Os embates em torno do “politicamente correto” na publicidade

Laura Wottrich

Resumo


O texto enfrenta o debate em torno do “politicamente correto” nas articulações entre o campo publicitário e a sociedade. Mais do que uma expressão cristalizada, o “politicamente correto” se origina em um debate encetado por diferentes perspectivas de estudo (discursivas, culturais, midiáticas), cujos desdobramentos são importantes para refletir sobre as configurações da publicidade contemporânea e os modos como os sujeitos relacionam-se com ela. O debate é acionado a partir de análise de conteúdo qualitativa sobre os tensionamentos em torno da temática no cenário social brasileiro, no período de 2005 a 2015. O assunto foi um dos três principais mobilizadores entre o campo publicitário e a sociedade nesse ínterim; acionou posições em torno da censura e da liberdade de expressão pelo viés do campo publicitário, e expressou demandas por reconhecimento, em especial, em torno das representações sobre as mulheres junto à sociedade. O “politicamente correto” se configura, nesse contexto, um mecanismo discursivo de disputas em torno das representações que a publicidade faz circular.


Palavras-chave


Politicamente correto. Publicidade. Práticas de contestação.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Mariana. Onda politicamente correta matou a liberdade criativa, diz Olivetto. Mercado, Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 set. 2014. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2014/09/1517161-onda-politicamente-correta-matou-a--liberdade-criativa-diz-olivetto.shtml. Acesso em: 18 ago. 2016.

BOLETIM DO CONAR. São Paulo: CONAR, n. 195, nov. 2011.

BOLETIM DO CONAR. São Paulo: CONAR, n. 208, nov. 2015.

BOLETIM DO CONAR. São Paulo: CONAR, 2012. Disponível em: http://www.conar.org.br/. Acesso em: 9 dez. 2019.

BOLETIM DO CONAR. São Paulo: CONAR, 2005. Disponível em: http://www.conar.org.br/. Acesso em: 9 dez. 2019.

BOLETIM DO CONAR. São Paulo: CONAR, 2006. Disponível em: http://www.conar.org.br/. Acesso em: 9 dez. 2019.

BORGES, L. A busca do inencontrável: uma missão politicamente (in)correta. Cadernos de estudos linguísticos, São Paulo, n. 31, p. 109-125, 1996.

CABRAL, N. Mobilizações discursivas da categoria ‘politicamente correto’: um mapa dos sentidos que emergem no jornalismo. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) –Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. https://doi.org/10.11606/d.27.2015.tde-25112015-110230

CENP em REVIST A. São Paulo: CENP, n. 44, 2015.

CYMBALUK, Fernando. Internautas acusam propaganda da Nova Schin de incentivar violência sexual contra mulher. Cotidiano, UOL, São Paulo, 2 ago. 2012. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2012/08/02/internautas--protestam-contra-propaganda-da-nova-schin-e-dizem-que-peca-incentiva-violencia-sexual-contra-mulher.htm. Acesso em: 13 mar. 2016. https://doi.org/10.22533/at.ed.96919030911

DIP, Andrea. Machismo é a regra da casa. JusBrasil, 2016. Disponível em: https://csalignac.jusbrasil.com.br/noticias/354312833/machismo-e-a-regra-da-casa. Acesso em: 6 set. 2016.

FREIRE, Raquel. Conheça cinco campanhas acusadas de fazer uso machista do Photoshop. Notícias, Tech Tudo, 3 mar. 2013. Disponível em: http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2013/03/conheca-cinco-propagandas-acusadas-de-fazer-uso-machista-do-photoshop.html. Acesso em: 13 mar. 2016. https://doi.org/10.11606/d.5.2009.tde-03062009-092920

GODOY, Hélio. Documentary realism, sampling theory and peircean semiotics: electronic audiovisual signs (analog or digital) as indexes of reality. Doc On-line #2. p. 107-117, 2007. Disponível em: file:///H:/PDF/Documentary_Realism_Sampling_Theory_and_Peircean_S.pdf. Acesso em: 15 mar. 2019.

HALL, S. Some “politically incorrect” pathways through PC. In: DUN ANT , S (ed.). The war of the words: the political correctness debate. Londres: Virago, 1994. p. 164-183.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Atlas da Violência 2019. Rio de Janeiro: IPEA, 2019. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/190605_atlas_da_violencia_2019.pdf. Acesso em: 12 set. 2019. https://doi.org/10.17013/risti.23.103-118

JANINE RIBEIRO. R. Aqui não tem PC. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. 3-5, mar. 1992.

LEITE, F. Comunicação e cognição: os efeitos da propaganda contra-intuitiva no deslocamento de crenças e estereótipos. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, 2008.

MARTÍN-BARBERO, J. Tecnicidades, identidades, alteridades: mudanças e opacidades da comunicação do novo século. In: MORAES, D. (Org.) Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006.

MEIRA, Ricardo. Propaganda que marcou época - Valisère, “O Primeiro Sutiã a Gente Nunca Esquece.”. DR. ZEM, 8 maio 2009. Disponível em: http://www.drzem.com.br/2009/05/propaganda-que-marcou-epoca-valisere-o.html. Acesso em: 15 mar. 2016.

MÍDIA DADOS BRASIL. São Paulo: Grupo de Mídia, 2010.

OROZCO GÓMEZ, G. Comunicação social e mudança tecnológica: um cenário de múltiplos desordenamentos. In: MORAES, D. (org.). Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006.

OROZCO GÓMEZ, G. El mensaje de la televisión mexicana en los noventas. Un análisis axiológico de la programación de los canales. México: Universidad Iberoamericana, 1993. https://doi.org/10.5209/esmp.54237

OXFAM BRASIL. País estagnado: um retrato das desigualdades brasileiras, 2018. Disponível em: https://oxfam.org.br/um-retrato-das-desigualdades-brasileiras/pais-estagnado/. Acesso em: 17 out. 2019. https://doi.org/10.11606/d.96.2016.tde-12072016-110722

PIEDRAS, E. R. Fluxo publicitário: anúncios, produtores e receptores. Porto Alegre: Sulina, 2009.

PLANO FEMININO [site institucional]. Disponível em: http://planofeminino.com.br/. Acesso em: 18 fev. 2016.

POSSENTI, S.; BARONAS, R. L. A linguagem politicamente correta no Brasil: uma língua de madeira? Polifonia, Cuiabá, v. 12, n. 12 (2), 2006.

REDAÇÃO ADNEWS. 10 Campanhas consideradas machistas lançadas em 2014. Adpublicidade, ADNEWS, 2 maio 2016. Disponível em: https://adnews.com.br/adpublicidade/10-campanhas-consideradas-machistas-lancadas-em-2014/. Acesso em: 12 dez. 2015.

SCABIN, Nara Lya Cabral. Discursos circulantes no debate público sobre a categoria “politicamente correto”: argumentos em disputa. Parágrafo, v. 4, n. 1, p. 146-155, 2016.

SIMON, Cris. Marca de camisinha retira anúncio do Facebook após polêmica. Marketing, Exame, São Paulo, 31 jul. 2012. Disponível em: http://exame.abril.com.br/marketing/marca-de-camisinha-retira-anuncio-do-facebook-apos-polemica/. Acesso em: 13 mar. 2016. https://doi.org/10.11606/d.6.2011.tde-07102011-113848

SOARES, L. Politicamente correto: o processo civilizador segue seu curso. In: PINT O, P; MAGRO, C; SANT OS, E; GUIMARÃES, L. (org.). Filosofia analítica, pragmatismo e ciência. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

V CONGRESSO DA INDÚST RIA DA COMUN ICAÇÃO, 2012. Disponível em: http://www.abap.com.br/pdfs/vcongresso.pdf. Acesso em: 10 fev. 2016.

WEINMANN , A.; CULAU, F. V. Notas sobre o politicamente correto. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 628-645, 2014. https://doi.org/10.12957/epp.2014.12663

WOTTRICH, Laura. “Não podemos deixar passar”: práticas de contestação da publicidade no início do século XXI. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação/UFRGS, Porto Alegre, 2017. https://doi.org/10.5216/cei.v15i1.22502

WOTTRICH, Laura. “A gente não vai deixar ninguém passar”: os embates de gênero nas práticas de contestação da publicidade. In: FREIRE, Milena. Publicidade e gênero: representações e práticas em questão. Santa Maria (RS): FACOS UFSM, 2019a.

WOTTRICH, Laura. Publicidade em xeque: práticas de contestação dos anúncios. Porto Alegre: Sulina, 2019b.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-3729.2019.3.33884

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Métricas por PLOS ALM. Dados disponíveis somente após 12/2014.


ISSN-L: 1415-0549 | e-ISSN: 1980-3729


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.