O uso da caneta injetora de insulina no cotidiano: percepções do adolescente

Palavras-chave: saúde do adolescente, diabetes mellitus, qualidade de vida, insulina.

Resumo

Objetivo: Conhecer as percepções do adolescente com diabetes mellitus tipo 1 sobre o uso da caneta injetora de insulina no cotidiano.
Materiais e Métodos: Realizou-se uma pesquisa qualitativa envolvendo 15 adolescentes com diabetes inscritos em um programa universitário de extensão, com 13 a 18 anos de idade. Os jovens do sexo masculino e feminino com assiduidade de no mínimo três reuniões por ano nas atividades do grupo foram convidados a participar do estudo. As entrevistas semiestruturadas foram desenvolvidas antes e depois do uso contínuo da caneta aplicadora de insulina. Os dados foram interpretados através da análise de conteúdo proposta por Bardin. O projeto foi aprovado pelo comitê de ética da Universidade Regional de Blumenau sob o parecer número 99/10.
Resultados: Nove adolescentes com diabetes, sendo quatro do sexo feminino e cinco do sexo masculino revelaram que se sentem impotentes frente à mudança causada pela doença e a consequente perda de controle sobre a própria vida. Além disso, a condição de ter diabetes e aplicar a insulina com seringa e agulha foi apontada como uma das dificuldades do tratamento. Sobre a caneta, todos os adolescentes responderam que a preferem devido à praticidade no desenvolvimento das atividades cotidianas.
Conclusão: Neste estudo foi percebido que o uso da caneta injetora de insulina contribui para a melhoria da qualidade de vida, merecendo mais atenção dos profissionais e da gestão pública em saúde visando o estímulo ao autocuidado.

Biografia do Autor

Deisi Maria Vargas, Universidade Regional de Blumenau (FURB). Blumenau, SC
Médica e Doutora em Pediatria. Professora do Departamento de Medicina e do Mestrado em Saúde Coletiva.
Ana Lúcia Bertarello Zeni, Universidade Regional de Blumenau (FURB). Blumenau, SC
Bióloga e Doutora de Neurociências. Professora do Departamento de CIências Naturais e do Mestrado em saúde Coletiva da Universidade Regional de Blumenau.
Adriana Lobo Muller, Universidade Regional de Blumenau (FURB). Blumenau, SC
Psicóloga e Mestre em Saúde Coletiva. Professora do Departamento de Psicologia.
Claúdia Regina Lima Duarte da Silva, Universidade Regional de Blumenau (FURB). Blumenau, SC
Enfermeira e Doutora em Enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem e do Metsrado em Saúde Coletiva.

Referências

Fialho FA, Dias IMAV, Nascimento L, Motta PN, Pereira SG. Crianças e adolescentes com diabetes mellitus: cuidados/ implicações para a enfermagem. Rev Baiana Enferm. 2011; 2(2):145-54. http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v25i2.4820

Santos RAB, Pinto SL, Almeida VCF, Lisboa KWSC, Marques SF. Diabetes mellitus tipo 1: implicações na qualidade de vida dos adolescentes. Revista e-ciência. 2013;1(1):1-17.

Damião EBC, Dias VC, Fabri LRO. O adolescente e o diabetes: uma experiência de vida. Acta Paul Enferm. 2010;23(1):41-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000100007

Schneider KLK, Martini JG. Cotidiano do adolescente com doença crônica. Texto Contexto Enferm. 2011;20(n. spe): 194-204. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000500025

Fonseca ALB, Tavares VS, Aquino AC, Mariano MSS, Silva EG. Reflexões sobre as repercussões da diabetes no comportamento adolescente. Psicol Foco. 2009;2(1):58-65.

Novato TS, Grossi SAA, Kimura M. Qualidade de vida e autoestima de adolescentes com diabetes mellitus. Acta Paul Enferm. 2008;21(4):562-67. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002008000400005

Cavinatto SM. Doença crônica, autocuidado e autonomia: estudo de um processo educativo junto a pacientes com diabetes melito tipo 2 [dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2003. https://doi.org/10.20396/ccfenf120181496

Merhy EE, Baduy RS, Seixas CT, Almeida DES, Slomp Júnior H, organizadores. Avaliação compartilhada do cuidado em saúde: surpreendendo o instituído nas redes. Rio de Janeiro: Hexis; 2016.

Flick U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed; 2009. 10. Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Moretto CC. Experiências com um grupo de adolescentes: um estudo psicanalítico [tese]. Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas; 2013. https://doi.org/10.17143/ciaed/xxiilciaed.2017.00248

Minanni CA, Ferreria AB, Sant’Anna MJC, Coates V. Abordagem integral do adolescente com diabetes. Adolescência & Saúde. 2010;7(1):45-52.

Polak M, Touraine P, editors. Transition of care: from childhood to adulthood in endocrinology, gynecology, and diabetes. London: Karger; 2018.

Canguilhem G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária; 2002.

Ayres JRCM. O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde Soc. 2004;13(3):16-29. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902004000300003

Maia FFR, Araujo LR. Uso da caneta injetora de insulina no tratamento do diabetes mellitus tipo 1. J Pediatr. 2002;78(3): 189-92. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572002000300004

Campos RA. Insulinoterapia. Nascer e Crescer. 2011;20(3):

-4.

Santos JR, Enumo SRF. Adolescentes com diabetes mellitus tipo 1: seu cotidiano e enfrentamento da doença. Psicol Reflex Crít. 2003;16(2):411-25. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722003000200021

Williams K, McGillicuddy-De Lisi A. Coping strategies in adolescents. J Appl Dev Psychol. 2000;20(4):537-49. http://dx.doi.org/10.1016/S0193-3973(99)00025-8

Publicado
2019-12-06
Seção
Artigos Originais