Toxoplasmose: assistência pré-natal sob a abordagem da rede cegonha em Itaparica-Bahia-Brasil entre 2013 a 2016

Palavras-chave: sorologia, imunoglobulina G, imunoglobulina M, saúde da família, rede cegonha.

Resumo

Introdução: A toxoplasmose é uma doença infecciosa de grande importância clínica para gestantes devido à possibilidade de transmissão congênita. A rede cegonha é uma estratégia utilizada para assistência ao pré-natal inserida na atenção básica à saúde, tem finalidade de reduzir índices de mortalidade materna e neonatal.
Objetivo: Estabelecer a relação entre o processo de diagnóstico sorológico para toxoplasmose em gestantes e a atuação da rede cegonha.
Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo de caráter descritivo retrospectivo de base documental, constituído por 461 prontuários de gestantes atendidas no período de 2013 a 2016 no município de Itaparica/BA. Abordam dados clínicos e epidemiológicos das gestantes inseridas na rede cegonha e vinculadas a uma das unidades de saúde da família de Itaparica/BA.
Resultados: Foram identificadas 302 (65,5%) gestantes que realizaram sorologia para toxoplasmose, sendo que 3,65% foram susceptíveis, 11,6% imunes, 1,3% com possível infecção aguda e 83,45% tiveram perfil clínico inconcluso para toxoplasmose.
Conclusão: A rede cegonha facilita o acesso ao acompanhamento pré-natal e diagnóstico sorológico. No entanto, há dificuldades no que se refere à realização de exames que auxiliem a conclusão diagnóstica.

Biografia do Autor

Priscila da Hora Nascimento, Centro Universitário Maurício de Nassau, Salvador
Biomédica graduada pela Faculdade Maurício de Nassau, Salvador
Mara Costa Conceição, Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, BA
Aluna de graduação do Curso de Enfermagem da Universidade do Estado da Bahia (UNEB).
Ana Clara Silva Brandão, Centro Universitário Maurício de Nassau, Salvador

Bióloga. Mestre em Ecologia e Biomonitoramento pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora do Centro Universitário Maurício de Nassau, Salvador, BA.

Pedro Paulo Oliveira Carneiro, Centro Universitário Maurício de Nassau, Salvador

Biomédico. Doutor em Ciências da Saúde pela UFBA. Professor do Centro Universitário Maurício de Nassau, Salvador, BA.

Rúbia Suely Santana Costa, Centro Universitário Maurício de Nassau, Salvador

Biomédica. Doutora em Ciências da Saúde pela UFBA. Professora do Centro Universitário Maurício de Nassau, Salvador, BA.

Referências

Reis MM, Tessaro MM, D’Azevedo PA. Perfil sorológico para toxoplasmose em gestantes de um hospital público de Porto Alegre. Rev. Bras. Ginec. Obstet [periódico online]. 2006; 28(3):158-164. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-72032006000300004

Mccabe RE, Remington JS. Toxoplasma gondii. In: Mandell GL, Douglas RG, Bennett JE, editors. Principles and Practice of Infectious Diseases. Churchill Livingstone Inc.; New York: 1990.

Bittencourt LH, Lopes-Mori FM, Mitsuka-Breganó R, Valentim- Zabott M, Freire RL, Pinto SB, Navarro IT. Soroepidemiologia da toxoplasmose em gestantes a partir da implantação do programa de vigilância da toxoplasmose adquirida e congênita em municípios da região oeste do Paraná. Rev. Bras. Ginec. Obstet. [periódico online]. 2012; 34:63-68. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v34n2/a04v34n2.pdf

Lopes-Mori FMR, Mitsuka-Breganó R, Capobiango JD, Inoue IT, Reiche EMV, Morimoto HK, Casella AMB, Bittencourt LHFB, Freire RL, Navarro IT. Programa de controle da toxoplasmose congênita. Rev. Assoc. Med. Bras. [periódico online]. 2011; 57(5):594-599. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-42302011000500021

Montoya JG, Remington JS. Management of Toxoplasma gondii infection during pregnancy. Clin. Infect. Dis. [periódico online]. 2008; 47(4):554-66. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18624630. https://doi.org/10.1086/590149

Porto AMF, Amorim MMR, Coelho ICN, Santos LC. Perfil sorológico para toxoplasmose em gestantes atendidas em maternidade. Rev. Assoc. Med. Bras. [periódico online]. 2008; 54(3):242-248. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-42302008000300018

Fonseca AL, Silva RA, Fux B, Madureira AP, Sousa FF, Margonari C. Aspectos epidemiológicos da toxoplasmose e avaliação da sua prevalência em mulheres grávidas. Soc. Bras. Med. Trop. [periódico online]. 2012; 45(3):1-11. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0037-86822012000300015

Lima AF, Melo AMAA, Ferreira MA. Pré-natal: um desafio para as gestantes acompanhadas nas unidades de saúde da família no município de Serra Talhada – PE. Saúde Coletiva em Debate. 2012; 2 (1):31-40.

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html

Instituto de Pesquisa e Ensino Diagnóstico IPED APAE. Unidade de Triagem Pré-natal [Internet]. 2016. Disponível em: http://www.ipedapae.org.br/triagem-pre-natal

Sensini A. Toxoplasma gondii infection in pregnancy: opportunities and pitfalls of serological diagnosis. Clin Microbiol Infect [periódico online]. 2006;12(6):504-12. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16700697. https://doi.org/10.1111/j.1469-0691.2006.01444.x

Dupont CD, Christian DA, Hunter CA. Immune response and immunopathology during toxoplasmosis. Semin Immunopathol. [periódico online]. 2012; 34(6):793-813. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22955326. https://doi.org/10.1007/s00281-012-0339-3

Carvalho AGMA, Lima JS, Lima MSPR, Mota CAX. Diagnóstico laboratorial da toxoplasmose congênita. Rev. Ciênc. Saúde Nova Esperança. 2014;12(1):88-95.

Lopes FMR, Gonçalves DD, Mitsuka-Breganó R, Freire RL, Navarro IT. Toxoplasma gondii infection in pregnancy. Braz J Infect Dis [periódico online]. 2007; 11(5):496-506. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-86702007000500011

Correa D, Cañedo-Solares I, Ortiz-Alegría LB, Caballero-Ortega H, Rico-Torres CP. Congenital and acquired toxoplasmosis: diversity and role of antibodies in different compartments of the host. Parasite Immunol. [periódico online]. 2007; 29(12):651-60. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18042171. https://doi.org/10.1111/j.1365-3024.2007.00982.x

Furini AAC, Gadotti FC, Bertasso-Borge MS, Pignata RCM, Sanches RMS, Faitarone NC, Santos I, Lima TAM, Cavasini CE, Machado RLD. Soroprevalência de Anticorpos anti-Toxoplasma gondii em Amostras de Gestantes no Pré-Natal. Rev. Bras. Cien. Saúde. [periódico online]. 2015. 19(3):199-2014. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/rbcs/article/view/20576/15070.

https://doi.org/10.4034/RBCS.2015.19.03.05

Margonato FB, Silva AMR, Soares DA, Amaral DA, Petris AJ. Toxoplasmose na gestação: diagnóstico, tratamento e importância de protocolo clínico. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [periódico online]. 2007; 7(4):381-6. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1519-38292007000400005

Souto BGA, Pereira SMSF. História clínica centrada no sujeito: estratégia para um melhor cuidado em saúde. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde. [periódico online]. 2011; 36(3):176-81. Disponível em: https://portalnepas.org.br/abcs/article/view/58. https://doi.org/10.7322/abcs.v36i3.58

O’Connor A, Doris F, Skirton H. Midwifery care in the UK for older mothers. Br J Midwifery. [periódico online]. 2014; 22(8):568-77. Disponível em: https://doi.org/10.12968/bjom.2014.22.8.568

Damasceno SS, Nóbrega VM, Coutinho SED, Reichert APS, Toso BRGO, Collet N. Saúde da criança no Brasil: orientação da rede básica à Atenção Primária à Saúde. Ciênc Saúde Coletiva; [periódico online]. 2016; 21(9):2961-73. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.25002015

Jacquier P, Hohlfeld P, Vorkauf H, Zuber P. Epidemiology of toxoplasmosis in switzerland: national study of seroprevalence monitored in pregnant women 1990-1991. Schweiz. Med Wochenschr. Supp. [periódico online]. 1995; 65:29-38. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7716451

Findal G, Stray-Pedersen B, Holter EK, Berge T, Jenum PA. Persistent Low Toxoplasma IgG Avidity Is Common in Pregnancy: Experience from Antenatal Testing in Norway. PLOS ONE [periódico online]. 2015; 1-10. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26714282. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0145519

Amendoeira MRR, Camillo-Coura LF. Uma breve revisão sobre toxoplasmose na gestação. Scientia Medica. 2010; 20(1):113-9. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6268074

Dhakal R, Gajurel K, Pomares C, Talucod J, Press CJ, Montoya JG. Significance of a Positive Toxoplasma Immunoglobulin M Test Result in the United States. J Clin Microbiol [periódico online]. 2015; 53(11):3601-5. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26354818. https://doi.org/10.1128/JCM.01663-15

Gonçalves R, Urasaki MBM, Merighi MAM, D’Avila CG. Avaliação da efetividade da assistência pré-natal de uma Unidade de Saúde da Família em um município da Grande São Paulo. Rev. Bras. Enferm. [periódico online]. 2008; 61(3):349-53. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-71672008000300012

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Cadernos de Atenção Básica, 32(1):1-320. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2013.

Cantos GA, Prando MD, Siqueira MV, Teixeira RM. Toxoplasmose: Ocorrência de Anticorpos Anti-Toxoplasma gondii e Diagnóstico. Rev. Assoc. Med. Bras. [periódico online]. 2000; 46(4):335-41. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-42302000000400033

Mentges BTC, Terezinha I, Rocha M. Apresentações clínicas: atualização da toxoplasmose gestacional. Rev. Panam. Infectol. 2015; 17(1):30-6.

Publicado
2019-12-06
Seção
Artigos Originais