Saias e blusas: invenções para aprender a multiplicar com a Matemática Moderna

Elisabete Zardo Búrigo, Nícolas Giovani da Rosa, Mayara Becker Oliveira da Silva

Resumo


O artigo apresenta uma investigação sobre uma experiência de inovação de ensino de matemática registrada em um caderno de uma aluna que frequentou o segundo ano do curso primário do Instituto de Educação General Flores da Cunha, na cidade de Porto Alegre, no ano de 1968. Trata-se de uma abordagem da multiplicação inspirada no conceito de produto cartesiano de conjuntos e orientada para o que é denominado, atualmente, pensamento combinatório. A instituição, dedicada à formação de professores primários, ofereceu um Curso de Didática da Matemática Moderna na Escola Primária desde 1966. Por meio do cruzamento de fontes diversas, a pesquisa identifica as conexões entre a experiência registrada no caderno, os estudos promovidos no Curso e as publicações de autores engajados no movimento da Matemática Moderna. Também são tecidas considerações sobre o currículo praticado naquela escola, sobre o poder criativo da cultura escolar e sobre as ressonâncias da Matemática Moderna nas produções correntes sobre o ensino de Matemática para os anos iniciais da escolarização.


Palavras-chave


História da Educação. Acervos escolares. Ensino primário. Formação de professores. Pensamento combinatório.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, I. Metodologia da matemática. Rio de Janeiro: Conquista, 1951.

ALVES, N.; OLIVEIRA, I. B. Uma história da contribuição dos estudos do cotidiano escolar ao campo do currículo. In: LOPES, A. C.; MACEDO, E. (Orgs.). Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002. p. 78-102.

BARBOSA, R. M. Matemática, metodologia e complementos para professores primários. Aritmética teórico-prática. v. 1. São Paulo: LPM, 1966.

BONFADA, E. M. A matemática na formação das professoras normalistas: o Instituto de Educação General Flores da Cunha em tempos de matemática moderna. 2018. Dissertação (Mestrado em Ensino de Matemática) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

BONJORNO, J. R.; AZENHA, R.; GUSMÃO, T.; RIBEIRO, M. Malabares: alfabetização matemática. São Paulo: FTD, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos /pdf/livro03.pdf. Acesso em: 30 mar. 2019.

BÚRIGO, E. Z. A Matemática Moderna na UFRGS: o protagonismo dos professores da universidade. In: FLORES, C.; ARRUDA, J. P. (org.). A matemática moderna nas escolas do Brasil e Portugal. São Paulo: Annablume, 2010. p. 89-116.

BÚRIGO, E. Z. Exposé moderne des mathématiques élémentaires: quando uma obra precede sua autora. Zetetiké, Campinas, n. 27, p. 1-16, 2019. https://doi.org/10.20396/zet.v27i0.8654365

BÚRIGO, E. Z.; PEIXOTO, F. A. B. Aprender a ensinar: memórias de professoras normalistas. Educação Matemática em Revista-RS, Porto Alegre, v. 2, n. 19, p. 21-33, 2018.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 2, p. 177-229, 1990.

COLMEZ, F.; HOSSON, C.; PICHAUD, J; ROBERT, A. (org.). Hommage à André Revuz. Paris: Laboratoire de Didactique André Revuz, 2010. Disponível em: https://docs.wixstatic.com/ugd/d9da21_7e379b811a40425e89fdb71c041534dd.pdf. Acesso em: 31 mar. 2019.

DALCIN, A.; BONFADA, E. M.; RHEINHEIMER, J. M. Odila Barros Xavier e o ensino de matemática: percursos de uma professora formadora. Educação Matemática em Revista, Brasília, v. 2, n. 19, p. 9-20, 2018.

D’AMBROSIO, B. S. The dynamics and consequences of the modern mathematics reform movement for brazilian mathematics education. 1987. Tese (Doctor of Philosophy) – School of Education, Indiana University, Bloomington, 1987.

D’AMBROSIO, B. S. Dinâmica e as consequências do movimento da matemática moderna na educação matemática do Brasil. Campinas: Mercado de Letras, 2017.

DIENES, Z. P. A matemática moderna no ensino primário. Rio de Janeiro/São Paulo: Horizonte/Fundo de Cultura, 1967.

FÉLIX, L. Mathématiques modernes ∩ enseignement élémentaire. Paris: Albert Blanchard, 1960.

FISCHER, M. C. B. A experiência das classes piloto organizadas pelo GEEMPA, ao tempo da Matemática Moderna. Revista Diálogo Educacional, PUC-PR, Curitiba, v. 6, n. 18, p. 101-112, maio/ago. 2006. https://doi.org/10.7213/rde.v6i18.3319

GEEM. Grupo de Estudos em Ensino de Matemática. Matemática moderna para o ensino secundário. São Paulo: IBECC, 1962.

GROSS, Cristiane. Diário de aulas. Porto Alegre: 1968. Caderno escolar utilizado no segundo ano do curso primário. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/186985. Acesso em: 30 mar. 2019.

GROSS, Cristiane. Entrevista concedida a Nicolas Giovani da Rosa, em 3 de setembro de 2018. Não publicada.

GROSSI, E. P. Uma arqueologia dos saberes do GEEMPA. Revista GEEMPA (35 anos), Porto Alegre, n. 10, p. 11-39, set. 2005.

KLINE, M. O fracasso da matemática moderna. Tradução: Leonidas Gontijo de Carvalho. São Paulo: Ibrasa, 1976.

LEME DA SILVA, M. C.; VALENTE, W. R. Na oficina do historiador da educação matemática: cadernos de alunos como fontes de pesquisa. Belém: SBHMat, 2009. Coleção História da Matemática para Professores. v. 19. Disponível em: http://www2.unifesp.br/centros/ghemat/images/stuffs/OFICINA_Parte_1.pdf. Acesso em: 31 mar. 2019.

LEME DA SILVA, M. C.; VALENTE, W. R. Uma breve história do ensinar e aprender matemática nos anos iniciais: uma contribuição para a formação professores. Educação matemática e pesquisa, São Paulo, v. 15, n. especial, p. 857-871, 2013.

LIBERMAN, M. P.; FRANCHI, A.; BECHARA, L. Curso moderno de Matemática para a escola elementar. v. 2. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967.

MOTA, Telmo Pires. Entrevista concedida a Elisabete Búrigo. Porto Alegre: janeiro de 2008. Não publicada.

NEDEM. Núcleo de Estudo e Difusão do Ensino da Matemática. Ensino Moderno da Matemática. v. 1. São Paulo: Editora do Brasil, 1967.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Tradução de Yara Aun Khoury. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP, Projeto História, São Paulo, n.10, p. 7-28, dez.1993.

NUNES, C. Memória e história da educação: entre práticas e representações. In: LEAL, M. C.; PIMENTEL, M. A. L. (org.). História e memória da Escola Nova. São Paulo: Loyola, 2003. p. 9-25.

NUNES, C.; CARVALHO, M. M. C. Historiografia da educação e fontes. In: GONDRA, J. G. (org.). Pesquisa em história da educação no Brasil. Rio de Janeiro: DP & A, 2005. p. 17-62.

OLIVEIRA, M. A. A aritmética escolar e o método intuitivo: um novo saber para o curso primário (1870-1920). 2017. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação e Saúde na Infância e na Adolescência) – Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2017.

OLIVEIRA, M. C. A.; LEME DA SILVA, M. C.; VALENTE, W. R. (org.). O Movimento da Matemática Moderna: história de uma revolução curricular. Juiz de Fora: Editora da UFJF, 2011.

PAPY, G.; PAPY, F. Mathématique moderne. v. 1. Bruxelles: Didier, 1965.

PICARD, N. Des ensembles à la découverte du nombre. Paris: OCDL, 1970.

REVUZ, A. Mathématique moderne, mathématique vivante. Paris: OCDL, 1963.

RIO GRANDE DO SUL. Decreto nº 6004, de 26 de Janeiro de 1955. In: RIO GRANDE DO SUL. Coletânea legislativa, decretos estaduais de 1955. Porto Alegre: 1955. p. 91-103.

SANCHEZ, L. B. Prefácio. In: LEME DA SILVA, M. C.; VALENTE, W. R. Na oficina do historiador da educação matemática: cadernos de alunos como fontes de pesquisa. Belém: SBHMat, 2009.

SANGIORGI, O. Matemática: curso moderno para cursos ginasiais. v. 1. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1964.

SANGIORGI, O. Matemática: curso moderno. Volume 1 para os ginásios. Guia para uso dos professores. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1968.

THOFEHRN, C. C.; CUNHA, N. Estrada iluminada. A festa do vaga-lume. v. 2. São Paulo: Editora Brasil, 1968.

TRAJANO, A. Arithmetica elementar illustrada. Rio de Janeiro: Martins de Araujo, [190-?].

VALENTE, W. R. O que é número? Produção, circulação e apropriação da Matemática Moderna para crianças. Bolema, Rio Claro, v. 26, n. 44, p. 1417-1442, 2012. https://doi.org/10.1590/S0103-636X2012000400014

VANPAEMEL, G. Belgian contributions to the New Math movement in Europe. The role of international organizations and the influence of the periphery. STEP MEETING, 8., 2012, Corfu. Anais [...]. Corfu, 2012. p. 1-11. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Geert_Vanpaemel/publication/. Acesso em: 31 mar. 2019.

VILLELA, L. M. A. “GRUEMA”: uma contribuição para a História da Educação Matemática no Brasil. 2009. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Bandeirante de São Paulo, São Paulo, 2009.

VIÑAO, A. Os cadernos escolares como fonte histórica: aspectos metodológicos e historiográficos. In: MIGNOT, A. C. V. (ed.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008. p. 15-33.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2019.2.33793

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS