PERSPECTIVAS DE CONSERVAÇÃO DOS ESPAÇOS VERDES SUBURBANOS NO MUNICÍPIO DE LAGES, SC

  • Camila Lucas Chaves Universidade do Planalto Catarinense
  • Aline Pereira Cruz Universidade do Planalto Catarinense
  • Silvana Manfredi Universidade do Planalto Catarinense
Palavras-chave: áreas-verdes, urbanização, índice de valor ecológico.

Resumo

A perda e degradação dos espaços verdes suburbanos têm alterado os processos biológicos diminuindo a qualidade de vida nos centros urbanos. Com o objetivo de avaliar o estado de degradação desses espaços e propor estratégias para sua conservação, realizaram-se levantamentos florísticos e fitossociológicos. Foram amostrados seis espaços verdes, onde se alocaram parcelas de 10 x 50 m (500 m2). Avaliou-se a altura e circunferência à altura do peito de todos os indivíduos com (CAP) 15 cm. As espécies foram coletadas para identificação e destinadas ao Herbário LUSC- UDESC. Amostraram-se 86 espécies, agrupadas em 60 gêneros e 34 famílias. Dos seis fragmentos avaliados quatro apresentaram características estruturais viáveis para a conservação das espécies nativas. O índice de valor ecológico demonstrou que várias espécies são comumente encontradas, no entanto várias podem ser consideradas raras. Os fragmentos maiores apresentaram as maiores riquezas, no entanto os maiores índices foram encontrados nas áreas II e VI mostrando que fragmentos menores também mantêm uma riqueza . As áreas de maior vulnerabilidade são as que possuem as maiores distâncias entre fragmentos e maior número de indivíduos representados em uma ou duas amostras , concluindo-se que o tamanho do fragmento e isolamento ou conectividade tem influências sobre a riqueza de espécies. Desse modo propõem-se uma rede de corredores ecológicos que propiciem o fluxo biológico entre os principais espaços verdes suburbanos aqui estudados.

Biografia do Autor

Camila Lucas Chaves, Universidade do Planalto Catarinense
Bacharel em Ciências Biológicas - Ciências Ambientais. Departamento de Ciências Biológicas e da Saúde. Área: ecologia e botânica.
Publicado
2012-05-22
Seção
Artigos