Contra os filhos do Império Celeste: a visão de Angelo Agostini em relação ao imigrante chinês

Maysa Silva Oliveira

Resumo


O propósito deste artigo é analisar a visão do italiano Angelo Agostini sobre a hipótese da imigração chinesa no Brasil, por meio de suas charges publicadas na Revista Ilustrada. Mesmo sabendo que o uso da mão de obra dos chineses tinha sido bem-sucedida em países como Cuba, Estados Unidos e Peru, ela ainda era um entrave por aqui. Ainda que poucos chineses tenham vindo para nosso País, essa aceitação ocorria com um fato curioso: ela tinha caráter transitório, ou seja, depois de anos de trabalho, o imigrante do Império Celeste tinha de voltar para casa. Esse caráter transitório parece ter acalmado os nervos de uma elite que tinha como objetivo obter mão de obra barata e branca, pois evitava que eles permanecessem no Brasil. Essa característica discriminatória das elites foi muito discutida, principalmente durante o Congresso Agrícola de 1878, no Rio de Janeiro, A Revista Illustrada, meio de comunicação impresso existente em fins do século XIX, demonstrou a posição de Angelo Agostini acerca do tema. Por isso, teremos como fonte da análise da questão, as charges publicadas nela. A partir de então, teremos uma base concisa para analisarmos os trabalhos de Agostini sob o prisma da imigração asiática.


Palavras-chave


Imigração. Chineses. Angelo Agostini.

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINI, Ângelo. Preto e Amarello. Revista Illustrada, Rio de Janeiro, n. 258, jul. 1881.

AGOSTINI, Ângelo. A questão chinesa (cont.). Revista Illustrada, Rio de Janeiro, n.175, 1879, p.5.

AGOSTINI, Ângelo. O novo sol. Revista Illustrada, Rio de Janeiro, n. 154, 1879, Capa, IEB-USP, apud DEZEM, R. Matizes do “amarelo”: a gênese dos discursos sobre os orientais no Brasil (1878-1908). São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2005.

AGOSTINI, Ângelo. Os chins como transição. Revista Illustrada, Rio de Janeiro, n. 120, 1878. p. 8. IEB-USB, apud DEZEM, R. Matizes do “amarelo”: a gênese dos discursos sobre os orientais no Brasil (1878-1908). São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2005.

AGOSTINI, Ângelo. Preto e Amarello. Revista Illustrada. n. 258, Rio de Janeiro, 1881, Capa, IEB-USP, apud DEZEM, R. Matizes do “amarelo”: a gênese dos discursos sobre os orientais no Brasil (1878-1908). São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2005.

AZEVEDO, Celia M. M. de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites, século XIX. São Paulo: Annablume, 1987.

BALABAN, Marcelo. Poeta do lápis: a trajetória de Angelo Agostini no Brasil Imperial – São Paulo e Rio de Janeiro 1864-1888. Tese (Doutorado em História) – IFCH, UNICAMP, Campinas, 2005.

BALABAN, Marcelo. Poeta do lápis: sátira e política na trajetória de Angelo Agostini no Brasil Imperial(1864-1888). Campinas, SP: Editora da Unicamp.

BASSETTO, Sylvia. Política de mão-de-obra na economia cafeeira do oeste paulista (período de transição). Tese de Doutoramento. São Paulo, FFLCH/USP, 1982.

BEIGUELMAN, Paula. O Encaminhamento Político do Problema da Escravidão no Império. In: Holanda, Sergio Buarque de. (coord.). História Geral da Civilização Brasileira – O Brasil Monárquico: reações e transações, Tomo II, 5º Volume. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

CONGRESSO AGRÍCOLA: edição fac-similar dos anais do Congresso Agrícola, realizado no Rio de Janeiro em 1878. Introdução e notas de José Murilo de Carvalho. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1988.

CONRAD, Robert. Os Últimos anos da escravatura no Brasil: 1850-1888.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

CONRAD, Robert. The planter class and the debate over chinese immigration to Brazil, 1850-1893. International Migration Review. Nova York, v. IX, n. 1, 1975. https://doi.org/10.2307/3002529

COSTA, Emília Viotti da. Da senzala à colônia. 3. ed. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

DEMONSTRAÇÃO das conveniencias e vantagens á lavoura no Brasil pela introdução dos trabalhadores asiaticos da China. Rio de Janeiro: Typographia de P. Braga & C,1877.

DE PINHO BARREIROS, Daniel. O fracasso do trabalho assalariado na agricultura fluminense: diplomacia, capitalismo e a imigração asiática (década de 1890). História Econômica & História de Empresas, v. 19, n. 1, 2016. https://doi.org/10.29182/hehe.v19i1.396

DEZEM, R. Matizes do “amarelo”: a gênese dos discursos sobre os orientais no Brasil (1878-1908). São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2005.

