Comércio de órgãos humanos: até onde vai a autonomia do indivíduo?

  • Gustavo Noronha de Ávila
  • Gabriel José Chitto Gauer
  • Ruth Maria Chitto Gauer
  • Gerson Antônio de Ávila
  • Guilherme Dettmer Drago

Resumo

O presente trabalho analisa as alternativas e conseqüências na comercialização de órgãos humanos. Aborda a questão sobre diversas áreas do conhecimento, como a Filosofia, a Sociologia, a Medicina e o Direito. Trás à lume discussões acerca da manutenção do atual altruísmo em transplantes de órgãos humanos até possibilidade libertário-utilitarista da utilização de tais órgãos, sempre calcando o debate nas bases do princípio da dignidade da pessoa humana, verdadeiro indicador de que o corpo humano não pode ser utilizado como mero produto mercadológico.

Biografia do Autor

Gustavo Noronha de Ávila
Mestre em Ciências Criminais pela PUCRS. Professor da UNISUL. Advogado.
Gabriel José Chitto Gauer
Doutor em Clínica Médica pela PUCRS. Pós-Doutor pela Universidade de Maryland (EUA). Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia e Ciências Criminais da PUCRS.
Ruth Maria Chitto Gauer
Doutora em História pela Universidade de Coimbra. Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais da PUCRS.
Gerson Antônio de Ávila
Doutor em Medicina pela UFRJ. Professor Adjunto do Departamento de Medicina Legal da PUCRS e da UFRGS. Membro do Comitê de Ética do Grupo Hospitalar Conceição.
Guilherme Dettmer Drago
Mestrando em Ciências Criminais pela PUCRS. Bolsista do CAPES. Membro do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/RS. Advogado.
Publicado
2009-04-06
Seção
Artigos