGCULT – UFT). Campus da cidade de Araguaína, Tocantins-Brasil.
Olívia Macedo Miranda Cormineiro, Professora Adjunta do curso de História da Universidade Federal do Tocantins (UFT) e do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos de Cultura e Território (PPGCULT – UFT).
Professora Adjunta do curso de História da Universidade Federal do Tocantins (UFT) e do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos de Cultura e Território (PPGCULT – UFT). Campus da cidade de Araguaína, Tocantins-Brasil.

Referências

CARR, Edward Hallet. O que é história? Tradução Lúcia Maria de Alverga. 4. ed. Rio de Janeiro, 1985.

DAVIS, Natalie Zemon. O Retorno de Martin Guerre. Tradução Denise Bottmann. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1987.

DELEUZE, Gilles. A dobra: Leibniz e o barroco. Tradução Luiz L. B. Orlandi, 3. ed. São Paulo: Papirus, 2005.

FONTES, Maria Helena Sansão. O histórico e o ficcional na obra de José Saramago. E-scrita Revista do Curso de Letras da UNIABEU. Nilópolis, v. 1, n. 2, p. 75-85, maio/ago. 2010.

GINZBURG, Carlo. O Fio e os Rastros: verdadeiro, falso, fictício. Tradução Rosa Freire d’Aguiar e Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

https://doi.org/10.1590/s0104-87752009000100017

REIS, Carlos. Diálogos com José Saramago. Lisboa: Editorial Caminho S.A., 1998.

www.editorial-caminho.pt

SARAMAGO, José. A Historia como ficción, la ficción como historia. Debats, Madri, n. 27, p. 6-27, 1989.

SARAMAGO, José. Memorial do convento. São Paulo: Cia das Letras, 2013.

SARAMAGO, José. Todos os nomes. São Paulo: Cia das Letras, 2014.

Publicado
2019-06-25
Como Citar
de Medeiros, E. A., & Cormineiro, O. M. M. (2019). Método e inventio: diálogo entre Literatura e História na obra Todos os Nomes de José Saramago. Letras De Hoje, 54(1), 36-46. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2019.1.32317
Seção
Artigos