Desambiguação de sentenças na interface fonologia-sintaxe-semântica

  • Gabriel de Ávila Othero Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS
  • Mariana Terra Teixeira Yale University, New Haven, CT, Estados Unidos da América e Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS
Palavras-chave: Ambiguidade sintática, Processamento sintático, Interface fonologia-sintaxe-semântica

Resumo

Partimos dos resultados de Angelo & Santos (2017) em sua investigação sobre a desambiguação de sentenças com base em pistas prosódicas para tentar esclarecer uma questão que ficou em aberto em seu trabalho. As autoras realizaram um teste de compreensão com sentenças do tipo SN1-V-SN2-Atributo (e.g. O pai visitou o filho feliz) e chegaram à conclusão de que um alongamento nas sílabas do SN2, formando domínios prosódicos distintos entre SN2 e Atributo ([visitou o filhoϕ] [felizϕ]), favorece uma interpretação não local, em que o Atributo é interpretado como predicativo do sujeito e não como adjunto  adnominal. Entretanto, as autoras perceberam uma variação entre as interpretações com aposição local e não local na compreensão de sentenças sem o alongamento prosódico. Ou seja, segundo as autoras, a ausência da marcação prosódica não favoreceria uma ou outra interpretação, ao passo que a marcação prosódica alongada favoreceria a interpretação não local. Em nosso trabalho, argumentamos que a desambiguação desse tipo de sentença depende basicamente da resolução de um conflito entre três princípios de diferentes naturezas gramaticais que estão atuando em conjunto na desambiguação de sentenças com essa estrutura: um princípio de natureza prosódica, outro de natureza sintático-computacional e outro de ordem semânticopragmática. Para provar nosso ponto, elaboramos um teste off-line de compreensão de sentenças e o aplicamos a 270 informantes. Nossos resultados apontam para uma interação entre esses três princípios na resolução da ambiguidade dessas sentenças. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTMANN, G.; STEEDMAN, M. Interaction with context during human sentence processing. Cognition, v. 30, n. 191, p. 191-238, 1988.

ANGELO, M. C.; SANTOS, R. S. A prosódia em sentenças sintaticamente ambíguas do Português Brasileiro: Pistas de duração. Alfa: Revista de Lingüística, UNESP, v. 59, p. 375-403, 2015.

ANGELO, M. C.; SANTOS, R. S. Desambiguização de sentenças na interface fonologia-sintaxe: resultados perceptuais. Revista de Estudos da Linguagem, v. 23, n. 3, 2017.

CR AIN, S.; STEEDMAN, M. On not being led up the Garden path: the use of context by the psychological parser. In: DOWTY, D. R.; KARTTUNEN, L.; ZWICKY, A. M. (Ed.). Natural language processing: Psychological, computational and theoretical perspectives. Cambridge: CUP, 1985.

CUETOS, F.; MITCHELL , D. C. Cross-linguistic differences in parsing: restrictions on the use of the late closure strategy in Spanish. Cognition, v. 30, p. 73-105, 1988.

FINGER, I.; ZIMMER, M. A preferência de interpretação de orações relativas curtas e longas em português brasileiro. In: MAIA, M.; FINGER, I. (Orgs.). Processamento de Linguagem. Pelotas: Educat, 2005. p. 111-130.

FODOR, J. D. Learning to parse? Journal of Psycholinguistic Research, Springer Link, n. 27, p. 285-319, 1998.

FODOR, J. D. Prosodic disambiguation in silent reading. Proceedings of North East Linguistic Society, University of Massachusetts, Amherst, MA, n. 32, p. 113-132, 2002.

FODOR, J. D. A Psicolingüística não pode escapar da prosódia. In: MAIA, M.; FINGER, I. (Org.). Processamento de Linguagem. Pelotas: Educat, 2005. p. 51-69.

FONSECA, A. A.; MAGALHÃES, J. O. A influência de pistas prosódicas no processamento de frases: um estudo da estrutura SN1-V-SN2-ATRIBUTO no português brasileiro. Alfa – Revista de Linguística, São Paulo, v. 33, n. 55, p. 1-18, 2008.