DO LAGO, Luiz Aranha Corrêa. Da escravidão ao trabalho livre–Brasil, 1550-1900. Editora Companhia das Letras, 2014.

Don Quixote, Rio de Janeiro, n. 163, ano IX, p. 2-3, 15 set. 1903.

DRESCHER, Seymour. A abolição brasileira em perspectiva comparativa. História Social, n. 2, p. 115-162, 1995.

DRESCHER, Seymour. Abolição: uma história da escravidão e do antiescravismo. Tradução de Antonio Penalves Rocha. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

ELIAS, Maria José. Os debates sobre o trabalho dos chins e o problema da mão de obra no Brasil durante o século XIX. In: DE PAULA, Eurípedes Simões. Trabalho livre e trabalho escravo: anais do VI Simpósio Nacional dos Professôres Universitários de História. 1973.

ELIAS, Maria José. Introdução ao estudo da imigração chinesa. Anais do Museu Paulista. São Paulo, t. XXIV, 1970.

ELTIS, David. Economic Growth and the Ending of the Transatlantic Slave Trade (Nova York, 1987), apêndice A.

GOMBRICH, E.H. Meditações sobre um cavalinho de pau. E outros ensaios sobre teoria da arte. São Paulo: Edusp, 1999.

GONÇALVES, Paulo C. Mercadores de Braços: riqueza e acumulação na organização da emigração europeia para o Novo Mundo. 1. ed. São Paulo: Alameda Casa Editorial / FAPESP, 2012.

GONÇALVES, Paulo C. Entre o escravo e o trabalhador livre: o tráfico de mão-de-obra no Atlântico-sul e Caribe em meados do oitocentos. In: XXVI SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA: ANPUH 50 Anos, 2011, São Paulo. v. 1. Anais do [...], ANPUH, 2011.

IOTTI, Luiza Horn. Imigração e Colonização: legislação de 1747 a 1915. Caxias do Sul: EDUCS, 2001.

LESSER, Jeffrey. A negociação da identidade nacional: Imigrantes, minorias e a luta pela etnicidade no Brasil. São Paulo: Editora da Unesp. 2001.

LESSER, Jeffrey. A invenção da brasilidade: identidade nacional, etnicidade e políticas de imigração, São Paulo, Editora Unesp, 2015.

LIMA, Herman. História da caricatura no Brasil. J. Olympio Editôra, 1963.

LIMA, José Custódio de Azevedo. EUA Brasil Imigração Chinesa. São Paulo: Typographia a vapor de Jorge Seckler& C. 1886.

LIMA, Silvio Cezar de Souza. Determinismo biológico e imigração chinesa em Nicolau Moreira (1870-1890). Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) – Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, 2005.123 p.

MENDONÇA, Salvador de. Trabalhadores Asiaticos. New York: Typographia do “Novo Mundo”, 1879.

MIANI, Rozinaldo Antonio. As transformações no mundo do trabalho na década de 1990: o olhar atento da charge na imprensa do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista. 2005. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual Paulista, Assis, 2005.

NARO, Nancy Priscilla Smith. Revision and persistence: recent historiography on the transition from slave to free labour in rural Brazil. London: Frank class, Slavery and Abolition, 13, 1992. https://doi.org/10.1080/01440399208575066

NOVAIS, Fernando; MOTTA, Carlos Guilherme. A Independência política do Brasil. São Paulo: Hucitec, 1996.

NOVAIS, Fernando. As Dimensões da Independência. In: MOTA, Carlos Guilherme. 1822: Dimensões, São Paulo: Editora Perspectiva, 1972.

PINHEIRO. João Pedro Xavier. Importação de trabalhadores chins. Memória apresentada ao ministério da agricultura, Commercio e obras publicas e impressa em sua ordem. Rio de janeiro, typographia de João Ignácio da Silva,1869.

RIBEYROLLES, Charles. O Brasil pitoresco. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/Edusp, 1980.

ROMUALDO, Edson Carlos. Charge jornalística: intertextualidade e polifonia: um estudo de charges da Folha de S. Paulo. Maringá: EDUEM, 2000.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SKIDMORE, Thomas E. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Paz e Terra, 1976.

SOUZA. J. Cardoso de Menezes. Theses sobre a colonização do Brasil. Projecto de solução ás questões sociaes, que se prendem a este difícil problema. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1875.

WERNECK, L. P. de L. Ideias sobre a colonização precedidas de uma succinta exposição dos principiosgeraes que regem a população. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemert, 1855.

ZANETTI, V.; PAPALI, M. A.; DEL OLMO, M. J. A. Os Últimos Anos da Escravatura no Brasil: Uma Análise da Contribuição Historiográfica de Robert Conrad. Revista do Mestrado de História, v. 10, n. 1, p. 51-84, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/21778-3748.2019.1.29402

e-ISSN: 2178-3748

 

Avaliação do Qualis CAPES 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - B3


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

 

 


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS