Sobre idealistas e realistas: o Estado Novo e o constitucionalismo autoritário brasileiro

Luis Rosenfield

Resumo


O artigo busca explicar o processo de decadência da democracia liberal e ascensão do autoritarismo no Brasil entre 1930 e 1945. Através da história intelectual, o objetivo é analisar de que forma se consolida o constitucionalismo autoritário brasileiro no Estado Novo. O foco da investigação está centrado na consagração do autoritarismo declarado da Era Vargas e de seu impacto sobre a Teoria Constitucional e a História Constitucional. A chave-de-leitura do trabalho é a contraposição conceitual entre idealistas constitucionais e realistas autoritários.


Palavras-chave


Era Vargas. História das ideias. Pensamento constitucional. Antiliberalismo. Constitucionalismo autoritário.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Luciano Aronne de. O sentido democrático e corporativo da não-Constituição de 1937. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 29, n. 58, p. 461-480, maio/ago. 2016. https://doi.org/10.1590/S2178-14942016000200008.

ANDRADE, Almir de. A verdade contra Freud. Rio de Janeiro: Schmidt, 1933.

ARRAES, Monte. O Estado Novo e suas diretrizes: estudos políticos e constitucionais. Rio de Janeiro: José Olympio, 1938.

BARATA, Julio. O espírito da nova Constituição. Rio de Janeiro: Mandarino & Molinari, 1938.

BARROSO, Gustavo. Comunismo, cristianismo e corporativismo. Rio de Janeiro: Empresa Editora ABC Limitada, 1938. 164 p.

CAMPOS, Francisco. A política e o nosso tempo (conferência no salão da Escola de Belas-Artes, em 28 de setembro de 1935). In: CAMPOS, Francisco. O Estado Nacional: sua estrutura, seu conteúdo ideológico. Brasília, DF: Senado Federal, 2001 [1940].

CAMPOS, Francisco. Problemas do Brasil e soluções do regime (entrevista concedida à imprensa, em janeiro de 1938). In: CAMPOS, Francisco. O Estado Nacional: sua estrutura, seu conteúdo ideológico. Brasília, DF: Senado Federal, 2001 [1940].

CAMPOS, Francisco. Exposição de Motivos do Projeto do Código de Processo Civil. In: CAMPOS, Francisco. O Estado Nacional: sua estrutura, seu conteúdo ideológico. Brasília, DF: Senado Federal, 2001 [1940].

CASTRO, Araújo. A Constituição de 1937. Prefácio de Inocêncio Mártires Coelho. Brasília, DF: Senado Federal, 2003.

CAVALCANTI, Themístocles Brandão. Instituições de direito administrativo brasileiro (parte especial). 2. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1938. v. 2.

CODATO, Adriano Nervo. Elites e instituições no Brasil: uma análise contextual do Estado Novo. 441f. 2008. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, Universidade de Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

DUTRA, Eliana. O ardil totalitário. O imaginário político no Brasil dos anos 30. Belo Horizonte: UFMG, 1997. 412 p.

GRIMM, Dieter. Solidarität als Rechtsprinzip: Die Rechts- und Staatslehre Léon Duguits in ihrer Zeit. Frankfurt am Main: Athenäum, 1973.

GRIMM, Dieter. Types of Constitutions. In: ROSENFELD, Michel; SAJÒ, András (ed.). The Oxford Handbook of Comparative Constitutional Law. Oxford: Oxford University Press, 2012. https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199578610.013.0006.

HALL, Kermit K.; ELY JÚNIOR, James W. (org.). An uncertain tradition. Constitutionalism and the History of the South. Athens: The University of Georgia Press, 1989.

LINS, Augusto E. Estellita. A nova Constituiçãção dos Estados Unidos do Brasil. Rio de Janeiro: José Konfino, 1938.

LOEWENSTEIN, Karl. Brazil under Vargas. New York: The Macmillan Company, 1942.

LOEWENSTEIN, Karl. Political power and the governmental process. Chicago: The University of Chicago Press, 1957.

MACIEL, Anor Butler. O estado corporativo. Porto Alegre: Globo, 1936. 138p.

MACIEL, Anor Butler. Nacionalismo. O problema judaico no mundo e no Brasil – o nacional socialismo. Porto Alegre: Globo, 1937.

MELLO, Olbiano de. Republica Syndicalista dos Estados Unidos do Brazil. 2. ed. Rio de Janeiro: Typ. Terra e Sol, 1931. 117 p.

NUNES, José de Castro. O espírito público fora dos partidos. Rio de Janeiro: DIP, 1941.

PERLMUTTER, Amos. Modern authoritarianism: a comparative institutional analysis. New Haven: Yale University Press, 1981.

REALE, Miguel. Corporativismo e unidade nacional. In: REALE, Miguel. Obras políticas (1ª. fase – 1931-1937). Brasília: Editora UnB, 1983 [1936]. t. 3. p. 235-242.

REALE, Miguel. Imperativos da Revoluçãção de Março. São Paulo: Martins, 1965. 122 p.

REALE, Miguel. Integralismo e democracia. In: REALE, Miguel. Obras políticas (1ª. fase – 1931-1937). Brasília, DF: Editora UnB, 1983 [1937]. t. 3. p. 243-251.

REALE, Miguel. Nós e os fascistas da Europa. In: REALE, Miguel. Obras políticas (1ª. fase – 1931-1937). t. III. Brasília, DF: Editora UnB, 1983 [1936]. t. 3. p. 223-233.

ROSENFIELD, Luis. Transformações do pensamento constitucional brasileiro: a história intelectual dos juristas da Era Vargas (1930-1945). 2019. 247f. Tese (Doutorado em Direito) – Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, 2019.

SILVA, Carlos Medeiros. O Ato Institucional e a elaboração legislativa. Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 53, n. 347, p. 7-17, set. 1964.

SILVA, Carlos Medeiros. Seis meses de aplicação do ato institucional. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 78, p. 449-452, out./dez. 1964.

TUSHNET, Mark. Authoritarian Constitutionalism. Cornell Law Review, Ithaca, v. 2, n. 100, p. 391-461, jan. 2015.

TUSHNET, Mark. Authoritarian constitutionalism: some conceptual issues. In: GINSBURG, Tom; SIMPSER, Alberto. Constitutions in authoritarian regimes. Cambridge: Cambridge University Press, 2014.

VIANNA, Oliveira. O idealismo da Constituição. 2. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1939.

VIANNA, Oliveira. Pequenos estudos de psycologia social. São Paulo: Revista do Brasil, 1923.

VIANNA, Oliveira. Pequenos estudos de psychologia social. 3. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942.

VIANNA, Oliveira. Problemas de direito sindical. Rio de Janeiro: Max Limonad, 1943.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2020.1.36252

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN-L: 0042-3955 | e-ISSN: 1984-6746


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada. Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS