Os conflitos entre a diplomacia e os comerciantes britânicos sobre o tráfico negreiro brasileiro (1826-1850)

João Daniel Antunes Cardoso do Lago Carvalho

Resumo


Os historiadores, ao longo das décadas, têm se debruçado sobre o tema da presença inglesa no Brasil e a sua atuação na erradicação do tráfico negreiro para o império. O objetivo do texto é analisar os conflitos de interesses entre os comerciantes ingleses no Brasil e a diplomacia de Londres na questão do tráfico de escravos africanos, apontando caminhos para uma análise mais meticulosa e crítica da ideia de uma Inglaterra unida contra o comércio de africanos. O artigo está dividido em quatro partes. A primeira parte será uma contextualização historiográfica sobre a atuação da Inglaterra e do governo britânico no Brasil do século XIX, apresentando uma plêiade de textos que tratam sobre o tema e de como eles foram exitosos ou não em resolver o problema dos ingleses no Brasil. Na segunda parte será demonstrando um exemplo de fonte documental que trata do assunto em questão. Na terceira, serão apontados caminhos teórico-metodológicos para uma melhor análise das disputas de poder entre os ingleses no Brasil, além de mais fontes documentais. E, finalizando, a última parte funcionará como uma tentativa de conclusão e harmonização do que foi apresentado ao longo do texto.


Palavras-chave


Inglaterra. Brasil. Tráfico de escravos.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRUDA, José Jobson de Andrade. Uma colônia entre dois Impérios. A abertura dos portos brasileiros 1800-1808. Bauru: EDUSC, 2008.

BETHELL, Leslie. A abolição do comércio brasileiro de escravos. Brasília: Senado Federal/Conselho Editorial, 2002.

BETHELL, Leslie. O Brasil no século XIX: parte do “império informal britânico”? In: CARVALHO, José Murilo de; CAMPOS, Adriana Pereira (org.). Perspectivas da cidadania no Brasil Império. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011. p. 15-36.

CARDOSO, José Luís. Leitura e interpretação do Tratado de Methuen: balanço histórico e historiográfico. In: CARDOSO, José Luís. et. al. O Tratado de Methuen. Diplomacia, guerra, política e economia. Lisboa: Livros Horizonte, 2003. p. 11-29.

CARVALHO, João Daniel Antunes Cardoso do Lago. Uma lei “para britânico lamentar”: A lei de 7 de novembro de 1831 e o fim da preeminência inglesa no Brasil (1822-1850). Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Salgado de Oliveira, Niterói, 2013.

CONRAD, Robert. Tumbeiros. O tráfico de escravos para o Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1985.

COSTA, Leonor et al. O Tratado de Methuen (1703). Diplomacia, Guerra, Política e Economia. Lisboa: Livros Horizonte, 2006.

DAVIS, David Brion. The problem of slavery in the age of revolution 1770-1823. New York/Oxford: Oxford University Press, 1999.

DRESCHER, Seymour. Econocide: British slavery in the era of abolition. 2. ed. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2010.

FAIRCLOGH, Norman. Discurso e mudança social. Tradução de Izabel Magalhães. Brasília: Ed. UnB, 2001.

FLORENTINO, Manolo. Em Costas Negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.

FREYRE, Gilberto. Ingleses no Brasil. Aspectos da influência britânica sobre a vida, a paisagem e a cultura do Brasil. Rio de Janeiro: Topbooks, 2000.

GUIMARÃES, Carlos Gabriel. O Comittee de 1808 e a defesa dos interesses ingleses com a Corte no Brasil. In: CARVALHO, José Murilo de (org.). Nação e cidadania no Império. Novos horizontes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, pp. 371-393.

GUIMARÃES, Carlos Gabriel. A presença inglesa nas finanças e no comércio no Brasil Imperial. Os casos da Sociedade Bancária Mauá, MacGregor & Co. (1854-1866) e da firma inglesa Samuel Phillips & Co (1808-1840). São Paulo: Alameda, 2012.

GUIMARÃES, Carlos Gabriel. A presença inglesa no Império Brasileiro: a firma Edward Johnston & Co. e o comércio exportador, 1842-1852. Tempo, Niterói, p. 187-207, 2015. https://doi.org/10.1590/tem-1980-542x2015v213705

GINZBURG, Carlo. Nenhuma ilha é uma ilha. Quatro visões da literatura inglesa. Tradução de Samuel Titan Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes. O cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. Tradução de Maria Betânia Amoroso, José Paulo Paes e Hilário Franco Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GINZBURG, Carlo. Medo, reverência, terror. Quatro ensaios de iconografia política. Tradução de Frederico Carotti, Joana Angélica D’Avila Melo e Júlio Castañon Guimarães. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

GUIZELIN, Gilberto da Silva. Comércio de almas & política externa. A diretriz atlântico- -africana da diplomacia imperial brasileira, 1822-1856. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2011.

INIKORI, Joseph E.; ENGERMAN, Stanley (org.). The atlantic slave trade: Effects on economies, societies, and people in Africa, the Americas and Europe. Durhan/London: Duke University Press, 1998.

MANCHESTER, Alan K. Preeminência inglesa no Brasil. Tradução de Janaína Amado. São Paulo: Brasiliense, 1973.

NOVAIS, Fernando. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808). 5. ed. São Paulo: Hucitec, 1989.

PARRON, Tâmis Peixoto. A política da escravidão no Império do Brasil, 1826-1865. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

PEIXOTO, Rafael Cupello. O poder e a lei. O jogo político no processo de elaboração da “lei para inglês ver” (1826-1831). Dissertação (Mestrado em História) -Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2013.

PENHA, Ana Lúcia Nunes. Nas águas do canal. Política e poder na construção do canal Campos-Macaé. (1835-1875). Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

RIBEIRO, Alan dos Santos. “The leading commission-house of Rio de Janeiro”. A firma Maxwell, Wright & Co. no comércio do Império do Brasil (c.1827 – c.1850). Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014.

RODRIGUES, Jaime. O infame comércio. Propostas e experiências no final do tráfico de africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas: Unicamp/CECULT, 2000.

SHERWOOD, Marika. After abolition: Britain and the slave trade since 1807. Londres: I. B. Tauris, 2007.

SILVA, Camila Borges da. O símbolo indumentário. Distinção e prestígio no Rio de Janeiro (1808-1821). Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura/Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 2010.

SOLOW, Barbara (org.). Slavery and the rise of the Atlantic System. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

TAVARES, Luís Henrique Dias. Comércio proibido de escravos. São Paulo: Ática, 1988. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i28p37-52

TOMICH, Dale W. Pelo prisma da escravidão. Trabalho, capital e economia mundial. São Paulo: Edusp, 2011.

WILLIANS, Eric. Capitalismo & escravidão. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Fontes documentais

BRASIL. Relatório apresentado à Assembleia Geral Legislativa pelo Ministro e Secretário D’Estado dos Negócios Estrangeiros na Sessão Ordinária de 1833. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1833. Center for Research Libraries. Disponível em: http://www-apps.crl.edu/brazil. Acesso em: 11 maio 2017.

BIOGRAFIA de Manuel da Silva Lisboa. My Heritage DNA. Disponível em: www.myheritageimages.com. Acesso em: 20 maio 2017.

Ofício nº 20, de dois de setembro de 1835, de Miguel Maria Lisboa para Manuel Alves Branco. Arquivo Histórico do Itamaraty. Missões Brasileiras em Londres. Código 216/1/15.

JORNAL do Commercio (RJ). Vol. 1, nº 18, 25 de janeiro de 1830. Fundação Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital. Disponível em: http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital. Acesso em: 10 nov. 2016.

JORNAL do Commercio. V. 4, n. 290, de 24 de setembro de 1828. Fundação Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital. Disponível em: http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital. Acesso em: 08 out 2016.

DESPACHO de maio de 1829, de Lord Ponsomby para o Earl of Aberdeen. Foreign Office. Slave Trade Department and successors – General Correspondence before 1906. The National Archives. Kew Gardens, Londres. Código: FO 84/95. Plataforma Discovery. Disponível em:

http://discovery.nationalarchives.gov.uk. Acesso em: 13 abr. 2016.

DESPACHO de 27 de junho de 1829, de Lord Ponsomby para o Earl of Aberdeen. Foreign Office. Slave Trade Department and successors – General Correspondence before 1906. The National Archives. Kew Gardens, Londres. Código: FO 84/95. PLATAFORMA DISCOVERY.

http://discovery.nationalarchives.gov.uk. Acesso em: 12 abr. 2016.

CARTA de Lei de 23 de novembro de 1826. In: CÂMARA FEDERAL DO BRASIL. Coleção de Leis do Império do Brasil de 1826. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1880.

STURZ, J. J. A review, financial, statistical and commercial, of the Empire of Brazil and its resources: together with a suggestion of the expediency and mode of admitting Brazilian and other foreign sugar into Great Britain for refining and exportation. London: Effingham Wilson, Royal Exchange, 1837.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/21778-3748.2019.1.30651

e-ISSN: 2178-3748

 

Avaliação do Qualis CAPES 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - B3


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

 

 


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS