Fungos liquenizados em forófitos de mata ciliar, no Parque Estadual do Espinilho, Barra do Quaraí, RS

  • Izabel Mota
  • Gleici Meri Fernandes
  • Francisco R. Galvani

Resumo

Fungos Liquenizados em Forófitos de Mata Ciliar, no Parque Estadual do Espinilho, Barra do Quarai, RS. Localizado na região da Campanha, extremo sudoeste do RS, o Parque Estadual do Espinilho, é uma disjunção vegetacional da Província Chaquenha, caracterizada por uma formação vegetativa tipo Savana com características florísticas e fisionômicas bem típicas e uma pseudoordenação no extrato arbóreo lenhoso e espinhoso, sobre um denso tapete gramíneo-lenhoso de hemicriptófitos e caméfitos. Na formação de mata ciliar constata-se uma maior variedade arbórea, onde foram demarcados e amostrados quatro pontos de coleta. Foram coletados talos foliáceos, fruticulosos e crostosos, sendo que o grupo morfológico dos foliáceos apresentou maior dispersão, com exemplares pertencentes aos gêneros: Physcia; Parmotrema; Canoparmelia; Candelaria; Rimelia; Mielochroa; Canomaculina; Punctelia e Flavoparmelia. Do grupo morfológico fruticuloso os gêneros: Ramalina, Teloschistes e Usnea. Os talos crostosos coletados são pertencentes aos gêneros: Lecanora, Graphis, Ochrolechia e Caloplaca. As espécies de fungos liquenizados são notadas repetidamente nas mesmas espécies de forófitos, Acanthosyris spinecens (Martius et Eichler) Grisebach, Aloisa gratissima (Gillies ex Hook) Tronc., Acacia caven (Mol.) Mol., Eritrina crista-galli L., Prosopis nigra (Griseb.) Hiron, Prosopis affinis Spreng., Sapium longifolium (Müll.Arg.) Huber. e Allophylus edulis (St.Hil.) Radlkofer. Palavras-chave: fungos, liquens, forófitos, mata ciliar, sul do Brasil.
Seção
Artigos