Truthiness and consequences in the public use of reason

Jeffrey Edwards

Resumo


O artigo mostra que há boas razões para questionar se abordagens embasadas na virtude sobre a questão da justiça podem adequadamente dar conta dos usos sofistas da mentira política – especialmente quando o pensamento sofista estende-se ao ponto culminante do ceticismo moral, ou para além do gritante niilismo moral e seus usos cínicos. A fim de refutar tais usos, recorre-se à mais influente discussão sobre a mentira em Kant, que se encontra em seu artigo de 1797 “Sobre o Suposto Direito de Mentir por causa da Filantropia.” Embora mantenha que o particular argumento moral kantiano contra Constant seja deficiente, o artigo argumenta que a posição especificamente política no argumento jurídico genérico de Kant é defensável. Mostra-se, portanto, que o relato kantiano das condições para a possível conformidade da política com os princípios do Direito efetivamente estabelece que um ato de mentir é passível de impeachment e categoricamente exige o impeachment e a devida execução jurídica de tal delito. PALAVRAS-CHAVE – Filosofia do Direito. Filosofia moral. Kant. Mentira política.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2008.1.3972



ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


ISSN-L: 0042-3955 | e-ISSN: 1984-6746


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada. Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS