Autopercepção no Rorschach-SC de Idosos com Depressão em uma Perspectiva Idiográfica

Claudia Daiane Trentin Lampert, Silvana Alba Scortegagna

Resumo


O uso de instrumentos de autoexpressão pode trazer contribuições na apreensão do trabalho mental. Este estudo propõe avaliar a autopercepção no Rorschach-SC de idosos com depressão em uma perspectiva idiográfica. Foram analisados 31 protocolos de idosos entre 60 e 86 anos de idade, 29 mulheres e dois homens. A análise qualitativa contemplou respostas codificadas com conteúdo mórbido (MOR), Sombreado Vista (SumV), Representação Humana de Má qualidade (PHR) com qualidade formal distorcida (FQ-), e codificadas com PHR, Códigos Especiais (Sum6) e Códigos Especiais Críticos (WSum6). Os resultados demonstraram: a) respostas com MOR sugestivas de uma autoimagem negativa e desqualificada; b) respostas SumV indicando para autocritica e autoaversão; c) respostas PHR com FQ- sugerindo uma autopercepção distorcida e inadequada; e d) respostas de PHR com Sum6 e WSum6 reportando para alterações cognitivas e autoperceptivas. Os achados do Rorschach permitiram analisar configurações típicas de idosos com depressão e indicam perspectivas para o seguimento psicoterapêutico.


Palavras-chave


técnicas projetivas, avaliação psicológica, doenças crônicas, envelhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, O. P., & Almeida, S. A. (1999). Confiabilidade da versão brasileira da Escala de Depressão Geriátrica (GDS) versão reduzida. [Reliability of the Brazilian version of the geriatric depression scale (GDS) short form]. Arquivos de Neuropsiquiatria, 57(2B), 421-426. doi:

https://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1999000300013

Bertolucci, P. H. F., Brucki, S.M.D., Campacci, S.R., & Juliano, Y. (1994). O Miniexame do estado mental em uma população geral: impacto da escolaridade. [The Mini-Mental State Examination in an outpatient

population: influence of literacy]. Arquivos de Neuro- Psiquiatria, 52(1) 1-7. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/anp/v52n1/01.pdf https://doi.org/10.1590/s0004-282x1994000100001

Borges, L. J., Benedetti, T. R. B., Xavier, A. J., & D’Orsi, E. (2013). Fatores associados aos sintomas depressivos em idosos: estudo EpiFloripa. [Associated factors of depressive symptoms in the

elderly: Epi Floripa study]. Revista de Saúde Pública, 47(4), 701-710. doi:10.1590/S0034-8910.2013047003844

Brucki, S. M. D. I., Nitrini, R., Caramelli, P., Bertolucci, P., & Okamoto, I.H. (2003). Sugestões para o uso do Miniexame do Estado Mental no Brasil. [Suggestions for utilization of the mini-mental state examination in Brazil]. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 61(3B), 777-781. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2003000500014

Carneiro, A. M., Baptista, M. N. & Moreno, R. A. (2014). Depression thoughts scale: association with depression rating scales. Journal Depression & Anxiety, 3(3), 155. doi:10.4172/2167-1044.1000155

Exner, JR, J. E. (2003). The Rorschach: A comprehensive system. (4. ed.). New York, NY: John Wiley & Sons.

Exner JR, J.E. (1999). Manual de classificação do Rorschach para o sistema compreensivo. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Exner JR., J. E. & Sendin, C. (1999). Manual de interpretação do Rorschach para o sistema compreensivo. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Fiske, A., Wetherell, J. L, & Gatz, M. (2009). Depression in older adults. Annual Review Clinnical Psychology. 5, 363–389. doi. http://dx.doi.org/10.1146/annurev.clinpsy.032408.153621

Hartmann, E., Halvorsen, M., & Wang, C.E.A. (2013). Rorschach variables and dysfunctional attitudes as measures of depressive vulnerability: a 9-year follow-up study of individual with different histories of Major

Depressive Episodes. Journal of Personality Assessment, 95(1), 26-37. doi: 10.1080 / 00223891.2012.713881.

Hisatugo, C. L. C., & Yazigi, L. (2014). Estudo exploratório com indivíduos com depressão por meio do Rorschach, Sistema Compreensivo. Avaliação Psicológica, 13(2), 157- 166. https://doi.org/10.11606/t.47.2008.tde-28012009-094602

Husain, O. (2015). From persecution to depression: A case of chronic depression: associating the Rorschach, the TAT, and Winnicott. Journal of Personality Assessment, 97(3), 230-240. doi. 10.1080/00223891.2015.1009081

Lampert, C. D. T (2016). Evidências de validade do Rorschach no diagnóstico de depressão em idosos. [Evidences of Rorschach validity in the diagnosis of depression in elderly] (Dissertação de mestrado). Retrieved from https://secure.upf.br/tede/tde_busca/index.php

Organização Mundial da Saúde [OMS] (1993). CID-10: Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento. Descrições clínicas e diretrizes

diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas. https://doi.org/10.1590/s1516-44461999000200014

Sheikh, J. I., & Yesavage, J. A. (1986). Geriatric Depression Scale (GDS): Recent evidence and development of a shorter version. Clinical Gerontology, 5, 165-173. https://doi.org/10.1300/j018v05n01_09

Smith, M., Haedtke, C., & Shibley, D. (2015). Late life depression detection: an evidence-based guideline. Journal Gerontolical Nursing, 41(2), 18–25. doi:10.3928/00989134-20150115-99.

Tavares, M. (2003). Validade Clínica. Psico-USF, 8(2), 125-136. doi:10.1590/S1413-82712003000200004

Taylor, W. D. (2014). Depression in the elderly. The New England Journal of Medicine, 371, 1228-1236.

Unützer, J., & Park, M. (2012). Older adults with severe, treatment-resistant depression. The Journal of the American Medical Association, 308(9), 909-918. doi: 10.1001/2012.jama.10690.

Verdon, B. (2012). Changing while remaining the same self-representation confronted with aging. Rorschachiana, 33, 145-168. doi: 10.1027/1192-5604/a000033

Villemor-Amaral, A. E., & Machado, M. A. S. (2011). Indicadores de depressão do Zulliger no Sistema Compreensivo (ZSC). [The depression index in the

Zulliger Comprehensive System (ZSC)]. Paidéia, 21(48), 21-27. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2011000100004

Weiner, I. B. (2000). Princípios da interpretação do Rorschach. São Paulo: Casa do Psicólogo.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2019.3.29884

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623

ISSN-L: 0103-5371

*********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS