Ethos e criminalidade: análise discursiva de tentativas de extorsão

  • Welton Pereira e Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: ethos discursivo, argumentação, criminalidade, linguística forense.

Resumo

O presente artigo tem por finalidade analisar os ethé discursivos construídos pelos sujeitos comunicantes na situação de comunicação conhecida como Golpe do Falso Sequestro. Para que nosso objetivo fosse alcançado, fizemos a análise do corpus, constituído por três gravações telefônicas de golpes do falso sequestro, baseando-nos nos estudos de Maingueneau (2008), Amossy (2005) e Charaudeau (2012, 2015), bem como em alguns teóricos da Linguística Forense, como Coulthard & Johnson (2007), Olsson (2008) e Souza-Silva (2009). Após a nossa análise, notamos que os sujeitos que se passam por sequestradores tentam construir para si determinados ethé que corroboram os argumentos por eles utilizados no processo interacional. Na medida em que os argumentos constituem-se, principalmente, de intimidações e ameaças, os ethé construídos são, frequentemente, o de alguém cruel e disposto a cumprir com suas ameaças, ou seja, o ethos de potência subsidiado por certos imaginários sociodiscursivos acerca da criminalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Welton Pereira e Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professor substituto de Língua Portuguesa na UFRJ. Doutorando em Letras Vernáculas na UFRJ. Mestre em Letras pela UFV.

Referências

AMOSSY, Ruth. Da noção retórica de ethos à análise do discurso. In: AMOSSY, Ruth (Org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2005.

BENVENISTE, Émile. Problemas de Linguística Geral II. Trad. Eduardo Guimarães. Campinas: Pontes, 1989.

CHARAUDEAU, Patrick. Les stéréotypes, c’est bien. Les imaginaires, c’est mieux. In: BOYER, H. Stéréotypage, stéréotypes: fonctionnements ordinnaires et mises en scène. Langue(s), discours. Paris: Harmattan, 2007. v. 4.

CHARAUDEAU, Patrick. Linguagem e discurso: modos de organização. São Paulo: Contexto, 2012.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso político. São Paulo: Contexto, 2015.

COULTHARD, Malcolm; JOHNSON, Alison. An Introduction to Forensic Linguistics: Language in Evidence. New York: Routledge, 2007.

DASCAL, Marcelo. O ethos na argumentação: uma abordagem pragma-retórica. In: AMOSSY, Ruth (Org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2005.

LINHARES, Juliana. Terror pelo telefone. Revista Veja, edição 1996. Editora Abril. 2007. Disponível em:

http://veja.abril.com.br/210207/p_038.shtml#trechos. Acesso em: 19 jun. 2014.

MAINGUENEAU, Dominique. A propósito do ethos. In: MOTA, Ana Raquel; SALGADO, Luciana (Org.). Ethos Discursivo. São Paulo: Contexto, 2008.

OLSSON, John. Forensic Linguistics. New York: Continuum, 2008.

RODRIGUES, G. E. Considerações acerca das extorsões realizadas por via telefônica através da simulação de um sequestro. ADPESP – Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo, 2007. Disponível em:

http://adpesp.org.br/artigos_ exibe.php?id=39. Acesso em: 16 jun. 2014.

SILVA, Welton Pereira e; MELO, Mônica Santos de Souza. A Análise de Gêneros Discursivos na Linguística Forense: um estudo sobre os Golpes do Falso Sequestro. Gragoatá, v. 20, p. 73-90, 2015.

SILVA, Welton Pereira e; MELO, Mônica Santos de Souza; VALE, Rony Petterson Gomes do. Prosódia e construção de ethé discursivos em crimes via telefone. Fórum Linguístico, v. 14, p. 2745, 2017.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Silva, W. P. e. (2018). Ethos e criminalidade: análise discursiva de tentativas de extorsão. Letras De Hoje, 53(3), 386-392. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2018.3.30456
Seção
Ethos Discursivo: Alcance, Desafios e Potencialidades