As muitas faces da dívida

A negociação em uma central de mediação estatal

Palavras-chave: Dívida, Moralidade, Drama social, Justiça, Crédito

Resumo

O artigo problematiza as diferentes dimensões presentes no processo de negociação de dívidas e que atuam na reconfiguração subjetiva dos sujeitos endividados. Por meio do arcabouço teórico que inclui drama social (Turner) e ritual (Peirano), além da abordagem etnográfica realizada junto à Central de Mediação – uma iniciativa do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e de outras instituições públicas – foi possível perceber que as dívidas negociadas, bem como seus significados, tensionam critérios morais, sociais e econômicos. Ao mesmo tempo, ao buscarem a esfera legal, os sujeitos se mostram cientes de um código que os defende, enquanto consumidores, em sua dignidade, ao utilizarem, a sua maneira, as noções de justiça e de cidadania.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Rispoli Leal, Faculdades Integradas de Taquara, Taquara, RS, Brasil.

Professora das Faculdades Integradas de Taquara (Faccat), Taquara, RS, Brasil. Pós-Doutora pelo Centro de Estudos Sociais (CES), Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal. Doutora em Ciências Sociais e mestre em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

Abramovay, Ricardo, org. 2004. Laços financeiros na luta contra a pobreza. São Paulo: Annablume.

Bevilaqua, Ciméia. 2001. Notas sobre a forma e a razão dos conflitos no mercado de consumo. Sociedade e Estado 16 (1-2): 306-334. https://doi.org/10.1590/S0102-69922001000100013.

Cándido, Luara Fernandez de. 2007. Crédito sob a ótica da terceira idade: significados da utilização do empréstimo pessoal para os idosos. Trabalho de conclusão de curso em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), Porto Alegre, Brasil.

Fassin, Didier. 2006. Conflitos do outono de 2005 na França. Tempo Social 18 (2):185-196. https://doi.org/10.1590/S0103-20702006000200009.

Fonseca, Cláudia. 2000. Família, fofoca e honra. Porto Alegre: Ufrgs Editora.

Geertz, Clifford. 2008. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC.

Leach, Edmund. 1992. Cultura e comunicação. Lisboa: Edições 70.

Macedo, Márcia dos Santos. 2008. Mulheres chefes de família e a perspectiva de gênero: trajetória de um tema e a crítica sobre a feminização da pobreza. Caderno CRH 21 (53): 389-404. https://doi.org/10.1590/S0103-49792008000200013.

Marques, Cláudia Lima. 2006. Direitos do consumidor endividado. Editora Revista dos Tribunais: São Paulo.

Mauss, Marcel. 1979. A expressão obrigatória dos sentimentos. In Marcel Mauss: antropologia, organizado por Roberto L. Cardoso de Oliveira, 147-153. Coleção grandes cientistas sociais. São Paulo: Ática.

Mauss, Marcel. 2003. Ensaio sobre a dádiva. In Sociologia e antropologia, 183- 314. Cosac & Nanfy: São Paulo.

Müller, Lúcia. 2009. Então, eu ‘fui à luta!’: repensando as representações e práticas econômicas de grupos populares a partir de uma trajetória de ascensão social. Política & Sociedade 8 (15):145-171. https://doi.org/10.5007/2175-7984.2009v8n15p145.

Müller, Lúcia. 2012. Os grupos de baixa renda e o crédito no cenário brasileiro contemporâneo. In Juventude, consumo e educação:reflexões, experiências e diálogos contemporâneos, organizado por Michele de Lavra Pinto e Janie K. Pacheco, 15-26, v.4. Porto Alegre: ESPM.

Oliveira, Luis R. Cardoso. 1989. Fairness and communication in small claims courts. Ann Arbor: UMI.

Oliveira, Luis R. Cardoso de. 1996. Entre o justo e o solidário: os dilemas dos direitos de cidadania no Brasil e nos EUA. Revista Brasileira de Ciências Sociais 11(31): 67-81.

Oliveira, Luis R. Cardoso de. 2002. Direito Legal e Insulto Moral. Dilemas da cidadania no Brasil, Quebec e EUA. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Oliveira, Luis R. Cardoso. 2005. Direitos, insulto e cidadania. Existe violência sem agressão moral? Série Antropologia. Brasília.

Peirano, Mariza. 2002. A análise antropológica de rituais. In O dito e o feito: ensaios de antropologia dos rituais. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Pitt-Rivers, Julian. 1965. Honra e posição social. In Honra e Vergonha: valores das sociedades mediterrâneas, organizado por John George Peristiany, 19-77. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Pochmann, Márcio. 2010. Desenvolvimento e perspectivas novas para o Brasil. São Paulo: Cortez.

Sales, Lilia e Emmanuela Chaves. 2014. Mediação e conciliação judicial: a importância da capacitação e de seus desafios. Jornal Sequência (69): 255-280. https://doi.org/10.5007/2177-7055.2014v35n69p255.

Schuch, Patrice. 2009. Direitos e afetos: análise etnográfica da “justiça restaurativa” no Brasil. Revista Antropología y Derecho, Cedead 7:10-18.

Tambiah, Stanley J. 1985. Form and meaning of magical acts. In Culture, thought, and social action, 67-86. Cambridge: Harvard University Press.

Tonche, Juliana. 2015. A construção de um modelo “alternativo” de gestão de conflitos: usos e representações de justiça restaurativa no estado de São Paulo. Tese em Sociologia, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, Brasil.

Turner, Victor. 1974. O processo ritual. Petrópolis: Vozes.

Turner, Victor. 2008. Dramas, campos e metáforas. Rio de Janeiro: Eduff

Villarreal, Magdalena, org. 2004. Antropologia de la deuda: crédito, ahorro, fiado y prestado en las finanzas cotidianas. México DF: Centro de Investigaciones y Estudos Superiores en Antropologia Social.

Werneck, Alexandre. 2014. Sociologia da moral, agência social e criatividade. In Pensando bem: estudos de sociologia e antropologia da moral, organizado por Alexandre Werneck, Luís Roberto Cardoso de Oliveira, 25-48.Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

Wilkis, Ariel. 2013. Las sospechas del dinero: moral y economia en la vida popular. Buenos Aires: Paidós.

Zehr, Howard. 2012. Justiça restaurativa. São Paulo: Palas Athena.

Zelizer, Viviana.1994. The social meaning of money. New York: Basic Books.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Leal, C. R. (2020). As muitas faces da dívida: A negociação em uma central de mediação estatal. Conversas & Controvérsias, 7(2), e39453. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2020.2.39453
Seção
Dossiê - Instituições e práticas econômicas em foco: contribuições das Ciências