FRAZIER, L. On comprehending sentences: syntactic parsing strategies. Tese (Doutorado) – University of Connecticut, 1979.

FRAZIER, L.; CL IFTON JR., C. Construal. Cambridge, MA: MIT Press, 1996.

FRAZIER, L.; FODOR, J. D. The sausage machine:A new twostage parsing model. Cognition, v. 6, n. 4, p. 291-325, 1978.

FRAZIER, L.; RAYNER, K. Making and correcting errors during sentence comprehension: Eye movements in the analysis of tructurally ambiguous sentences. Cognitive psychology, v. 14, n. 2, p. 178-210, 1982.

GIBSON, E.; BR OIHIER, K. Optimality Theory and Human Sentence Processing. In: BARB OSA, P. et al. (Ed.). Is the best good enough? Optimality and competition in syntax. Cambridge: MIT Press, 1998. p. 157-191.

HAGOORT, P. On Broca, brain, and binding: a new framework. Trends in Cognitive Science, v. 9, p. 416-423, 2005.

MAGALHÃES, J. O.; MAIA, M. Pistas prosódicas implícitas na resolução de ambiguidades sintáticas: um caso de adjunção de Atributos. Revista da ABRALIN, Florianópolis, v. 5, n. 1-2, p. 143-167, 2006.

MAIA, M. O acesso semântico no parsing sintático: evidências experimentais. Alfa – Revista de Linguística, v. 42, n. 1, 1998.

MIYAMOTO, E. T. Relative clause processing in Brazilian Portuguese and Japanese. 1999. Tese (Doutorado) – MIT, Massachusetts, 1999.

MIYAMOTO, E. T. Orações relativas ambíguas e a homogeneidade do processamento de sentenças. In: MAIA, M.; FINGER, I. (Org.). Processamento de Linguagem. Pelotas: Educat, 2005. p. 71-90.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic phonology. Dordrecht: Foris Publications, 1986.

RIBEIRO, A. J. C. Late closure em parsing no português do Brasil. In: MAIA, M.; FINGER, I. (Org.), Processamento de Linguagem. Pelotas: Educat, 2005. p. 51-69.

RIBEIRO, A. J. C. Late Closure e Good-Enough no processamento de frases garden-path do português do Brasil: evidências de eyetracking. ReVEL, v. 10, n. 18, 2012.

RODD , J. M., DAVIS, M. H.; JONHSTRUDE, I. S. The neural mechanisms of speech comprehension: fMRI studies of semantic ambiguity. Cerebral Cortex, v. 15, p. 1261-1269, 2005.

RODD , J. M.; LONGE, O. A.; RANDALL , B.; TYL ER, L. K. The functional organization of the fronto-temporal language system: evidence from syntactic and semantic ambiguity. Neuropsychologia, v. 48, p. 1324-1335, 2010.

SELKIRK, E. Phonology and Syntax: the relation between sound and structure. Cambridge: MIT Press, 1984.

SPIVEY-KNOWLTON, M.; SEDIVY, J. C. Resolving attachment ambiguities with multiple constraints. Cognition, v. 55, n. 3, p. 227-267, 1995.

SPIVEY-KNOWLTON, M.; TANENHAUS, M. K. Referential context and syntactic ambiguity resolution. In: CL IFTON, C.; FRAZIER, L; RAYNER, K. (Ed.). Perspectives in sentence processing. Hillsdale: Lawrence Erlbaum, 1994. p. 415-439.

TRUESWELL , J. C.; TANENHAUS, M. K.; GARNSEY, S. M. Semantic influences on parsing: Use of the thematic role information in syntactic disambiguation. Journal of Memory and Language, v. 33, n. 3, 1994.

WILL EMS, R. M.; HAGOORT, P. Broca’s region: battles are not won by ignoring half of the facts. Trends in Cognitive Sciences, v. 13, p. 101, 2009.

Publicado
2018-06-05
Como Citar
Othero, G. de Ávila, & Teixeira, M. T. (2018). Desambiguação de sentenças na interface fonologia-sintaxe-semântica. Letras De Hoje, 53(1), 109-118. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2018.1.28698
Seção
Linguagem na perspectiva da Psico/Neurolinguística e da Neurociência Cognitiva