O trabalho do historiador em foco: reflexões sobre a Historik de Johann Gustav Droysen (1808-1884)

Julierme Morais

Resumo


No artigo em voga procuraremos mapear a contribuição da Teoria da História do historiador alemão Johann Gustav Droysen (1808-1884) no processo de cientifização da História no século XIX, bem como refletir sobre a sua atual importância nos estudos históricos. Para tanto, preliminarmente incorremos em uma análise do que ele concebe como História, Método Histórico e Tarefa da Teoria da História. Em seguida, buscamos demonstrar a maneira pela qual ele propõe que se constitua a operação historiográfica, composta pela Metódica, Sistemática e Tópica. Por fim, procuramos tecer considerações finais sobre a efetiva contribuição de Droysen para o debate sobre o ofício do historiador na atual conjuntura da modernidade reflexiva.


Palavras-chave


Teoria da História. Johann Gustav Droysen. Modernidade Reflexiva.

Texto completo:

PDF

Referências


ANKERSMITH, Frank Rudolf. A Escrita da História: a natureza da representação histórica. Londrina: Editora da UEL, 2012.

ASSIS, Arthur Alfaix. Johann Gustav Droysen (1808-1884). In: MARTINS, Estevão de Rezende (org.). A História pensada: teoria e método na historiografia europeia do século XIX. São Paulo: Contexto, 2010. p. 31-36.

ASSIS, Arthur Alfaix. A didática da História de J. G. Droysen: constituição e atualidade. Revista Tempo, Niterói, v. 20, p. 1-18, 2014a. https://doi.org/10.20509/TEM-1980-542X2014v203609

ASSIS, Arthur Alfaix. What is history for? Johann Gustav Droysen and the functions of historiography. Oxford: Berghahn Books, 2014b.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BARROS, José D’Assunção. Droysen: os desdobramentos relativistas do historicismo. In:

BARROS, José D’Assunção. Teoria da História: acordes historiográficos — uma nova proposta para a teoria da História. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. p. 97-128.

BENTIVOGLIO, Julio. Apresentação. In: DROYSEN, Johann Gustav. Manual de Teoria da História. Trad. Sara Baldus e Julio Bentivoglio. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009, p. 1-26.

BENTIVOGLIO, Julio. Cultura política e historiografia Alemã no século XIX: A escola historische Zeitschrift. Revista de Teoria de História, Goiânia, v. 1, p. 20- 58, 2010.

BLOCH, Marc. Apologia da História, ou o oficio do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

CALDAS, Pedro S. P. Que significa pensar historicamente: uma interpretação da teoria da história de Johann Gustav Droysen. 2004. Tese (Doutorado em História) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

CALDAS, Pedro S. P. A atualidade de Johann Gustav Droysen: uma pequena História de seu esquecimento e se suas interpretações. Lócus, Juiz de Fora, v.12, n. 1, p. 95-111, 2006.

CALDAS, Pedro S. P. As dimensões do historicismo: um estudo dos casos alemães. Opsis, Catalão, v. 7, n. 9, p. 47-66, jul.-dez. 2007.

CALDAS, Pedro S. P. Os Fundamentos clássicos da concepção de História de Johann Gustav Droysen: Esboço de uma investigação. Liber Intellectus, Jaguariúna, v. 1, p. 1-18, 2007.

CALDAS, Pedro S. P. Uma dificuldade no caminho do historicismo: uma leitura de Droysen com filtro marxista. In: ARAUJO, V. L.; MATA, S. R.; MOLLO, H. M.; VARELLA, F. F. (org.). A dinâmica do historicismo: revisitando a historiografia moderna. Belo Horizonte: Argumentum, 2008. p. 107-124.

CALDAS, Pedro S. P. Hans-Georg Gadamer e a Teoria da História. Dimensões, Vitória, v. 24, p. 55-74, 2010.

CALDAS, Pedro S. P. Johann Gustav Droysen (1808–1884). In: PARADA, Maurício (org.). Os historiadores clássicos da História: de Tocqueville a Thompson. Rio de Janeiro: PUC-Rio; Petrópolis: Vozes, 2013. p. 36-55.

CERTEAU, Michel de. A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2007.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a História entre incertezas e inquietude. Tradução de Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2002.

CROCE, Benedetto. História, pensamento e ação. Tradução de Darcy Damasceno. Rio de Janeiro: Zahar, 1964.

DILTHEY, Wilhelm. A construção do mundo histórico nas Ciências Humanas. São Paulo: UNESP, 2010.

DOSSE, François. A História em Migalhas. São Paulo: Ensaio, Campinas, SP: Editora Universidade Estadual de Campinas, 1992.

DROYSEN, Johann Gustav. Historik – Rekonstruktion der ersten vollständigen Fassung der Vorlesungen (1857). Peter Leyh (rrg). Stuttgart, Bad-Canstatt: Fromann-Holzboog, 1977.

DROYSEN, Johann Gustav. Manual de Teoria da História. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método. 3. ed. Tradução: Flávio Paulo Meurer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. 2 v.

GUERRA, Francesco. Riflessioni sul prussianesimo di Johann Gustav Droysen. Ricerche di Storia Politica, Bologna, v. 16, p. 59-70, 2013

GERVINUS, Georg. Fundamentos de teoria de História. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. Tradução de Raul Fiker. São Paulo: Editora da Unesp, 1991.

GIDDENS, Anthony. et. al. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social Moderna. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Editora da Unesp,1997.

GINZBURG, Carlo. Relações de Força. História, retórica, prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros. Verdadeiro, falso, fictício. Trad. Eduardo Brandão e Rose Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

JENKIS, Keith. A istória repensada. São Paulo: Contexto, 2001.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; Editora PUC Rio, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. O conceito de História. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. 6. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2000.

MARTINS, Estevão de Rezende. Historicismo: tese, legado, fragilidade. História Revista, Goiânia, v. 7, n. 1/2, jan./dez. 2002, p. 1-22. https://doi.org/10.5216/hr.v7i1.10480

MARTINS, Estevão de Rezende. Historicismo: o útil e o desagradável. In: ARAUJO, Valdei Lopes de; MOLLO, Helena Miranda; VARELLA, Flávia Florentino; MATA, Sérgio Ricardo da (org.). A dinâmica do historicismo: revisitando a historiografia moderna. Belo Horizonte, MG: Agvmentvm, 2008.

MARTINS, Estevão de Rezende. Introdução: o renascimento da História como ciência. In: MARTINS, Estevão de Rezende. (org.). A História pensada: teoria e método na historiografia europeia do século XIX. São Paulo: Contexto, 2010. p. 7-14.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Trad. Constança Marcondes Cesar. Campinas, SP: Papirus, 1994, 3 t.

RÜSEN, Jörn. Begriffene Geschichte: Genesis und Begründugn der Geschichtstheorie J. G. Droysens. Paderborn: Schöningh, 1969.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica: teoria da História I: os fundamentos da ciência histórica. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. da UNB, 2010a.

RÜSEN, Jörn. Reconstrução do passado: teoria da História II: os princípios da pesquisa histórica. Trad. Asta-Rose Alcaide e Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. da UNB, 2010b.

RÜSEN, Jörn. História viva: teoria da História III: formas e funções do conhecimento histórico. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. da UNB, 2010c.

SAMMER, Renata. A ética historista de J. G. Droysen. 2012. Dissertação (Mestrado em História) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

SIMIAND, François. Método histórico e ciência social. Tradução de José Leonardo do Nascimento. Bauru/SP: Edusc, 2003.

SILVA, Luiz Sérgio Duarte da. Droysen: A fundamentação da ciência da História pela via de produção de uma antropologia histórica. História Revista, Goiânia, v. 7, n. 1/2, p. 151- 156, jan./dez. 2002.

VEYNE, PAUL. Como se escreve a História: Foucault revoluciona a História. 4. ed. Brasília: Editora da UnB, 2008.

WHITE, Hayden. Meta-História: a imaginação histórica do século XIX. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/21778-3748.2019.1.28546

e-ISSN: 2178-3748

 

Avaliação do Qualis CAPES 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - B3


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

 

 


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS