Análise da estrutura dimensional da escala de automonitoria

Marcia Cristina Monteiro, Adriana Benevides Soares

Resumo


As relações na universidade provavelmente são responsáveis por redes que facilitam os processos de aprendizagem e a permanência no Ensino Superior. O conceito de automonitoria pressupõe que as pessoas regulam a autoapresentação, adaptando ações de acordo com as pistas situacionais, o que muito facilitaria o processo de integração. Este estudo teve o objetivo de analisar a estrutura dimensional da Escala de Automonitoria por meio da análise de network. Participaram 500 alunos de instituições públicas e privadas de Ensino Superior, de ambos os sexos e idade entre 18 a 38 anos. Os dados foram coletados em sala de aula e os participantes assinaram o TCLE. A análise preservou os 18 itens e manteve dois fatores se aproximando do modelo em inglês. A escala apresenta evidências de validade que permite a utilização no contexto brasileiro. Estudos prospectivos podem viabilizar a análise das associações entre automonitoria e outras variáveis da adaptação acadêmica.


Palavras-chave


adaptação acadêmica, automonitoria, análise fatorial.

Texto completo:

PDF

Referências


Brandão, S. A., Bolsoni-Silva, A. T., & Loureiro, S. R. (2017). Preditores da conclusão da graduação: Habilidades sociais, saúde mental, características acadêmicas. Paidéia,27(66),117-125. http://dx.doi.org/10.1590/1982-43272766201714

Briggs, S. R., & Cheek, J . M. (1988). On the nature of self-monitoring: Problems with assessment, problems with validity. Journal of Personality and Social Psychology, 54, 663-678. http://dx.doi.org/10.1037/0022-

54.4.663

Gangestad, S. & Snyder, M. (1985a). “To carve nature at its joints”: On the existence of discrete classes in personality. Psychological Review, 92, 317-349. https://doi.org/10.1037/0033-295X.92.3.317

Gangestad, S. & Snyder, M. (1985b). On the nature of self-monitoring: An examination of latent causal structure. In P. Shaver (Ed.), Review of Personality and Social Psychology (Vol. 6, pp. 65-86). Beverly Hills: Sage.

Golino, H. F., &Epskamp, S. (2017). Exploratory graph analysis: A new approach for estimating the number of dimensions in psychological research. PLoS ONE, 12(6), e0174035. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0174035

Gomes, G. & Soares, A. B. (2013). Inteligência, habilidades sociais e expectativas acadêmicas no desempenho de estudantes universitários. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(4), 780-789. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722013000400019

Guarino, A, Michael, W. B., & Hocevar, D. (1998). Self-Monitoring and Student Integration of Community College Students. The Journal of

Social Psychology, 138(6), 754-757. http://dx.doi.org/10.1080/00224549809603260

Hoyle, R. H., & Lennox, R. D. (1991). Latent structure of self-monitoring. Multivariate Behavioral Research,26(3), 511-540. https://doi.org/10.1207/s15327906mbr2603_8

Lennox, R. D., & Wolfe, R. N. (1984). Revision of the self-monitoring scale. Journal of Personality and Social Psychology, 46, 1349-1364. https://doi.org/10.1037/0022-3514.46.6.1349

Leone, C. (2006). Self-monitoring: Individual differences in orientations to the social world. Journal of Personality, 74, 633-657. https://doi.org/10.1111/j.1467-6494.2006.00387.x

Monteiro, M. C. , & Soares, A. B. (2017). Adaptação e validação da Escala de Automonitoria para o português do Brasil. Avaliação Psicológica, 16(2), 169-175. https://dx.doi.org/10.15689/AP.2017.1602.07.

Monteiro, M.C., & Soares, A. B. (2019). Análise Confirmatória e Estudo de Convergência da Escala de Automonitoria. Manuscrito submetido para publicação.

Machado, W. L., Vissoci, J., & Epskamp, S. (2015). Análise de rede aplicada psicometria e à avaliação psicológica. In C. S. Hutz, D. R. Bandeira, & C. M. Trentini. Psicometria. (pp. 125-146). Porto Alegre: Artmed.

Reise, S. P. (2012). Invited Paper: The Rediscovery of Bifactor Measurement Models. Multivariate Behavioral Research,47(5), 667-696. https://doi.org/10.1080/00273171. 2012.715555

Snyder, M. (1974). Self-monitoring of expressive behavior. Journal of Personality and Social Psychology, 30, 526–537. https://doi.org/10.1037/h0037039

Snyder, M. (1987). Public Appearances/Private Realities: The psychology of self-monitoring. New York: Freeman and Company.

Snyder, M., & Gangestad, S. (1986). On the nature of self-monitoring: Matters of assessment, maters of validity. Journal of Personality and Social Psychology, 51, 125-139. https://doi.org/10.1037/0022-3514.51.1.125

Soares, A. B. & Del Prette, Z. A. P. (2015). Habilidades sociais e adaptação à universidade: Convergências e divergências dos construtos. Análise Psicológica, 2(33), 139-151. http://dx.doi.org/10.14417/ap.911

Soares, A. M., Pinheiro, M. R., & Canavarro, J. M. P.(2015). Transição e adaptação ao ensino superior e a demanda pelo sucesso nas instituições portuguesas. Psychologica, 58(2), 97-116. https://doi.org/10.14195/1647-8606_58-2_6

Wilmot, M. P. (2015). A contemporary taxometric analysis of the latent structure of self-monitoring. Psychological Assessment, 27(2), 353-364. https://doi.org/10.1037/pas0000030




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2019.3.28544

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623

ISSN-L: 0103-5371

*********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS