TRADUÇOES DE FILOSOFIA MEDIEVAL EM PORTUGAL: boletim de publicações recentes

J. F. Meirinhos

Resumo


A tradução de textos filosóficos constitui um elemento central, embora geralmente negligenciado, da constituição do campo filosófico em cada época e dentro de uma determinada tradição lingüística. As traduções, antes de tudo, contribuem para a formação e a renovação do corpo de conceitos sem os quais não há pensamento articulado, nem especulação, nem a emergência do novo. A Idade Média, especialmente com as traduções arabo-latinas e greco-latinas dos séculos XII-XIII, fornece-nos uma poderosa ilustração do contributo das traduções para. a formação do léxico filosófico e sobretudo para a renovação literária e científica da filosofia. Nesses séculos não assistimos apenas à recepção de uma biblioteca até aí desconhecida em latim, mas sobretudo à constituição de uma rica e dinâmica reserva de conceitos. É sob o impulso das traduções que se abre e se constitui no final da Idade Média outra tradição filosófica, no interior da qual germinarão, também por via de tradução para as novas línguas latinas e anglo-saxónicas, as múltiplas linhagens filosóficas modernas e contemporâneas.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.1998.3.35434



ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


ISSN-L: 0042-3955 | e-ISSN: 1984-6746


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada. Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS