Crianças institucionalizadas e sintomas depressivos por meio do Rorschach e do CDI

Ana Cristina Resende, Lorena de Melo Mendonça Oliveira, Renata Franco

Resumo


Os sintomas depressivos em crianças podem ser sutis e variados. Este estudo investigou sintomas depressivos em crianças institucionalizadas para a adoção, comparando-as com crianças não institucionalizadas, utilizando para isso o método de Rorschach Sistema Compreensivo e o CDI. Participaram do estudo 84 crianças, com idades entre 7 e 11 anos. Para a análise de dados foram utilizados: o teste t de student, a correlação de Pearson e o d de Cohen. Os resultados revelaram que as crianças institucionalizadas se mostraram com mais baixa autoestima, problemas afetivos, ideações suicidas, dificuldade escolar e dificuldade na relação com o outro quando comparadas com as crianças não institucionalizadas. Esses dados sugerem uma possível síndrome depressiva, sendo aconselhável a investigação clínica mais aprofundada para providenciar diagnóstico e tratamento, especialmente nas crianças institucionalizadas. Além disso, foram observadas associações entre as variáveis do Rorschach e CDI. Implicações desses achados e sugestões de pesquisas futuras são apresentadas ao final.


Palavras-chave


crianças institucionalizadas, depressão infantil, teste de Rorschach, escala de autoavaliação.

Texto completo:

PDF

Referências


Álvares, A. De M., & Lobato, G. R. (2013). Um estudo exploratório da incidência de sintomas depressivos em crianças e adolescentes em acolhimento institucional. Temas em Psicologia, 21(1), 151-164. https://doi.org/10.9788/TP2013.1-11

American Psychiatric Association - APA (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM 5 (5. ed.). Porto Alegre: Artimed..

Avanci, J., Assis, S., Oliveira, R., & Pires, T. (2009). Quando a convivência com a violência aproxima a criança do comportamento depressivo. Ciência & Saúde Coletiva, 14(2), 383-394. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000200008

Batki, A. (2017). The impact of early institutional care on emotion regulation: studying the play narratives of post-institutionalized and early adopted children. Early Child Development and Care, 188,(12), 1801-1815. https://doi.org/10.1080/03004430. 2017.1289190

Bick, J., & Nelson, C. A. (2016). Early Adverse Experiences and the Developing Brain. Neuropsycho pharmacology, 41(1), 177–196. http://doi.org/10.1038/npp.2015.252

Bowlby, J. (1978). Attachement et Perte. Paris: PUF.

Braithwaite, E. C., O’Connor, R. M., Degli-Esposti, M., Luke, N., & Bowes, L. (2017). Modifiable predictors of depression following childhood maltreatment: a systematic review and meta-analysis. Translational Psychiatry, 7(7), e1162. https://doi.org/10.1038/tp.2017.140

Calcing, J., & da Cruz Benetti, S. P. (2014). Caracterização da Saúde Mental em Crianças e Adolescentes em Acolhimento Institucional. Psico, 45(4), 559-567. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2014.4.13629

Calderaro, R. S. S & Carvalho, C. V. (2005). Depressão na infância: Um estudo exploratório. Psicologia em Estudo, 10(2), 181-189. https://doi.org/10.1590/S1413-73722005000200004

Cohen, J. (1988). Statistical power analysis for the behavioral sciences. (2ª ed). Hillsdale, New Jersey: Lawrence Erbaum.

Copper-Royer, B. (2017). Enfant anxieux, enfant peureux. Paris: Albin Michel

Dell’Aglio, D. D., & Hutz, C. S. (2004). Depressão e Desempenho Escolar em Crianças e Adolescentes Institucionalizados. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(3), 341-350. https://doi.org/10.1590/S0102-79722004000300008

Estatuto da Criança e do Adolescente (1990 Julho 16). Lei 8.069, de 13 de julho de 1990. D. O. pp. 13563. Atualizado com a Lei Nacional da Adoção (Lei 12.010, de 03.08.2009. D. O. 04 agosto 2009, pp. 1). https://doi.org/10.24824/978854442147.5

Exner, J. E., Jr. (2003). The Rorschach: A comprehensive system. Vol. 1: Basic foundations and principles of interpretation. Hoboken, NJ: Wiley.

Farah, F.H.Z., Cardoso, L.M. & Villemor-Amaral, A. E. (2014). Precisão e validade do Pfister para avaliação de crianças. Avaliação Psicológica, 13(2), 187-194. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2016.1.19990

Goldmann, S. (2012). Developmental Epidemiology of Depressive Disorders. Child and adolescent psychiatric clinics of North America, 21(2), 217-235. http://dx.doi.org/10.1016/j.chc.2011.12.002

Gontijo, D. T., & Medeiros, M. (2007). Crianças e adolescentes em processo de exclusão social. Estudos, 34(1/2), 119-133. DOI INEXISTENTE

Gouveia, R. S. V. & Gouveia, V. V. (2013). Depressão na infância e adolescência: conceituação, medida e tratamento. São Paulo: Vetor.

Kaser-Boyd, N., & Evans, F. (2008). Rorschach assessment of psychological trauma. In: C. Gacono, & F. Evans, The Handbook of Forensic Rorschach Assessment. (pp. 255-277). New York: Routledge. https://doi.org/10.1080/00223891.2015.1036436

Luxenberg, T., & Levin, P. (2004). The role of the Rorschach in the assessment and treatment of trauma. In: J. Wilson, & T. Keane, Assessing psychological trauma and PTSD. (pp. 190-225). New York: Guilford.

Meyer, G. J., & Kurtz, J. E. (2006). Guidelines Editorial - Advancing personality assessment terminology: Time to retire “objective” and “projective” as personality test descriptors. Journal of Personality Assessment, 87, 223-225. https://doi.org/10.1207/s15327752 jpa8703_01

Meyer, G. J., Viglione, D. J., Mihura, J. L., Erard, R. E., & Erdberg, P. (2017). R-PAS – Sistema de Avaliação por Performance no Rorschach. São Paulo: Hogrefe.

Mihura, J. L., Meyer, G. J., Dumitrascu, N., & Bombel, G. (2013). The validity of individual Rorschach variables: Systematic reviews and meta-analyses of the comprehensive system. Psychological Bulletin, 139(3),

–605. https://doi.org/10.1037/a0029406

Milani, R. G. & Loureiro, S. R. (2009). Crianças em risco psicossocial associado à violência doméstica: o desempenho escolar e o autoconceito como condições de proteção. Estudos de Psicologia, 14(3), 191-198.

https://doi.org/10.1590/S1413-294X2009000300002

Nascimento, R. S. G. F., Resende, A.C., & Ribeiro, R. K. S. M. (2017). Crianças e adolescentes avaliadas pelo Método de Rorschach Sistema Compreensivo. Casa do Psicólogo: São Paulo. Casa do Psicólogo. São Paulo. https://doi.org/10.11606/t.47.2008.tde-30112009-091310

Oliveira, L. de M., & Resende, A. C. (2016). Estudo de Sintomas Depressivos em Crianças sob situação de Acolhimento Institucional. Psicologia em Pesquisa, 10(1), 55-63. https://dx.doi.org/10.24879/201600100010047

Paredes P., & Calvete, E. (2014). Cognitive vulnerabilities as mediators between emotional abuse and depressive symptoms. Journal of Abnormal Child Psychology, 42, 743–753. https://doi.org/10.1007/s10802-013-9828-7

Peixoto, A. M. M., Silva, D. H., Pereira, D. E. I., Silva, F. G. D., Borges, H. M., Souza, I. A., Carvalho, J. T., ... Chaveiro, M. T. (2012). Da região metropolitana de Goiânia (GO): Possibilidades do olhar geográfico. Observatorium, 4(11), 138-148.

Pereira, P. C., Santos, A. B., & Williams, L. C. A. (2009). Desempenho escolar da criança vitimizada encaminhada ao fórum judicial. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(1), 19-28. https://doi.org/10.1590/S0102-37722009000100003

Pracana, S. M., & Santos, S. V. (2010). Depressão em crianças e adolescentes em acolhimento institucional: Caracterização e relação com variáveis do acolhimento. Actas do VII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia (pp. 721-735). Braga: Universidade do Minho. https://doi.org/10.11606/d.47.2012.tde-08112012-152109

Resende, A. C. (2016). Método de Rorschach: referências essenciais (edição revista e atualizada). Goiânia: Editora IGAP.

Resende, K. I. D. S. de, & Teodoro, M. (2018). Avaliação da depressão infantil. In: M. Lins, M. Muniz, & L. Cardoso, Avaliação psicológica infantil. (pp. 353-376). São Paulo: Hogrefe.

Rutter, M., Kumsta, R., Schlotz, W., & Sonuga-Barke, E. (2012). Longitudinal studies using a “natural experiment” design: The case of adoptees from Romanian institutions. Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry, 51(8), 762–770. https://doi.org/10.1016/j.jaac.2012.05.011

Sperry D. M., & Widom, C, S. (2013). Child abuse and neglect, social support, and psychopathology in adulthood: a prospective investigation. Child Abuse & Neglect, 37, 415–425. https://doi.org/10.1016/j.chiabu.2013.02.006

Spitz, R. A. (1976). De la naissance à la parole. Paris: PUF.

Vasconcelos, Q. A., Yunes, M. A. M. & Garcia, N. M. (2009). Um estudo ecológico sobre as interações da família com o abrigo. Paidéia, 19(43), 221-229. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2009000200010

Wathier, J. L., Dell’Aglio, D. D.& Bandeira, D. R. (2008). Análise fatorial do Inventário de Depressão Infantil (CDI) e amostra de jovens brasileiros. Avaliação Psicológica, 7(1), 75-84.

Weiner, I. B., & Greene, R. L. (2008). Handbook of personality assessment. New York:Wiley.

Wulczyn, F., Brunner, K., & Goerge, R. (2002). Multistate foster care data archive. Chicago, IL: University of Chicago Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2019.3.29666

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623

ISSN-L: 0103-5371

*********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS