Leitura e consciência linguística

  • Onici Claro Flôres Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC
Palavras-chave: Leitura, Consciência linguística, Ensino

Resumo

Neste artigo a leitura é vista como uma atividade cognitiva complexa que envolve necessariamente o desenvolvimento da consciência linguística do leitor iniciante, a começar pela consciência fonológica. Nessa perspectiva, aprender a ler exige, antes de qualquer outra coisa, relacionar a fala ao sistema de escrita, vocalizando a produção do fonema correspondente ao grafema escrito, pois o sistema do Português Brasileiro é alfabético. Aos alfabetizadores, recomenda tanto o estudo do sistema fonológico do PB quanto dos fundamentos biológicos da atividade leitora, tanto para entenderem melhor o princípio alfabético quanto os vínculos entre cérebro, linguagem e fala. Além disso, reitera a importância de contextualização do processo de ensino-aprendizado, situando-o no contexto social e cultural do aprendiz, não desconsiderando, pois, o seu conhecimento prévio. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Onici Claro Flôres, Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC
Leciona no Curso de Letras e no Mestrado e Doutorado em Letras da Universidade de Santa Cruz do Sul. É investigadora da área de Linguística, concentração em Psicolinguística, pesquisando a respeito dos seguintes temas: leitura, leitura e sistemas de escrita, linguagem e cognição, interpretação /compreensão, alfabetização.

Referências

AARON, P. G. Orthographic Systems and Developmental Dyslexia: A Reformulation of the Syndrome. In: AARON, P. G.; JOSHI, M. (Ed.). Reading and Writing Disorders in Different Orthografic Systems. Dordrecht/Boston/London: Kluwer Academic Publishers/NATO Scientific Affairs, Affairs, 1989.

ABAURRE, M. B. M. (Org.). A construção fonológica da palavra. São Paulo: Contexto, 2013.

ANTHONY, J. L.; FRANCIS, D. J. Development of phonological awareness. Current Directions in Psychological Science, v. 14, n. 5, p. 255-259, 2005.

BORGES, L. C.; SALOMÃO, N. M. R. Aquisição da linguagem: considerações da perspectiva da interação social. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 16, n. 2, p. 327-336, 2003.

BRYANT, P.; BRADLEY, L. Problemas de leitura na criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.

CAGLIARI, L. C. ALFABETIZANDO sem o BA-BÉ-BI-BÓ-BU. São Paulo: Scipione, 1999.

CANSINO, E. La mirada auditiva. In: ALONSO. F. et al. Hablemos de leer. Madrid: ANAYA, 2002. p. 31-43.

CARLISLE, J. F. Morphological awareness and early reading achievement. In: FELDMAN, L. B. (Ed.). Morphological aspects of language processing. 1995. p. 189-209.

DEACON, S.; BRYANT, P. What young children do and do not know about the spelling of inflections and derivations. Developmental Science, v. 8, n. 6, p. 583-594, 2005.

DEACON, S. R.; KIRBY, J. Morphological awareness: Just "more phonological"? The roles of morphological and phonological awareness in reading development. Applied Psycholinguistics, v. 25, n. 2, p. 223-238, 2004.

DEHAENE, S. Les Neurones de la Lecture. Paris: Odile Jacob, 2007.

DEHAENE, S. Os neurônios da leitura – como a ciência explica a nossa capacidade de ler. Trad. Leonor Scliar-Cabral. Porto Alegre: Penso, 2012.

DEHAENE, S. A aprendizagem da leitura modifica as redes corticais da visão e da linguagem verbal. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 48. n. 1, p. 148-152, jan.-mar. 2013.

DEHAENE, S. et al. How learning to read changes the cortical networks for vision and language. Science, v. 330, p. 1359-1364, 2010.

GOMBERT, J. E. Atividades metalinguísticas e aprendizagem da leitura. In: MALUF, M. R. Metalinguagem e aquisição da escrita: contribuições da pesquisa para a prática de alfabetização. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. p. 19-63.

GOUGH, P. B.; LARSON, K. C. A estrutura da consciência fonológica. In: CARDOSO-MARTINS, C. (Org.). Consciência fonológica & alfabetização. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. p. 13-35.

GRABE, W. Reading in a second Language: moving from Theory to Practice. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

KOCH, I. G. V.; CUNHA-LIMA, M. L. Do cognitivismo ao sociocognitivismo. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2007. p. 251-300;

KORKEAMÄKI, R.–L. What Can Be Learned About Reading Acquisition in the Finnish Language? In: LEONG, C. K.; JOSHI, R. M. (Ed.). Cross-Language Studies of Learning to Read and Spell. Phonologic and Orthografic Processing. Dordrecht/Boston/London: Kluwer Academic Publishers/ NATO Scientific Affairs, 1997. p. 331-359.

LAROCA, M. Manual de Morfologia do português. Campinas, SP: Pontes, Juiz de Fora, UFJF, 2005.

LEHTONEN, A.; BRYANT, P. Active players or just passive bystanders? The role of morphemes in spelling development in a transparent orthography. Applied Psycholinguistics. v. 26, n. 2, p. 137-155, 2005.

MAREC-BRETON, N.; GOMBERT, J. E. A dimensão morfológica nos principais modelos de aprendizagem da leitura. In: MALUF, M. R. (Org.). Psicologia Educacional: Questões Contemporâneas. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 105-121, 2004.

MELO, R. B. A relação entre consciência fonológica e aquisição da leitura e da escrita de jovens e adultos. Tese (Doutorado) – Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

MORAIS, J. Criar Leitores – Para professores e educadores. Barueri, SP: Manole, 2013.

MOTA, M. da. A consciência morfológica é um conceito unitário? In: MOTA, M. (Org.). Desenvolvimento metalinguístico: questões contemporâneas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009. p. 41-54.

NUNES, T.; BRYANT, P. Improving Literacy by teaching Morphemes. London: Routledge, 2006.

PINTO, M. da G. L. C. Desenvolvimento e distúrbios da Linguagem. Porto: Porto Editora, 1994.

PINTO, M. da G. L. C. Saber viver a Linguagem: um desafio aos problemas de literacia. Porto: Porto Editora, 1998.

PRIMI, Ricardo. Inteligência: avanços nos modelos teóricos e nos instrumentos de medida. Aval. psicol., Porto Alegre,v. 2, n. 1, p. 67-77, jun. 2003.Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-

&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 04 set. 2017.

QUADROS, R. O paradigma gerativista e a aquisição da linguagem. In: FINGER, I.; QUADROS, R. (Org.). Teorias da aquisição da linguagem. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008.

SANTOS, M. J. dos; MALUF, M. R. Consciência fonológica e linguagem escrita: efeitos de um programa de intervenção. In: MALUF, M. R. (Org.). Psicologia Educacional: questões contemporâneas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. p. 91-103,

SAUSSURE, F. de. Curso de Linguística Geral. 29. ed. São Paulo: Cultrix, 2008.

SCLIAR-CABRAL, L. Princípios do Sistema Alfabético do Português do Brasil. São Paulo: Contexto, 2003 a. SCLIAR-CABRAL, L. Guia Prático de Alfabetização – baseado em Princípios do Sistema Alfabético do Português do Brasil. São Paulo: Contexto, 2003b. SILVA, M. B. da. Leitura, ortografia e fonologia. 2. ed. São Paulo: Ática, 1993.

SILVA, M. C. de S.; KOCH, I. Linguística aplicada ao português: morfologia. São Paulo: Cortez, 1999.

SNOWLING, M.; STACKHOUSE, J. Dislexia, fala e linguagem: um manual do profissional. Porto Alegre: Artes Médicas, 2004.

VELOSO, J. Da Investigação às Práticas. Estudos de Natureza Educacional, Escola Sup. de Educação de Lisboa, Centro Interdisciplinar de Estudos Educacionais, v. VI, p. 49-69, 2005.

Publicado
2018-06-05
Como Citar
Flôres, O. C. (2018). Leitura e consciência linguística. Letras De Hoje, 53(1), 149-157. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2018.1.28535
Seção
Linguagem na perspectiva da Psico/Neurolinguística e da Neurociência Cognitiva