O processo criativo de Fernando Pessoa: o diálogo com o positivismo

  • Álvaro Cardoso Gomes Universidade de São Paulo - USP e Universidade Santo Amaro - UNISA
  • Manoel Francisco Guaranha Universidade Cruzeiro do Sul - UNICSUL - São Paulo/Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo - FATEC - São Paulo.
Palavras-chave: Literatura Portuguesa. Processo heteronímico. Auguste Comte. Teoria do Conhecimento.

Resumo

Este artigo tem como objetivo estudar o processo de criação de Fernando Pessoa (1888-1935) a partir de uma visão interdisciplinar que articula Literatura, Filosofia, História e Ciências Sociais para destacar o diálogo do poeta português com o Positivismo de Auguste Comte (1798-1857), notadamente no que diz respeito à Teoria do Conhecimento: enquanto Comte investe na unidade, o processo criativo de Pessoa aponta para a diversidade como forma de compreensão dos fenômenos. Em parte, acreditamos que isso se deve à perspectiva do tempo em que Pessoa viveu, às influências do Decadentismo do final do século XIX e aos ventos da Modernidade que redimensionaram os modos de pensar do século XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Álvaro Cardoso Gomes, Universidade de São Paulo - USP e Universidade Santo Amaro - UNISA
Professor Titular da USP (Universidade de São Paulo) e da UNISA (Universidade Santo Amaro). Possui graduação em Letras Vernáculas (1968), doutorado em Letras (Literatura Portuguesa), livre-docência pela mesma Universidade (1973 e 1981), pós-doutor em Portugal e nos Estados Unidos. Foi Visiting Professor na University of California Berkeley (1982) e Visiting Writer no Middlebury College (2006 e 2007), ensinando Literatura Brasileira.
Manoel Francisco Guaranha, Universidade Cruzeiro do Sul - UNICSUL - São Paulo/Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo - FATEC - São Paulo.
Professor do Curso de Graduação em Letras e do Programa de Mestrado da Universidade Santo Amaro, UNISA. Professor  de Comunicação e Expressão da Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo, FATEC

Referências

BOURDÉ, Guy; MARTIN, Hervé. As escolas históricas. Mira-Sintra: Europa-América, 1990.

COMTE, Auguste. Curso de Filosofia Positiva; Discurso preliminar sobre o conjunto do Positivismo; Catecismo positivista. São Paulo: Nova Cultural, 1991.

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. São Paulo: Duas Cidades, 1978.

HUME, David. A Treatise of human nature. Londres: J. M. Dent & Sons, 1968.

PESSOA, Fernando. Páginas Íntimas e de Autointerpretação. Fernando Pessoa. Lisboa: Ática, 1966.

PESSOA, Fernando. Textos Filosóficos. Vol. II. Lisboa: Ática, 1968.

PESSOA, Fernando. Da República (1910-1935). Lisboa: Ática, 1979.

PESSOA, Fernando. Pessoa Inédito. Lisboa: Livros Horizonte, 1993.

PESSOA, Fernando. Poesias de Álvaro de Campos. Lisboa: Ática, 1993.

PESSOA, Fernando. Poesias. Lisboa: Ática, 1995.

QUEIRÓS, Eça. Contos. Rio de Janeiro: Ediouro/Tecnoprint. [198-?].

TELES, Gilberto Mendonça. Vanguarda europeia e Modernismo brasileiro. Rio de Janeiro: Record, 1987.

Publicado
2019-06-25
Como Citar
Gomes, Álvaro C., & Guaranha, M. F. (2019). O processo criativo de Fernando Pessoa: o diálogo com o positivismo. Letras De Hoje, 54(1), 10-18. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2019.1.32193
Seção
Artigos