“Se ela é não-binária, por que se referem no feminino?”: um corpo estranho em disputa

Ronaldo Cesar Henn, Marlon Santa Maria Dias

Resumo


O artigo analisa os sentidos sobre as concepções de gênero oriundos do caso envolvendo um crime contra uma pessoa não binária. O mapeamento é feito em 1512 comentários de leitores em duas publicações referentes ao caso no Facebook – uma do jornal O Globo e outra do programa televisivo Fantástico. Por meio da Análise de Construção de Sentidos em Redes Digitais, metodologia para o estudo de ciberacontecimentos, constatou- -se a emergência de sete constelações de sentido: alteridade e reconhecimento; deboche; caráter pedagógico; enfoque no crime e deslegitimação do gênero; desqualificação do jornalismo; desejo de morte; e normalização. Orientados pela cristalização de construções histórico-culturais sobre o gênero, os sentidos identificados potencializam os processos de desumanização de corpos dissidentes à norma cisgênera e heterossexual.


Palavras-chave


Ciberacontecimento. Jornalismo. Gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


AMIN, Julia; QUEIROGA, Louise. Estudante da Uerj está desaparecido desde a madrugada de domingo. O Globo, 30 abr. 2018. Disponível em: https://glo.bo/2FKX7PV. Acesso em: 15 mar. 2019.

BONETTI, Alinne de Lima. Gênero, poder e feminismos: as arapiracas pernambucanas e os sentidos de gênero da política feminista. Labrys, v. 20, p. 41-51, 2011. Disponível em: https://bit.ly/2I3uRJC. Acesso em: 15 maio 2018. https://doi.org/10.21669/tomo.v0i12.461

BUTLER, Judith. Bodies that matter: on the discursive limits of sex. New York: Routledge, 1993.

BUTLER, Judith. Vida precária. Contemporânea, São Carlos, n.1, p. 13-33, jan.-jun. 2011.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CRIME NO RIO DE JANEIRO tem como alvo pessoa não binária. Fantástico, 13 maio 2018. Disponível em: https://glo.bo/2CNKyRK. Acesso em: 10 jul. 2018.

FANTÁSTICO. O que é ser não-binário? Rio de Janeiro, 13 maio 2018. Facebook: Fantastico. Disponível em: https://www.facebook.com/Fantastico/posts/1678237698880670. Acesso em: 10 jun. 2018. https://doi.org/10.5565/rev/brumal.538

FISCHER, Rosa Maria Bueno. O dispositivo pedagógico da mídia: modos de se educar na (e pela) TV. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 151-162, 2002. https://doi.org/10.1590/s1517-97022002000100011

FRAGOSO, Suely; RECUERO, Raquel; AMARAL, Adriana. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2011.

GABE PASSARELI. Perfil pessoal. 29 de abril de 2018. Facebook: gabepassareli. Disponível em: https://www.facebook.com/gabepassareli/posts/10216318681669119. Acesso em: 15 maio 2018.

GOMES, Mayra Rodrigues. Jornalismo e filosofia da comunicação. São Paulo: Escrituras Editora, 2004.

HALL, Stuart e outros. A produção social das notícias: o “mugging” nos media. In: TRAQUINA, Nelson (org.). Jornalismo: questões, teorias e estórias. 2. ed. Lisboa: Vega, 1999, p. 224-248.

HENN, Ronaldo. O ciberacontecimento. In: VOGEL, Daisy; MEDITSCH, Eduardo; SILVA, Gislene (org.). Jornalismo e acontecimento: tramas conceituais. Florianópolis: Insular, 2013, v. 4, p. 31-48.

HENN, Ronaldo; MACHADO, Felipe V. O corpo como acontecimento semiótico: construções do self, performances e outras semiosis. Intexto, Porto Alegre, n. 37, p. 215-226, 2016. https://doi.org/10.19132/1807-8583201637.215-226

HENN, RonaldoPILZ, Jonas; MACHADO, Felipe V. K. Celebração do casamento igualitário e homofobia nas redes digitais: #LoveWins na disputa de sentidos oriundos da apropriação da Havaianas. E-compós, v. 21, n. 1, p. 1-20, jan.-abr. 2018. https://doi.org/10.30962/ec.v21i1.1400

LOTMAN, Iuri. La semiosfera. Madri: Catedra, 1996.

LOURO, Guacira Lopes. Currículo, gênero e sexualidade. O “normal”, o “diferente e o “excêntrico”. In: LOURO, Guacira; NECKEL, Jane Felipe; GOELLNER, Silvana V. (org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 41-51. https://doi.org/10.9771/2317-1219rf.v12i11.2771

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MATHEUSA. Cartografia Social do Crescimento e Desenvolvimento. Disponível em: https://bit.ly/2Wy3LON. Acesso em: 20 mar. 2019

MESQUITA, Lígia. ‘A gente não pode naturalizar o sofrimento’, diz irmã de Matheusa Passareli, trans morta no Rio. BBC Brasil, Rio de Janeiro, 9 maio 2018. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-44028880. Acesso em: 15 maio 2018.

MEYER, Dagmar Estermann. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, Guacira; NECKEL, Jane Felipe; GOELLNER, Silvana V. (org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 9-27.

MISKOLCI, Richard. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, ano 11, n. 21, p. 150-182, jan.-jun. 2009. https://doi.org/10.1590/s1517-45222009000100008

O GLOBO. Polícia encontra fragmentos de ossos em comunidade onde Matheusa desapareceu. Rio de Janeiro, 15 maio 2018. Facebook: jornaloglobo. Disponível em: https://www.facebook.com/jornaloglobo/posts/2102429089796759. Acesso em: 10 jun. 2018.

PASSARELI, Gabe. Facebook, 2018. Disponível em: https://www.facebook.com/GabrielPassareli/posts/10216374013532381. Acesso em: 15 maio 2018.

QUÉRÉ, Louis. Entre facto e sentido: a dualidade do acontecimento. Trajectos. Revista de Comunicação, Cultura e Educação, Lisboa, n. 6, p. 59-75, 2005.

RECUERO, Raquel; BASTOS, Marco; ZAGO, Gabriela. Análise de redes para mídia social. Porto Alegre: Sulina, 2015.

RESENDE, Fernando. A narratividade do discurso jornalístico – A questão do outro. Rumores, São Paulo, n. 6, p. 1-12, set.-dez. 2009. https://doi.org/10.11606/issn.1982-677x.rum.2009.51173

ROSALDO, Michelle. O uso e o abuso da antropologia: reflexões sobre o feminismo e o entendimento intercultural. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, ano 1, n. 1, p. 10-36, 1995.

STOCKER, Pamela; DALMASO, Silvana. A cultura do estupro entra na pauta: a disputa de sentido entre jornalismo e leitores do Diário Gaúcho. Brazilian Journalism Research, v. 14, n. 1, p. 256-281, 2018.

VEIGA DA SILVA, Marcia. Masculino, o gênero do jornalismo: modos de produção das notícias. Florianópolis: Insular, 2014. https://doi.org/10.22409/rg.v18i1.1047




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-3729.2019.3.33922

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Métricas por PLOS ALM. Dados disponíveis somente após 12/2014.


ISSN-L: 1415-0549 | e-ISSN: 1980-3729


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.