A questão fundamental da crítica de Tugendhat a Heidegger: falsidade, descerramento e a transição semântica de ‘verdade’

Paulo Mendes Taddei

Resumo


Reconstroem-se, neste artigo, as objeções de Daniel Dahlstrom (2001) e Rufus Duits (2007) à crítica de Tugendhat (1970) à tese heideggeriana de que o conceito primordial de verdade consiste na noção de desvelamento (Unverborgenheit). De diferentes modos, ambos os autores mantêm que Heidegger, ao contrário das acusações de Tugendhat, seria capaz de dar conta da falsidade. Grosso modo, enquanto Dahlstrom propõe que Tugendhat não apreciou o caráter transcendental do conceito originário de verdade em Heidegger, Duits acusa Tugendhat de haver se prendido à perspectiva metafísica da Vorhandenheit. O objetivo deste artigo é indicar, com a ajuda dessa discussão, a questão fundamental da crítica de Tugendhat que, como parte da literatura mostrou (LAFONT, 1994; SMITH, 2007), reside não tanto na exigência de uma explicação para a falsidade, mas muito mais na exigência de uma justificação para a transição semântica de ‘verdade’. Após mostrar nas duas primeiras seções como, respectivamente, Dahlstrom e Duits não atingem o cerne da crítica de Tugendhat, defendo na terceira seção minha interpretação da crítica de Tugendhat contra certas reservas recentemente articuladas por Wrathall (2011). Concluo indicando a consonância dessa interpretação com a concessão de Heidegger em Das Ende der Philosophie und die Aufgabe des Denkens e apontando algumas questões pendentes.


Palavras-chave


Verdade. Heidegger. Tugendhat. Falsidade.

Texto completo:

PDF

Referências


APEL, Karl-Otto. Transformação da Filosofia I: Filosofia Analítica, Semiótica e Hermenêutica. Trad. Paulo Astor Soethe. São Paulo: Loyola, 2000.

CROWELL, Steven G.Husserl, Heidegger, and Transcendental Philosophy: Another Look at the Encyclopaedia Britannica Article. In: CROWELL, Steven G.Husserl, Heidegger and the Space of Meaning: Paths Toward a Transcendental Philosophy. Evanston, IL: Northwestern University Press, 2001. p. 167-181.

DAHLSTROM, Daniel O. Heidegger’s Concept of Truth. New York: Cambridge University Press, 2001.

DUITS, Rufus. On Tugendhat’s Analysis of Heidegger’s Concept of Truth. International Journal of Philosophical Studies v. 15, n. 2, june 2007, p. 207-223. https://doi.org/10.1080/09672550701383491

GETHMANN, Carl Friedrich. Dasein: Erkennen und Handeln: Heidegger im phänomenologischen Kontext. Berlin, de Gruyter, 1993. https://doi.org/10.1515/9783110882827

HEIDEGGER, Martin. O fim da filosofia e a tarefa do pensamento. Tradução: Ernildo Stein. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 65-81. (Coleção Os Pensadores.)

HEIDEGGER, Martin. GA 15: Seminare. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1986.

HEIDEGGER, Martin. Zur Sache des Denkens. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1988.

HEIDEGGER, Martin. GA 21: Logik: die Frage nach der Wahrheit. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1995.

HEIDEGGER, Martin. Sein und Zeit. 18. Aufl. Tübingen: Max-Niemayer Verlag, 2001.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Tradução: Márcia Sá Cavalcante Schuback. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Tradução: Fausto Castilho. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2014.

LAFONT, Cristina. Sprache und Welterschliessung: Zur linguistischen Wende der Hermeneutik Heideggers. Frankfurt ao Meno: Suhrkamp, 1994.

MOHANTY, Jitendra N. The Possibility of Transcendental Philosophy. Dordrecht: Martinus Nijhoff, 1985. https://doi.org/10.1007/978-94-009-5049-8

OVERGAARD, Søren. Heidegger’s Concept of Truth Revisited. Sats – Nordic Journal of Philosophy, v. 3, n. 2, 2002, p. 73-90. https://doi.org/10.1515/SATS.2002.73

RIBEIRO, André Antonio. Do desvelamento à clareira: o desenvolvimento da noção de verdade em Heidegger. Controvérsia, v. 14, n. 2, 2018, p. 17-24.

SMITH, William. Why Tugendhat’s Critique of Heidegger’s Concept of Truth Remains a Critical Problem. Inquiry, v. 50, n. 2, 2007, p. 156-179. https://doi.org/10.1080/00201740701239749

Stroud, Barry. Transcendental Arguments. The Journal of Philosophy, v. 65, n. 9, 1968, p. 241–256. https://doi.org/10.2307/2024395.

TADDEI, Paulo M. Da correspondência ao desvelamento: uma discussão da crítica de Tugendhat ao conceito de verdade de Heidegger. 2014. 130f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 2014.

TADDEI, Paulo M. Uma restrição para interpretações pragmatistas de Ser e Tempo: uma avaliação da principal objeção de Gethmann à crítica de Tugendhat ao conceito de verdade de Heidegger. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 26, n. 50, p. 275-303, 30 maio 2019.

TUGENDHAT, Ernst. Der Wahrheitsbegriff bei Husserl und Heidegger. 2. ed. Berlin: Walter de Gruyter& Co.,1970.

TUGENDHAT, Ernst. Heideggers Idee der Wahrheit. In: SKIRRBEKK, Gunnar. (ed.).Wahrheitstheorien: Eine Auswahl aus den Diskussionen über Wharheit im 20. Jahrhundert. Frankfurt: Suhrkamp,1993.

TUGENDHAT, Ernst. Selbstbewusstein und Selbstbestimmung. Frankfurt: Suhrkamp, 1979.

WRATHALL, Mark. Heidegger and Truth as Correspondence. In: Dreyfus, H. (org.). Heidegger Reexamined. York: Routledge, 2002. Vol. 2: Truth, Realism and the History of Being.New.

WRATHALL, Mark. Heidegger and Unconcealment: Truth, Language, and History. New York: Cambridge University Press, 2011.

ZABALA, Santiago. The Hermeneutic Nature of Analytic Philosophy. New York: Columbia University Press, 2008.

ZARADER, Marlène. Heidegger e as palavras de origem. Tradução do original “Heidegger et les paroles de l’origine”: João Duarte. Lisboa, Instituto Piaget, 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2020.1.36570

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN-L: 0042-3955 | e-ISSN: 1984-6746


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada. Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS