REGISTROS DE OCORRÊNCIA DE Lontra longicaudis (OLFERS, 1818) NO SUDOESTE DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL.

  • Mariane Barbosa Teixeira PUCRS
  • Rafaela Castro Dornelles PUCRS
  • Maurício Cendon Ávila PUCRS
  • Leonardo Rodrigo Kerber UFRGS
  • Joceleia Gilmara Koenemann PUCRS
Palavras-chave: Conservação, Vestígios, Lontra

Resumo

Lontra longicaudis, conhecida popularmente como lontra neotropical, possui uma ampla distribuição espacial no continente americano ocorrendo desde o México até a Argentina. Pode ser encontrada em uma grande variedade de habitats: florestas, matas ciliares, lagos, rios e regiões litorâneas associadas a lagoas costeiras. No Rio Grande do Sul ocorre desde ambientes costeiros até áreas de planalto. As ações antrópicas têm contribuído muito para a diminuição das populações de lontras, dentre elas podemos destacar: a destruição de habitats (desmatamento, construção de hidrelétricas, mineração), a poluição (agricultura, exploração de gás e óleo, mineração), a caça, a pesca comercial e a intensa navegação. Atualmente estes animais são considerados como espécie ameaçada de extinção na categoria vulnerável, conforme o Livro Vermelho da Fauna Ameaçada de Extinção do Rio Grande do Sul. Este trabalho registrou áreas de ocorrência da L. longicaudis em diversos pontos da região Sudoeste do Rio Grande do Sul (Parque Estadual do Espinilho, Parque Municipal de Uruguaiana, Reserva Biológica do Ibirapuitã, Município de Alegrete, Arroio Imbaá e Rio Quaraí. Os registros foram obtidos por meio de observação visual, registro fotográfico, vestígios (amostras fecais) e relatos de moradores locais. Foram coletadas fezes de lontras. Para demarcar suas áreas de descanso e latrinas a L. longicaudis utiliza um muco hormonal expelido pelo ânus. Com esse muco indivíduos da espécie que habitam o mesmo território conseguem distinguir o sexo, se a fêmea está no cio, se está prenha ou com filhotes. Alguns moradores locais apontaram a presença da espécie em algumas localidades, relatando a presença destes animais. Estudos sobre a distribuição espacial da L. longicaudis no Rio Grande do Sul são fundamentais para aumentar os conhecimentos sobre a biologia e contribuir para a conservação da espécie.
Publicado
2009-04-22
Seção
Artigos